Semana Mundial de Aleitamento Materno: segurança da amamentação após anestesia

Na Semana Mundial de Aleitamento Materno, o jornal Anesthesia publicou um artigo para incentivar as mães a amamentar normalmente após a anestesia.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Em 1° de agosto, primeiro dia da Semana Mundial de Aleitamento Materno, o jornal Anesthesia publicou o artigo Guideline on anaesthesia and sedation in breastfeeding women 2020, para incentivar as mães a amamentar normalmente após a anestesia. A amamentação é segura assim que a mãe estiver alerta e capaz de amamentar.

mãe em hospital amamentando recém-nascido em semana de aleitamento materno

Aleitamento materno após anestesia

Abaixo, encontram-se resumidas as dez recomendações divulgadas no artigo:

  1. As mulheres devem ser incentivadas a amamentar normalmente após a cirurgia;
  2. Não há necessidade de expressar e descartar o leite materno após a anestesia;
  3. Anestésicos e analgésicos não opioides são transferidos para o leite materno em quantidades muito pequenas. Não há evidências de efeitos no lactente para quase todos os medicamentos utilizados no período perioperatório,;
  4. Medicamentos como opioides e benzodiazepínicos devem ser usados ​​com cuidado, principalmente após doses múltiplas e em mães de bebês de até 6 semanas de idade (corrigidos para a idade gestacional). Nessa situação, o bebê deve ser observado quanto a sinais de sonolência anormal e depressão respiratória, principalmente se a mulher também estiver mostrando sinais de sedação;
  5. A codeína não deve ser usada por mulheres que amamentam, devido a preocupações com sedação excessiva em alguns bebês, relacionadas a diferenças no metabolismo;
  6. Qualquer mulher com um bebê com menos de 2 anos de idade deve ser questionada rotineiramente se está amamentando durante a avaliação pré-operatória;
  7. Medidas poupadoras de opioides são preferíveis para a mulher que amamenta. A anestesia local e regional tem benefícios a esse respeito e também interferem menos na capacidade da mulher de cuidar de seu bebê;
  8. Sempre que possível, a cirurgia diurna é preferível para evitar interromper as rotinas normais. Uma mulher submetida à cirurgia durante o dia deve estar acompanhada por um adulto responsável durante as primeiras 24 h. Ela deve ser cautelosa quanto a dormir junto ao bebê ou dormir enquanto alimenta o bebê em uma cadeira, porque ela pode não estar tão responsiva;
  9. O apoio ao aleitamento materno deve ser acessível para mulheres que amamentam e que foram submetidas a procedimentos clínicos e cirúrgicos;
  10. Folhetos explicativos e recursos adicionais contendo informações sobre a compatibilidade de agentes anestésicos e analgésicos durante a amamentação devem estar disponíveis, além de orientações sobre o apoio à amamentação no período perioperatório.

Leia também: Atividade física realizada pelas mães pode aumentar os benefícios da amamentação?

Em resumo, a conclusão do artigo é que os aspectos farmacológicos da anestesia e da sedação requerem poucas mudanças para a lactante. No entanto, cuidados de suporte à mulher no período perioperatório e conselhos precisos garantirão uma interrupção mínima nesta parte tão importante dos cuidados infantis.

O leite materno é recomendado como a melhor fonte de nutrição para bebês e crianças pequenas, pois oferece benefícios significativos para a saúde em curto e longo prazo, tanto para o bebê quanto para a mãe. Isso inclui a proteção do bebê contra doenças da infância e benefícios de saúde em longo prazo, como a redução do risco de obesidade. Os benefícios na saúde materna incluem uma redução no risco de câncer de mama e de ovário e um menor risco de fratura de quadril devido à osteoporose em um período mais tardio.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a amamentação exclusiva até os seis meses de idade e amamentação continuada juntamente com alimentos complementares até os dois anos de idade ou mais.

Referências bibliográficas:

  • Mitchell J, Jones W, Winkley E, Kinsella SM. Guideline on anaesthesia and sedation in breastfeeding women 2020: Guideline from the Association of Anaesthetists [published online ahead of print, 2020 Aug 1]. Anaesthesia. 2020;10.1111/anae.15179.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão