Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Uma em cada seis mulheres desenvolve câncer de pulmão, aponta relatório
cancer

Uma em cada seis mulheres desenvolve câncer de pulmão, aponta relatório

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

O número de pacientes com câncer vem aumentando a cada dia e a previsão é que mais mulheres no planeta sejam afetadas pela enfermidade em algum momento da vida, aponta um novo relatório internacional. Ainda segundo a Agência Internacional para a Pesquisa sobre Câncer (IARC), uma em cada seis mulheres no mundo desenvolve o mal.

De acordo com o relatório da IARC, o câncer de pulmão é a principal causa de morte para homens e mulheres em 28 países. De acordo com o epidemiologista Gautier Defossez, coordenador de uma pesquisa publicada em julho pelo Instituto Nacional do Câncer e de Saúde Pública na França, o estudo francês traz dados preocupantes.

“A situação mostra uma evolução do número de casos de cânceres do pulmão nas mulheres. O aumento da incidência é 5,3% por ano, um sinal alarmante que tem uma ligação direta com a exposição ao tabaco”, alerta o especialista em uma entrevista para o portal G1.

Na França, o câncer de mama, de pulmão e o colorretal são os mais comuns entre o sexo feminino, respectivamente, destaca o estudo, que levou em consideração os últimos trinta anos.

Cerca de 400 mil casos são diagnosticados por ano, a incidência da doença entre as mulheres registrou um forte aumento desde 1990. A alta é de 93%, mesmo que o número de mortes tenha diminuído, por conta dos progressos envolvendo tratamento e prevenção. O aumento do número de casos também resulta do próprio envelhecimento da população.

O câncer de mama também voltou a crescer no país em 2010 depois de uma estabilização dos casos durante o ano 2000. Diversos fatores explicam essa tendência, ressalta o relatório: alimentação inadequada e obesidade, trabalho noturno e a exposição aos disruptores endócrinos.

Mudanças no modo de vida trazem consequências diretas na saúde das mulheres, não somente na França, mas em todo o planeta. Os autores do relatório ressaltam a importância da prevenção dos tipos de cânceres que podem ser evitados. Entre eles, estão: o do pulmão, na maioria causados pelo tabagismo; o do câncer do colo do útero, que pode ser curado em fase inicial, e contra o qual existe uma vacina; além do melanoma, que é desencadeado pela forte exposição ao sol.

Câncer de pulmão é o mais fatal

O câncer de pulmão é o tumor maligno que mais mata no Brasil. Em 2013, a doença foi responsável por quase 15 mil mortes entre os homens e mais de 9 mil entre as mulheres, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Ele também é um dos tipos mais comuns. O número de casos novos de câncer de pulmão estimado para o Brasil em 2016 é de 17.330 entre homens e de 10.890 nas mulheres.

O tumor de pulmão costuma ser detectado em estágios mais avançados quando as chances de cura são menores. Um mapeamento recente realizado pelo A.C. Camargo Câncer Center, hospital de referência no tratamento da doença no país, concluiu que apenas um entre quatro casos foi descoberto em fase inicial.

O estudo também apontou que em mais da metade dos casos o diagnóstico foi realizado já com metástase. Apenas 20% dos pacientes estão vivos cinco anos após serem tratados da enfermidade.

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.