Testes para Covid-19: como usar e como interpretar?

Conforme as evidências de detalhes vão surgindo sobre a Covid-19, também novas dúvidas aparecem, principalmente sobre os testes disponíveis.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Conforme as evidências vão surgindo e dando mais detalhes ao que já se sabe sobre o novo coronavírus, também novas dúvidas aparecem. Em alguns casos, observados tanto no Brasil quanto no exterior, certos pacientes apresentaram testes de PCR para o vírus da Covid-19 persistentemente positivos mesmo depois de desaparecidos os sintomas. Inicialmente, muitos pesquisadores e profissionais da saúde encararam tais casos como “infecções prolongadas”, apesar da aparente resolução da doença.

Leia também: Coronavac, vacina contra a Covid-19, apresenta segurança e eficácia, e testes são ampliados

Médica analisa amostra coletada para teste diagnóstico de Covid-19

Diferenças entre os testes

Por esses e outros motivos, ainda há muita dúvida quanto ao uso dos testes diagnósticos para Covid-19 e como interpretá-los. Até o momento, existem dois tipos de teste amplamente disponíveis para a doença: os testes moleculares e os sorológicos. No primeiro tipo, a pesquisa é feita através de técnicas de replicação de DNA para identificação do material genético viral (mais comumente, o RT-PCR). Já no segundo, que pode ser realizado em fora de teste-rápido ou com amostra de sangue, a identificação é de anticorpos (IgM e IgG) contra o vírus.

Um ponto de confusão comum é o momento para usar cada um desses testes. Ao contrário do que muitas vezes é feito, os testes sorológicos não servem para diagnóstico. Além do maior risco de resultados falso positivos ou falso negativos, esses exames evidenciam a atividade imune contra o vírus, porém sem comprovar de fato a infecção. A sensibilidade desses testes varia de 85 a 95%, aproximadamente, conforme a marca utilizada (algumas chegam a sensibilidade de 100% para o IgG). A própria fisiopatologia e resposta imune ao novo coronavírus, porém, explicam a ineficácia de tais testes para o diagnóstico.

Testes sorológicos

Os títulos de IgM só são detectáveis no soro a partir do 4º dia de sintomas, atingindo seu pico em aproximadamente 20 dias para, então, começar a cair (na maioria dos casos, os títulos já são indetectáveis 4 semanas após o início dos sintomas). Consequentemente, testes realizados antes de 4 dias do início dos sintomas ou simplesmente após uma exposição terão resultado negativo sem necessariamente confirmar se a pessoa está de fato infectada ou não. Da mesma forma, testes realizados 20 dias após o início dos sintomas (quando muitos pacientes já estão curados e não transmitem mais a doença) terão resultado positivo mesmo que a infecção já esteja resolvida.

Os títulos para IgG, por sua vez, são detectáveis a partir do 7º dia de sintomas e atingem o pico em 25 dias, mantendo-se positivos por longos períodos de tempo a partir de então. Além disso, indivíduos com versões leves ou assintomáticas da doença podem não produzir esses anticorpos em quantidades suficientes, gerando títulos indetectáveis e aumentando a chance de falsos negativos.

Ouça: Check-up Semanal: prevenção do suicídio, testes para Covid-19 e mais! [podcast]

RT-PCR

Já os testes moleculares, como o RT-PCR, detectam partículas virais em swabs de mucosa nasal ou orofaríngea e, portanto, são os responsáveis por confirmar o diagnóstico. Eles estão indicados em pacientes com sintomas, anticorpos positivos na ausência de sintomas ou quaisquer outras situações em que o objetivo seja detectar, de fato, a infecção (ex: retorno a alguns tipos de trabalho, campanhas etc). Nesse caso, o teste pode permanecer positivo até 3 meses depois da infecção. Apesar da presença de partículas virais nas mucosas, o paciente não é mais infectante após o período de isolamento. Atualmente, já ficou claro em evidências que o período de transmissão para os casos leves a moderados é de 10 dias a partir do início dos sintomas, enquanto que, para os casos graves, esse período é de 20 dias a partir do surgimento dos sintomas.

O conhecimento dessas particularidades é importante para o uso consciente dos testes, além de evitar interpretações errôneas que podem gerar consumo desnecessário de recursos. Além disso, é importante ressaltar aos pacientes que a realização de testes por conta própria pode ser tão prejudicial quanto a automedicação e, portanto, a procura por opinião profissional é essencial (mesmo que por telefone ou meio virtual).

Referências bibliográficas:

 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão