Uso de albumina a longo prazo pode reduzir mortalidade na cirrose descompensada - PEBMED

Uso de albumina a longo prazo pode reduzir mortalidade na cirrose descompensada

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minuto.

A eficácia da administração a longo prazo da albumina humana na redução da mortalidade em pacientes com cirrose descompensada ainda é controversa. Pensando nisso, pesquisadores realizaram um novo estudo para avaliar essa questão. Os resultados foram publicados em maio no The Lancet.

Para isso, 431 pacientes de 33 hospitais italianos com cirrose e ascite não complicada, que foram tratados com drogas antialdosterônicas (≥ 200 mg / dia) e furosemida (≥ 25 mg / dia), foram randomizados para receber tratamento médico padrão ou tratamento médico padrão + albumina (40 g duas vezes na semana por 2 semanas, e depois 40 g semanalmente) por até 18 meses. O desfecho primário foi a mortalidade em 18 meses.

Tire suas dúvidas médicas de forma prática na hora da tomada de decisão. Baixe o Whitebook.

medicamento

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Albumina na cirrose descompensada

No total, 38 de 218 pacientes morreram no grupo de tratamento médico padrão + albumina e 46 de 213 no grupo tratamento médico padrão. A sobrevida em 18 meses foi significativamente maior no grupo que recebeu albumina (77% vs 66%; p = 0,028), resultando em uma redução de 38% na taxa de risco de mortalidade (0,62 [IC 95%: 0,40 a 10,95]).

Eventos adversos não relacionados ao fígado foram observados na mesma proporção entre os braços do estudo: 46 (22%) dos pacientes no grupo de tratamento padrão e 49 (22%) no grupo albumina.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que a administração de albumina a longo prazo pode aumentar a sobrevida global e atuar como um tratamento modificador da doença em pacientes com cirrose descompensada.

LEIA MAIS: Albumina sérica como biomarcador para o prognóstico da síndrome de Guillain-Barré

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar