Pebmed

Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Ticagrelor apresenta eficácia contra bactérias multirresistentes

Ticagrelor apresenta eficácia contra bactérias multirresistentes

Tempo de leitura: 2 minutos.

A busca contínua por novos antimicrobianos tem revelado algumas descobertas promissoras para o tratamento das infecções bacterianas, em especial diante do cenário da emergência da multirresistência a antibióticos.

Uma novidade recente observada em um estudo publicado na JAMA Cardiology indica que o Ticagrelor (Brilinta/Brilique, AstraZeneca), agente antiplaquetário, e seu metabólico AR-C124910, apresentam atividade bactericida contra bactérias Gram-positivas, dentre elas cepas de Staphylococcus aureus e Staphylococcus epidermidis resistentes a meticilina (MRSA e MRSE, respectivamente) ou com resistência intermediária a glicopeptídeos (GISA), assim como contra enterococos resistentes a vancomicina (VRE), dentre outras.

Ticagrelor x bactérias Gram-positivas multirresistentes

Lancellotti e colaboradores (2019) realizaram estudos in vivo e in vitro com ensaios do tipo time-kill, avaliaram a ação da droga sobre a formação de biofilme, e em modelos animais com implante abdominal de poliuretano em camundongos patógenos-free BALB/cAnCrl.

O ticagrelor apresentou atividade bactericida sobre todas as bactérias Gram-positivas testadas com concentrações mínimas inibitórias de 20 a 40 ug/ml, e apresentou-se ineficaz contra bactérias Gram-negativas. Adicionalmente, verificou-se que a droga apresentou tempo de eliminação de MRSA inferior ao que ocorre com a vancomicina, droga usualmente utilizada para tratamento de infecções por esses patógenos multirresistentes, e atividade antibacteriana semelhante à daptomicina, assim como inibição da formação de biofilme pelos patógenos estudados.

Leia maisBactérias multirresistentes podem matar 10 milhões de pessoas até 2050

Resultados ainda mais relevantes foram observados com o sinergismo obtido na combinação de ticagrelor com rifampicina, ciprofloxacin e vancomicina em ensaios de disco-difusão. Os mecanismos de ação da droga ainda estão sob investigação.

Observou-se, porém, que a atividade antibacteriana não é observada em doses usuais do ticagrelor para tratamento de doença cardiovascular (concentração sérica em torno de 1,2 ug/ml após 180 mg de dose oral inicial e 0,75 mg ug/ml durante o uso de 90 mg via oral de 12/12 horas).

Resultados

Os resultados dão subsídios para futuros estudos de ensaios clínicos randomizados para a avaliação do uso da droga em diferentes concentrações para finalidades de tratamento de infecções e doenças cardiovasculares. Considera-se interessante especialmente avaliar a hipótese do uso do ticagrelor com efeito duplo (antiplaquetário e antimicrobiano) no tratamento da endocardite infecciosa, por exemplo, ou como abordagem até mesmo profilática para pacientes em uso de stents ou outras abordagens semelhantes.

Conclusão

Os autores ressaltam que tal atividade antibacteriana não foi observada em outros antiplaquetários. E na reavaliação de diferentes ensaios clínicos realizados anteriormente, verificaram-se que as taxas de infecção em pacientes em uso de ticagrelor foram sempre inferiores do que naqueles em uso de outros antiplaquetários.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Patrizio Lancellotti, Lucia Musumeci, Nicolas Jacques, Laurence Servais, Eric Goffin, Bernard Pirotte, Cécile Oury. Antibacterial Activity of Ticagrelor in Conventional Antiplatelet Dosages Against Antibiotic-Resistant Gram-Positive Bacteria. JAMA Cardiol. May 8, 2019. doi:10.1001/jamacardio.2019.1189.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.