Sociedade Brasileira de Pediatria lança novidades sobre sepse neonatal precoce

Um documento científico muito interessante com uma abordagem bem completa sobre o diagnóstico e manejo da sepse neonatal precoce (SNP).

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A Sociedade Brasileira de Pediatria lançou, em junho deste ano, recomendações para o diagnóstico e manejo da sepse neonatal precoce (SNP). Um documento científico muito interessante com uma abordagem bem completa sobre o tema.

Leia também: WFPICCS 2022: veja a cobertura do congresso da World Federation of Pediatric Intensive & Critical Care Societies

Sociedade Brasileira de Pediatria lança novidades sobre sepse neonatal precoce

Dentro das recomendações destacam-se:

  1. A identificação de fatores de risco maternos para SNP associada a antibioticoterapia profilática intraparto, em tempo correto, são maneiras efetivas de prevenir a sepse neonatal;
  2. É essencial uma boa comunicação entre a equipe de obstetrícia e de neonatologia;
  3. Recém-nascidos (RN) assintomáticos porém com fator de risco para SNP e idade gestacional (IG) acima de 35 semanas, devem ser examinados com frequência e coletadas culturas. A indicação de antibioticoterapia (ATB) deve ser feita se surgirem sintomas sugestivos de infecção;
  4. Desconforto respiratório leve a moderado após o nascimento deve ser acompanhado de perto e inicialmente sem ATB, exceto na piora ou persistência dos sintomas por mais de seis horas;
  5. Se sinais clínicos sugestivos de sepse precoce, ou quadro clínico persistente ou progressivo, os RN devem receber ATB após a coleta de culturas;
  6. RN prematuros por cesariana eletiva devido a indicação materna porém com bolsa amniótica íntegra não devem receber ATB;
  7. Prematuros com idade gestacional igual ou inferior a 34 semanas com fator de risco materno para SNP ou instabilidade cardiorrespiratória devem receber ATB após coleta de culturas. Devem também ser reavaliado sem 36 a 48 horas;
  8. A hemocultura e a cultura do líquor darão o diagnóstico etiológico;
  9. Exames laboratoriais, como hemograma e proteína C reativa (PCR) auxiliam na exclusão da SNP, porém não devem ser valorizados no diagnóstico, nem na continuação de ATB se RN clinicamente bem com culturas negativas;
  10. Os ATB empíricos indicados são: penicilina G cristalina ou ampicilina associada a gentamicina ou amicacina;
  11. Se indicado ATB, se evolução clínica for favorável e as culturas forem negativas em 36-48 horas, o tratamento deve ser suspenso, exceto em casos de evidência de infecção localizada, como pneumonia ou meningite;
  12. Se culturas positivas, escolher monoterapia baseada no antibiograma;
  13. Se boa evolução clínica, escolher o menor tempo de tratamento possível. Na SNP confirmada em cultura, o paciente deve receber 7 a 10 dias de tratamento. No caso de pneumonia e sepse clínica, o período varia entre 5 a 7 dias;
  14. Só considerar tratamento mais prolongado se houver evolução clínica e microbiológica ou infecção de sítio específico, como na meningite por Gram-positivo (14 dias) e por Gram-negativo (21 dias).

Para finalizar vale lembrar os fatores de risco para SNP:

  • Trabalho de parto prematuro;
  • Rotura de membranas ≥ 18 horas;
  • Colonização materna pelo estreptococo do grupo B em gestante sem antibioticoterapia profilática intraparto;
  • Corioamnionite: caracterizada por febre materna intraparto ≥ 39,0 °C ou 38-38,9 °C que persiste por mais de 30 minutos associada a, pelo menos, um dos seguintes achados: leucocitose materna (> 15.000), drenagem cervical purulenta ou taquicardia fetal.
  • Febre materna nas 48 horas antes do parto;
  • Cerclagem ou pessário na gestante;
  • Procedimentos de medicina fetal 72 horas antes do parto;
  • Infecção materna do trato urinário materna sem tratamento ou em tratamento há menos de 72 horas.

Vale lembrar também que a sepse neonatal precoce é uma importante causa de morbimortalidade neste período.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
# Sociedade Brasileira de Pediatria. ​​Sepse neonatal precoce e a abordagem do recém-nascido de risco: o que há de novo? 2021. Disponível em: https://www.sbp.com.br . Acesso em 27/06/2022