Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Quais os efeitos do sofrimento psicológico materno no feto com cardiopatia congênita?
médico e enfermeira realizando consulta em menino com cardiopatia congênita

Quais os efeitos do sofrimento psicológico materno no feto com cardiopatia congênita?

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O sofrimento psicológico pré-natal entre mulheres cujos fetos têm doença cardíaca congênita (DCC) pode levar a resultados prejudiciais para a mãe e o filho. Esses são os resultados do estudo Association of Maternal Psychological Distress With In Utero Brain Development in Fetuses With Congenital Heart Disease, de Wu e colaboradores, publicado online em 13 de janeiro de 2020 no jornal JAMA Pediatrics.

Sofrimento materno e fetos com doença cardíaca congênita

Sabe-se, de antemão, que o sofrimento psicológico materno pré-natal pode resultar em resultados negativos para a mãe e o filho. O estresse materno aumenta com o recebimento de um diagnóstico pré-natal de DCC. Todavia a associação entre estresse materno e o desenvolvimento cerebral de fetos com doença coronariana é desconhecida.

Dessa forma, esse foi o objetivo do estudo de Wu e colaboradores: determinar a associação do sofrimento psicológico materno ao desenvolvimento cerebral de fetos com doença coronariana.

Os pesquisadores efetuaram um estudo longitudinal, prospectivo e caso-controle. Foram recrutadas, consecutivamente, 48 gestantes portadoras de fetos com doença coronariana e 92 voluntárias saudáveis com gestações de baixo risco provenientes do Children’s National Health System, em Washington, DC. Os dados foram colhidos entre janeiro de 2016 e setembro de 2018, e analisados entre janeiro de 2016 e junho de 2019.

Leia também: Sífilis congênita: o que o médico precisa saber

Wu e colaboradores mediram o estresse, a ansiedade e a depressão materna usando os instrumentos Perceived Stress Scale, Spielberger State-Trait Anxiety Inventory, e Edinburgh Postnatal Depression Scale, respectivamente. Os volumes de cérebro fetal total, telencéfalo, hipocampo esquerdo e direito, cerebelo e tronco cerebral foram determinados a partir de exames de ressonância magnética (RM) ponderados em T2 e reconstruídos tridimensionalmente.

Foram incluídos 223 exames de RM de 140 fetos (74 RM de 48 fetos com doença coronariana e 149 RM de 92 fetos saudáveis) entre 21 e 40 semanas de gestação. Entre 48 mulheres portadoras de fetos com doença coronariana, 31 (65%) apresentaram resultado positivo para estresse, 21 (44%) para ansiedade e 14 (29%) para depressão. Entre as 92 gestantes portadoras de fetos saudáveis, 25 (27%) apresentaram teste positivo para estresse, 24 (26%) para ansiedade e 8 (9%) para depressão.

Resultados

Os escores de depressão foram maiores entre 17 mulheres portadoras de fetos com doença coronariana ventricular única versus 31 mulheres portadoras de fetos com doença coronariana bilateral [3,8; intervalo de confiança de 95% (IC95%), 0,3 a 7,3].

Mais da autora: Sepse em pediatria: como identificar a partir dos dados de rotina clínica?

O estresse e a ansiedade maternos foram associados a menores volumes de hipocampo esquerdo (estresse: -0,003 cm³; IC 95%, -0,005 a -0,001 cm³), hipocampo direito (estresse: -0,004; IC95%, -0,007 a -0,002; característica ansiedade: -0,003; IC95%, -0,005 a -0,001) e cerebelar (estresse: -0,06; IC95%, -0,09 a -0,02), apenas entre mães de fetos com doença coronariana. Regiões hipocampais comprometidas foram observadas no aspecto medial da cabeça do hipocampo esquerdo e no aspecto inferior da cabeça e do corpo do hipocampo direito. Regiões cerebelares comprometidas foram observadas no aspecto superior anterior das regiões vermal e paravermal e no lobo cerebelar esquerdo.

Os achados do estudo de Wu e colaboradores sugeriram que o sofrimento psicológico entre mulheres portadoras de fetos com doença arterial coronariana é prevalente e está associado ao comprometimento do desenvolvimento cerebelar e hipocampal fetal.

Quer receber as principais novidades em Pediatria? Participe do nosso grupo do Whatsapp!

O que isso pode me ajudar na prática?

Os pesquisadores destacam que esses dados ressaltam a importância da triagem universal para o sofrimento psicológico materno, o suporte integrado à saúde mental pré-natal e as intervenções cognitivo-comportamentais precoces, uma vez que o estresse é um fator de risco potencialmente modificável nessa população de alto risco.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Wu Y, Kapse K, Jacobs M, et al. Association of Maternal Psychological Distress With In Utero Brain Development in Fetuses With Congenital Heart Disease [published online ahead of print, 2020 Jan 13]. JAMA Pediatr. 2020;e195316. doi:10.1001/jamapediatrics.2019.5316

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.