Página Principal > Cardiologia > Triglicerídeos elevados e risco cardiovascular
hipertensão resistente

Triglicerídeos elevados e risco cardiovascular

Tempo de leitura: 2 minutos.

É de conhecimento de todos que níveis elevados de LDLc impactam no risco cardiovascular, assim como níveis elevados de HDLc parecem exercer papel protetor diante da doença aterosclerótica. Novas terapias para dislipidemia que visam reduzir os níveis basais de LDLc vem obtendo bons resultados em relação a redução de eventos e mortalidade cardiovascular, porém o papel dos triglicerídeos na doença cardiovascular ainda é incerto, sendo bem documentado os casos de pancreatite por hipertrigliceridemia.

Um estudo populacional dinamarquês, realizado entre o período de 2003 e 2015, avaliou mais de 58 mil pacientes entre 40 e 65 anos sem cardiopatia, diabetes ou uso de estatina. No período 1770 pacientes tiveram um evento cardiovascular maior (MACE) sendo que 734 pacientes tiveram um infarto agudo do miocárdio.

A incidência de MACE em indivíduos até 70 anos foi de 8,1% em pacientes que não eram elegíveis ao uso de estatina e tinham um nível de triglicerídeos menores que 268 mg/dL e de 14,6% nos pacientes que possuíam níveis de triglicérides maiores que 268 mg/dL. Já os pacientes que eram elegíveis ao uso de estatinas pelos critérios da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC) apresentaram uma incidência de MACE de 16,5%.

O estudo concluiu que o risco cardiovascular estimado em 10 anos para os pacientes que possuíam níveis séricos de triglicerídeos maiores que 268 mg/dL e pacientes com critérios para uso de estatina eram semelhantes.

Pesquisadores reavaliam o papel do fenofibrato como redutor do risco cardiovascular em diabéticos

Atualmente o tratamento da hipertrigliceridemia é indicado quando os níveis séricos estão acima de 886mg/dL para a prevenção de pancreatite. Na falta evidências para o tratamento da hipertrigliceridemia na prevenção cardiovascular este estudo mostra que são necessários ensaios clínicos randomizados para confirmar ou excluir um possível papel da hipertrigliceridemia na gênese da doença arterial coronariana.

Autor:

Referências:

* Madsen CM, Varbo A, Nordestgaard BG. Unmet need for primary prevention in individuals with hypertriglyceridaemia not eligible for statin therapy according to European Society of Cardiology/European Atherosclerosis Society guidelines: a contemporary population-based study. Eur Heart J 2018; 39:610.

* Catapano AL, Graham I, De Backer G, et al. 2016 ESC/EAS Guidelines for the Management of Dyslipidaemias. Eur Heart J 2016; 37:2999.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.