Twilight: suspender AAS após 3 meses de DAPT com ticagrelor reduz sangramentos

Apresentado com grande entusiasmo pela Dra. Roxana Mehran, os resultados do estudo Twilight reverberaram durante todo o dia.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Apresentado com grande entusiasmo pela Dra. Roxana Mehran (Icahn School of Medicine at Mount Sinai, Nova York) e publicado simultaneamente no New England Journal of Medicine, os resultados do estudo Twilight reverberaram durante todo o dia.

Trata-se de um estudo prospectivo, randomizado, que selecionou mais de 9 mil pacientes de 11 países, comparando a manutenção da dupla antiagregação plaquetária (DAPT) com ácido acetilsalicílico (AAS) e ticagrelor ​versus ​ ticagrelor mais placebo, após três meses de uma intervenção coronária percutânea (ICP), em pacientes com alto risco trombótico. O estudo foi desenhado com poder para demonstrar superioridade em relação à redução de sangramentos maiores, sem aumentar o risco de eventos trombóticos.

Os pacientes foram randomizados após três meses de DAPT completados após a angioplastia e seguidos por um ano. O desfecho primário era sangramento maior, definido pelo escore BARC, e ocorreu menos frequentemente no grupo ticagrelor mais placebo (4.0% vs 7.1%; RR 0.56; 95% IC 0.45-0.68). Em relação ao desfecho secundário, composto por morte, infarto do miocárdio (IM) ou acidente vascular cerebral (AVC) 3.9% vs 3.9%; RR 0.99; 95% IC 0.78-1.25; P não inferioridade < 0.001).

cadastro portal

Também não houve diferença estatística em relação aos componentes isolados deste desfecho, embora o estudo não tivesse poder para detectá-las. Destaca-se ainda que não houve diferença em relação à trombose de stent, inclusive mostrando uma taxa bastante pequena deste tipo de evento – 0.4% vs. 0.6% (p=0.38).

É importante ressaltar que a população deste estudo era de alto risco trombótico – média de idade de 65 anos, cerca de 37% eram diabéticos, 17% tinham doença renal crônica e aproximadamente 65% deles foram tratados no contexto de uma síndrome coronária aguda (SCA) – embora infarto com supra tenha sido critério de exclusão. Isso torna a aplicabilidade clínica do estudo bastante relevante, uma vez que tende-se a prolongar a DAPT justamente nos pacientes de maior risco de eventos isquêmicos, enquanto o risco de sangramento seja frequentemente subestimado.

Leia também: Ticagrelor mostra bons resultados após trombólise [ACC 2019]

Algumas limitações, entretanto, precisam ser destacadas. A principal delas é o fato de que o estudo não tinha poder suficiente para detectar diferenças em eventos isquêmicos mais raros, como trombose de stent e AVC. Alguns estudos prévios, como o Themis-PCI e o Pegasus-TIMI 34, sugerem que em pacientes de alto risco trombótico e, sobretudo, baixo risco de sangramento, a DAPT poderia oferecer algum benefício.

Outro ponto relevante, amplamente discutido no evento, foi a comparação com o estudo GLOBAL LEADERS, no qual a monoterapia até dois anos com ticagrelor após 1 mês de DAPT ​versus ​ 1 ano de DAPT seguida de 1 ano de monoterapia com AAS não mostrou diferenças significativas em relação à mortalidade, eventos isquêmicos ou sangramentos. Entretanto, ressaltou-se que o desenho diverso dos estudos poderia explicar estas diferenças, sobretudo o fato de que no Twilight a randomização ocorria somente após os três primeiros meses de DAPT, o que reduziria o “ruído” de potenciais confundidores neste período inicial. Na verdade, um subestudo posterior do Global Leaders, avaliando pacientes submetidos à ICP complexa, de fato mostrou superioridade na estratégia de se retirar o AAS e manter o ticagrelor pelos próximos 23 meses, sobretudo em relação às incidências de morte e infarto.

Veja também: ESC 2019: Prasugrel é melhor que Ticagrelor em pacientes com síndrome coronariana aguda manejados com estratégia invasiva

O Twilight vem ao encontro de outros estudos que mostram a segurança de se reduzir o tempo de DAPT após angioplastias, como o SMART-CHOICE e o STOPDAPT-2, que avaliaram esta estratégia no contexto do clopidogrel. Embora com desenhos e drogas diferentes, todos estes estudos avaliaram a retirada do AAS após um período relativamente curto de DAPT (de um a três meses). Certamente o conjunto destes dados deverão mudar futuros guidelines.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão