Página Principal > Colunistas > Tratamento da obesidade na atenção primária: o que precisamos saber
homem com barriga de fora e fita métrica na mão

Tratamento da obesidade na atenção primária: o que precisamos saber

Tempo de leitura: 2 minutos.

Em 2013, foi estimado nos EUA que 37% da população feminina e 35% dos homens eram obesos, definido por: IMC > 30. Obesidade é, portanto, a doença crônica mais comum neste país. Além de doença, é também fator de risco para uma série de outras condições, como: hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus, apneia do sono, doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca, depressão e artrose dos joelhos.

O tratamento sempre deve consistir em mudanças de hábito de vida:

– Dieta hipocalórica: com pouco carboidrato e gordura, associado a boa ingestão de proteínas e fibras alimentares através do consumo de legumes, verduras, frutas e sementes.
– Exercício físico: de preferência aeróbico, 30-40 minutos diários, 4-5 vezes na semana.

Porém, mais importante do que prescrever dieta e exercício, é manter a adesão do paciente a estas medidas. Diversos estudos mostraram que um feedback frequente, por exemplo consultas quinzenais nos primeiros seis meses (individuais ou em grupo), é diretamente proporcional à perda de peso do paciente.

Mais do autor: ‘Controle da PA em pacientes diabéticos’

Desde 2015, a EndoSociety preconiza uso de medicações como orlistat ou sibutramina para o tratamento da obesidade, e estudos mostram que podemos atingir o dobro da perda de peso se usarmos medicações além das medidas já descritas acima.

Finalizando, a cirurgia bariátrica vem ganhando importância no cenário atual, desde que a mortalidade do procedimento caiu de 2% para 0,1%, e pode reduzir em 20%-30% do peso do paciente. Mas, devemos lembrar que precisamos manter as mudanças de estilo de vida através de abordagem multiprofissional, pois estudos mostram que na Suécia, por exemplo, a perda de peso se manteve nos pacientes em estudos que duraram até 20 anos, e nos EUA, em média, os pacientes recuperam o peso perdido em 7 anos.

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.