Que contribuições a prevenção quaternária traz para a Atenção Primária à Saúde?

Veja revisão da Universidade Federal da Bahia sobre as contribuições da prevenção quaternária para a Atenção Primária à Saúde até o momento.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O conceito de prevenção quaternária (P4) ainda não é familiar para boa parte dos médicos e profissionais de saúde. No entanto, seu entendimento é muito importante para direcionar as práticas clínicas para melhores resultados em saúde, bem como para tornar mais eficientes os sistemas de saúde. No Sistema Único de Saúde muito se tem a caminhar para a implementação e consolidação dos preceitos da P4 na atuação do dia a dia, mas, sem dúvida, o âmbito da Atenção Primária à Saúde (APS) é aquele no qual mais houve avanços nesse sentido.

Para avaliar as contribuições que a P4 vem trazendo para a APS até o momento, um estudo da Universidade Federal da Bahia realizou uma revisão integrativa sobre o tema, avaliando 22 artigos a partir dos descritores “prevenção quaternária” e “atenção primária” em diversas bases de dados, em inglês e português. Após a análise, foram sistematizadas as seguintes contribuições, técnicas e socioculturais:

contribuições da prevenção quaternária para a Atenção Primária à Saúde até o momento.

Contribuições da prevenção quaternária

  • Incluir na educação médica o ensino teórico e prático acerca da prevenção quaternária;
  • Construir protocolos interpares e documentos de orientação gerencial que norteiem a verificação e desencorajem o uso médico excessivo, aplicando o cuidado em saúde baseado em evidências;
  • Utilizar modelos explicativos dinâmicos na socialização com os usuários para elucidação do quadro clínico e condutas médicas;
  • Fomentar pesquisas, visando ampliar as evidências científicas sobre sobremedicalização e outras práticas médicas excessivas;
  • Realizar um cuidado em saúde centrado na pessoa;
  • Centrar o cuidado na atenção primária à saúde, com longitudinalidade, aplicando a “demora permitida” e conduzindo a investigação diagnóstica de forma gradual, com foco na anamnese e no exame físico;
  • Construir relações de trabalho em saúde pautadas na interprofissionalidade e na prática colaborativa;
  • Incluir o paciente na construção dos projetos terapêuticos, através da comunicação dialógica;
  • Considerar, durante a prática clínica, a experiência profissional, clínica do paciente, preferência do paciente e familiares, norteado pelo questionamento ético e reflexivo;
  • Promover campanhas sobre sobremedicalização e intervenções médicas excessivas para comunidades e profissionais;
  • Envolver diferentes profissionais de saúde na discussão e no processo de definição de causas e soluções do uso médico excessivo;
  • Incentivar práticas de desmedicalização sociocultural em relação à dor, incapacidade, desconforto, envelhecimento, nascimento e morte;
  • Motivar mudanças na percepção profissional e comunitária sobre o fenômeno do adoecimento e concepção da saúde.

Concluindo

O estudo conclui percebendo a ausência de normativas e diretrizes para guiar a prática clínica, através da P4 e de estudos em nível nacional para avaliar de maneira mais ampla as realidades vivenciadas pelos profissionais nesse sentido, bem como as medidas tomadas para efetivação dessas propostas. Entendendo a sensibilização dos profissionais e dos gestores como essencial para a implementação de práticas de P4 na realidade brasileira, surge como necessária a ampliação do debate através de mudanças nas orientações normativas concernentes à APS, visando a garantia de seus atributos, especialmente a integralidade.

Por fim, para a efetiva consolidação da influência da prevenção quaternária no contexto da APS, o estudo elenca as recomendações de: reformulação curricular de cursos de saúde ampliando o enfoque nessa temática; inclusão da P4 nas políticas de saúde brasileiras; desenvolvimento de eventos científicos sobre o tema; e maior engajamento da comunidade e dos próprios pacientes na elaboração das políticas públicas de saúde, de maneira a atenuar a sobremedicalização e as intervenções médicas excessivas e potencialmente danosas.

Referência bibliográfica:

  • Maciel FBM, Santos HLPC, Prado NMBL. Contribuições técnicas e socioculturais da prevenção quaternária  para  a  atenção  primária  à  saúde:  caminhos  e  desafios.  Rev  Bras  Med  Fam  Comunidade.  2020;15(42):2571. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2571
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão