Sarampo: nova campanha de vacinação acontece até novembro

Devido ao surto que está acontecendo no Brasil este ano, começa hoje, dia 7, uma nova campanha de vacinação contra o sarampo.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Devido ao surto que está acontecendo no Brasil este ano, começa hoje, dia 7, uma nova campanha de vacinação contra o sarampo. Segundo o Governo Federal, mais de 5.400 casos a doença foram confirmados, além de seis óbitos – quatro em bebês com menos de um ano. Por isso, a campanha será dividida em duas etapas: de 7 a 25 de outubro com foco em crianças de seis meses a cinco anos, e de 18 a 30 de novembro para jovens de 20 a 29 anos.

Segundo o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em entrevista coletiva, a prioridade para a população jovem acontece porque, como podem não ter recebido a segunda dose da vacina tríplice viral, os filhos apresentam um sistema imunológico mais vulnerável às doenças cobertas por essa vacina (sarampo, caxumba e rubéola).

Os dias “D” das duas etapas da campanha acontecerão nos dias 19 de outubro e 30 de novembro, respectivamente. Os objetivos da ação são aumentar a cobertura vacinal nos estados que apresentam as menores taxas: Pará (76%), Amapá (77%), Bahia (80%) e Maranhão e Piauí (83%), além de tentar frear o surto em São Paulo, que apresenta 97% dos casos até o momento.

cadastro portal

Outra ação também está programada para 2020 e deve incluir as pessoas de 50 a 59 anos. O Governo entende que os idosos com mais de 60 anos não precisam de reforço da vacina porque ou já tomaram uma dose ou já tiveram contato com o vírus (principalmente aqueles que viveram nos anos 70, quando a doença era muito prevalente).

Vacinação na rede pública

Além da campanha, a imunização por meio dos postos do Sistema Único de Saúde (SUS) continua funcionando conforme definido pelo calendário nacional de vacinação: duas doses da tríplice viral para pessoas de 12 meses a 29 anos.

Além disso, o Governo também incluiu uma dose zero extra da tríplice, quando o surto começou, para crianças de seis a 11 meses.

Outros casos em que a vacina é oferecida gratuitamente:

  • Crianças com menos de cinco anos não vacinadas ou com apenas uma dose;
  • Profissionais de saúde que atendem pacientes com sintomas respiratórios, não vacinados ou com cartão incompleto;
  • Pessoas de cinco a 29 anos não vacinadas ou com cartão de vacinação incompleto;
  • Pessoas de 30 a 49 anos não vacinadas.

Sobre o sarampo

Causada pelo paramixovírus, o sarampo é uma doença infecciosa altamente contagiosa, atingindo muito mais a população infantil. É grave, pois pode evoluir com complicações que podem levar a óbito. As principais manifestações clínicas são febre alta (TAX ≥38,5°C), exantema maculopapular generalizado, tosse, coriza, conjuntivite e manchas de Koplik.

A identificação da doença comumente é feito laboratorialmente com a detecção de anticorpos IgM específicos para o paramixovírus (sensibilidade 83 a 89%; especificidade 95 a 99%), mas podem ser usados outros métodos para que o diagnóstico seja fechado o mais rápido possível.

Veja mais: Sarampo: saiba mais sobre prevenção, diagnóstico e tratamento dessa doença

O tratamento deve ser de suporte: prevenir a desidratação, tratar possíveis deficiências nutricionais e estar alerta para detectar precocemente infecções bacterianas secundárias à doença, como otite e pneumonia. Além disso, doses altas de vitamina A têm ajudado a reduzir a mortalidade e as complicações em países em desenvolvimento como o Brasil.

Por não ter uma medicação específica, a vacinação com a tríplice viral é extremamente importante, já que é a única maneira de prevenção contra a doença, por isso, reforçar esta orientação aos pacientes nunca é demais.

Surtos da doença

O Brasil era um dos países que possuía o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo, concedido em 2016 pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Os surtos anteriores aconteceram em 2013 e 2014 em estados específicos do país, Pernambuco e Ceará, respectivamente.

Entre 2016 e 2018 nenhum caso foi registrado no país, porém, desde o ano passado, quando se iniciaram surtos no Amazonas e Roraima, o número de registros da doença cresceu rapidamente, principalmente em São Paulo, onde em apenas 11 dias foram mais de 600, e estados do Norte e Nordeste.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão