Página Principal > Cardiologia > Revestimento entérico e não-responsividade à aspirina em pacientes com diabetes tipo 2
coração feito de pilulas

Revestimento entérico e não-responsividade à aspirina em pacientes com diabetes tipo 2

Tempo de leitura: 2 minutos.

A “resistência” à aspirina tem sido um tema controverso. Pode ser definida, em termos laboratoriais, como uma ineficiência da aspirina em inibir a produção de tromboxano ou função plaquetária dependente de tromboxano; ou, em termos clínicos, como a ineficiência da aspirina em prevenir eventos isquêmicos e tromboembólicos em pacientes usuários do medicamento.

Dentre as limitações da aspirina, alguns pacientes, particularmente aqueles com diabetes, podem não apresentar um efeito antiplaquetário ótimo.

Veja também: ‘AAS x rivaroxabana para a saúde do coração’

Um estudo conduzido por Bhatt e colaboradores foi realizado com o objetivo de determinar se a biodisponibilidade oral da aspirina influencia na ineficiência do tratamento em pacientes com diabetes. Os pacientes (n=40) foram expostos a três formulações de aspirina de 325 mg: aspirina simples, PL2200 (aspirina com base em lipídeos de liberação modificada) e aspirina com revestimento entérico de liberação retardada.

As melhores condutas médica você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

A taxa de ausência de resposta à aspirina foi de 15,8%, 8,1% e 52,8% para aspirina simples, PL2200 e aspirina com revestimento entérico de liberação retardada, respectivamente (p<0,001 para ambas as comparações versus aspirina com revestimento entérico de liberação retardada; p=0,30 para comparação entre aspirina simples e PL2200).

Do mesmo modo, 56% dos pacientes tratados com aspirina com revestimento entérico de liberação retardada apresentaram níveis séricos de TXB2 >3,1 ng/ml comparado com 18% e 11% dos pacientes após administração de aspirina simples e PL2200 (p<0,0001).

E mais: ‘AAS diminui risco de câncer’

Em pacientes com diabetes, o uso de aspirina com revestimento entérico de liberação retardada foi associado com maior não-responsividade devido à biodisponibilidade reduzida quando comparado a aspirina simples ou uma formulação de aspirina com base em lipídeos de liberação modificada.

Novas diretrizes da ADA para tratamento do DIABETES: baixe GRÁTIS nosso e-book!

Autora:

Referência:

  • Bhatt DL, Grosser T, Dong J, Logan D, Jeske W, Angiolillo DJ, et al. Enteric Coating and Aspirin Nonresponsiveness in Patients With Type 2 Diabetes Mellitus. J Am Coll Cardiol. 2017;69(6):603–12.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.