Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / SBIm/SBP/SBI/Febrasgo se pronunciam sobre vacina contra o HPV
menina sendo vacinada contra hpv, vacina no braço em foco

SBIm/SBP/SBI/Febrasgo se pronunciam sobre vacina contra o HPV

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

No último dia 19, foi veiculado um comunicado das sociedades brasileiras de Imunizações (SBIm), Pediatria (SBP), Infectologia (SBI) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) se posicionando em relação a informações sobre a segurança e eficácia das vacinas que previnem a infecção pelo HPV.

O comunicado diz que a vacina contra o HPV integra o programa público de imunização de 85 países no mundo. Segundo o relatório do Comitê Global sobre Segurança de Vacinas da Organização Mundial da Saúde (GACVS – OMS), as vacinas contra o HPV não estão associadas a aumento de eventos adversos graves quando comparadas ao grupo placebo ou outras vacinas como controle, exceto anafilaxia, que pode ocorrer com qualquer outro imunobiológico ou substância. A incidência de anafilaxia é semelhante à de outras vacinas (1.7 caso/milhão de doses).

Após a implementação da vacina no Brasil, foram notificados efeitos adversos pós-vacina, porém a maioria foi notificada como eventos não graves. A incidência de efeitos adversos graves foi menor do que a esperada com base na literatura. Os eventos não graves mais comuns são locais, como: dor, hiperemia e edema no local de aplicação. As manifestações sistêmicas, como febre, mialgia, urticária e fadiga podem ocorrer, mas são pouco frequentes.

O caso das três adolescentes que apresentaram fraqueza em membros inferiores após a vacinação cursou com resolução espontânea, sem sequelas, e foi considerada uma reação psicogênica pós-vacinal.

Estudos demonstraram redução da prevalência do HPV e das lesões HPV-induzidas (neoplasias intraepiteliais cervicais e lesões verrucosas) e também que a vacinação não induziu comportamento de risco entre os jovens. A vacina foi considerada o método mais eficaz para prevenção da infecção pelo vírus, além da abstinência sexual total por toda a vida.

Por fim, o documento conclui que as vacinas que previnem a infecção pelo HPV são seguras e eficazes e considera as ações que tentam desacreditá-las, especialmente partindo de profissionais da saúde, como um “desserviço” e uma “ameaça à saúde pública”.

Autor:

Referência bibliográfica:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.