Tuberculose: novas recomendações para o tratamento da infecção latente em pessoas que convivem com o HIV

A tuberculose é uma doença infecciosa prevalente em nosso meio, e o risco de pessoas que convivem com o HIV se infectarem é mais elevado.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A tuberculose é uma doença infecciosa prevalente em nosso meio, e o risco de pessoas que convivem com o HIV se infectarem é mais elevado do que o da população geral. A morbimortalidade nesse grupo específico é ainda maior, necessitando de mais cuidados.

O tratamento é sempre prolongado, usualmente por seis meses na forma pulmonar, com rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol. Lembrando que a rifampicina possui interação com os antirretrovirais inibidores da protease. Não é considerada doença definidora de AIDS, e em nosso meio ocorre com relativa frequência em pessoas soronegativas, principalmente em indivíduos com graus de imunossupressão variáveis e por razões diversas.

Durante muito tempo, a recomendação era que fosse realizada a profilaxia nessa população apenas quando o PPD (que deve idealmente ser repetido anualmente) estivesse acima de 5mm, desde que excluída a infecção ativa. Mantém-se essa indicação relacionada à prova tuberculina para pacientes com CD4 superior a 350 células.

LEIA MAIS: Tuberculose – a importância do rastreio de contactantes

A nova diretriz, de 21 de junho deste ano, recomenda o tratamento da infecção latente para todas as pessoas que convivem com o HIV e que possuam contagem de células CD4 inferior a 350, mantendo a isoniazida na dose de 300mg por seis meses (ou até nove meses). O número total de doses é mais relevante do que o tempo total de uso da medicação. Para gestantes, a recomendação é que se espere até o segundo trimestre.

A nota informativa cita ainda que o fluxo de dispensa da medicação deverá ser facilitado, com a programação de retirada ocorrendo no mesmo local em que ocorre a dispensação dos antirretrovirais.

A isoniazida costuma ser bem tolerada, e embora possa estar associada a hepatotoxicidade, tal evento não ocorre com tanta frequência. A alternativa à isoniazida é a rifampicina.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades