Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Qual a prevalência de depressão em pacientes com artropatias inflamatórias?

Qual a prevalência de depressão em pacientes com artropatias inflamatórias?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

As artropatias inflamatórias são frequentes na população geral e os pacientes acometidos por esse grupo de doenças apresentam um maior risco de transtornos mentais, quando comparados com indivíduos saudáveis.

Estima-se que 54,4 milhões de pacientes nos EUA foram diagnosticados como portadores de artrite (incluindo osteoartrite), com projeções de aumento para 78,4 milhões até o ano de 2040.

Dentre os transtornos mentais associados, identificamos um maior nível de ansiedade e depressão, o que pode impactar nas medidas de autocuidado e de autoeficácia, dificultando o tratamento dessas artropatias.

Para melhor endereçar essa questão, o estudo aqui descrito, publicado agora em 2020, avaliou dados do 2017 Behavorial Risk Factor Surveillance System (BRFSS), um sistema americano de vigilância, de modo a estimar a prevalência de transtornos mentais e histórico de depressão em pacientes com diagnóstico de artrite, pareados por idade e por estado da união (50 estados e o Distrito de Columbia).

Mais do autor: Quais os tipos de pneumopatias na artrite reumatoide?

Artropatias inflamatórias e transtornos mentais

O BRFSS é um inquérito populacional realizado anualmente via telefone nos 50 estados e Distrito de Columbia nos EUA, que coleta informações relativas a comportamentos em saúde, acesso ao sistema de saúde e doenças/condições crônicas em pacientes acima de 18 anos não-institucionalizados.

Com relação à metodologia utilizada, os entrevistadores faziam a seguinte pergunta e prosseguiam apenas se a resposta fosse positiva: “Você já recebeu o diagnóstico (por um médico ou outro profissional de saúde) de artrite, artrite reumatoide, gota, lupus ou fibromialgia?”.

Em seguida, a avaliação de transtorno mental foi feita com esta pergunta: “Com relação a sua saúde mental, que inclui estresse, depressão e problemas emocionais, quantos dias, dentre os últimos 30 dias, você não esteve com boa saúde mental?”. A resposta foi considerada positiva quando era igual ou superior a 14 dias.

O histórico de depressão foi definido como uma resposta positiva para a seguinte pergunta: “Você já recebeu o diagnóstico de transtorno depressivo (incluindo depressão, depressão maior, distimia ou depressão menor)?”.

Para adultos com artrite, foram estimadas as taxas de prevalência (não ajustada, idade-específica e ajustada por idade) de transtorno mental e de histórico de depressão, estratificada por estado e por características sociodemográficas.

Foram entrevistados 147.288 pacientes que responderam sim à primeira pergunta (45,8% dos entrevistados aceitaram participar, variando de 30,6% no Illinois a 64,1% no Wyoming).

Veja também: Upadacitinibe é aprovado como opção para artrite reumatoide

Resultados

A taxa de prevalência geral de transtornos mentais e histórico de depressão em pacientes com artrite foi de 19% (IC95% 18,6-19,5) e 32,1% (IC95% 31,5-32,6), respectivamente. Quando ajustada pela idade, a prevalência de transtornos mentais foi maior nas mulheres (19,9 vs. 14,6%), homossexuais/bissexuais (28 vs. 16,8%) e em pacientes com baixa escolaridade; a prevalência de histórico de depressão também foi maior nas mulheres (36,3 vs. 24%) e nos homossexuais/bissexuais (46,7 vs. 30,5%) e variou conforme etnia e nível educacional.

Quando estratificada por estado, a taxa de transtornos mentais foi maior nos estados Apalaches e sulistas; não foi observada distribuição semelhante para histórico de depressão. O estado do Havaí apresentou menores taxas de transtornos mentais (12,9%) e de histórico de depressão (17,7%); Kentucky apresentou as maiores taxas de transtornos mentais (22,4%) e Oklahoma a maiores taxas de histórico de depressão (36,6%).

Esse estudo demonstrou, mais uma vez, que pacientes com dor musculoesquelética crônica apresentam uma grande prevalência de transtornos mentais e histórico de depressão. Diversos pontos merecem destaque com relação a essa associação, uma vez que a presença do estresse psíquico impacta diretamente a qualidade de vida, funcionalidade e adesão terapêutica desses pacientes.

Dessa maneira, estratégias de rastreamento dessas condições em pacientes portadores de dor musculoesquelética crônica são imperativas para que possamos oferecer um melhor cuidado para esses subgrupo de pacientes.

cadastro portal

Conclusões

Apesar de trazer alguns dados importantes, esse estudo apresenta inúmeras limitações. Dentre elas, vale destacar que, devido ao seu desenho transversal, avaliações prospectivas (que permitiriam o estabelecimento do nexo causal entre os dois grupos de doenças avaliados) obviamente não são possíveis. Além disso, o diagnóstico de estresse psíquico e histórico de depressão foram autorrelatados, não podendo confirmar sua veracidade. Isso pode gerar diferentes erros sistemáticos, como viéses de memória, de confirmação, de informação, de prevaricação e/ou de desejabilidade social.

Outra limitação de destaque é que o questionário utilizado não foi validado, o que limita sua generalização para outras populações. Ademais, a pergunta inicial fazia menção apenas a artrite, artrite reumatoide, gota, lúpus e fibromialgia, não incorporando outras doenças reumatológicas que cursam com dor musculoesquelética crônica (portanto, subestimadas).

Com relação às perguntas sobre os transtornos mentais, a maneira como foram formuladas muito provavelmente subestimam o número de pacientes com depressão ou outro transtorno mental atual não diagnosticado e interferem no resultado final.

Vale ainda destacar que a participação dentro dos estados variou muito, com taxas de resposta variando de 30,6% em Illinois a 64,1% em Wyoming, o que pode ter influência nos resultados tanto gerais e quanto regionais.

Por fim, como esses estudo foi conduzido apenas nos EUA, esses dados não são generalizáveis para a população brasileira. Nesse sentido, são necessários mais estudos envolvendo nossa população.

Concluindo, tanto o reumatologista quanto os demais médicos que prestam assistência aos pacientes com dor musculoesquelética crônica devem estar atento para a alta prevalência de transtornos mentais nessa população, de modo que possamos rastrear e instituir tratamentos precoces, visando melhores desfechos.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • State-Specific Prevalence and Characteristics of Frequent Mental Distress and History of Depression Diagnosis Among Adults with Arthritis — United States, 2017. Morbidity and Mortality Weekly Report. Vol. 68 / Nos. 51 & 52 January 3, 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.