Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Uso de cannabis para controle de sintomas climatéricos
Cultivo de cannabis para fins medicinais contra sintomas climatéricos.

Uso de cannabis para controle de sintomas climatéricos

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Os sintomas climatéricos podem ser bastante suaves e sutis em algumas mulheres a pontos de até passarem despercebidos. A ausência de fluxo menstrual, que incomoda muitas mulheres pelo mundo, pode ser um alívio e uma sensação de paz na época do climatério.

Por outro lado, outros sintomas tornam o convívio social de algumas mulheres um verdadeiro tormento. Fogachos intensos, secura vaginal, insônia e sintomas genitourinários podem levar mulheres a terem problemas inclusive em seus relacionamentos.

Leia também: Cannabis medicinal: precisamos desconstruir mitos

Cannabis contra a menopausa

Nos EUA, as leis têm sido cada vez mais condescendentes com o uso medicinal de cannabis para o tratamento de doenças crônicas.

Durante o Encontro Anual da Sociedade de Menopausa Norte Americana (aberto em 28/09/20 de forma virtual esse ano) foi apresentado um estudo de 232 mulheres (idade média de 55,9 anos idade) que fizeram uso monitorado de cannabis.

Achados do estudo

O estudo mostrou uma melhora dos sintomas de fogachos em 27% das mulheres. Além disso outros 10% mostrou interesse em tentar o uso mais prolongado da cannabis para tentar obter melhoras nos seus sintomas climatéricos.

Mais estudos são necessários em populações diferentes e com maior número de participantes, uma vez que no estado onde foi realizado o estudo (Virgínia) a cannabis é proibida. Muitas mulheres podem estar usando de forma irregular, inconstante e sem controle.

O CDC americano alerta para o uso sem controle de cannabis:

  • 1 em cada 10 pessoas usando cannabis tornam-se adictas.
  • Marijuana afeta diretamente o cérebro particularmente em áreas de cognição, memória, aprendizado, concentração, emoções e tempo de reação.
  • O uso prolongado ou intenso pode causar psicose ou esquizofrenia. Mulheres adictas a marijuana tem mais ataques de pânico e transtornos ansiosos em comparação com homens.

Cuidados

O uso de cannabis não deve ser estimulado para a primeira linha de tratamento para sintomas climatéricos, até mesmo para os sintomas mais intensos.

Outra nuance para se discutir tratamento de climatério levantada no encontro foi nas pacientes sintomáticas com antecedente de câncer mama ou outro câncer hormônio dependente. Médicos da clínica Mayo da Flórida têm estudado sobre a relação apenas mais importante da progesterona com essas neoplasias. Talvez o estrogênio possa escapar para uso terapêutico nesses casos. E ainda o uso de cannabis pode ser aventado sob rígido controle.

Saiba mais: Primeiro produto à base de Cannabis é liberado para ser comercializado no país

No Canadá onde o uso medicinal e recreativo de cannabis é legal, existe um programa para orientação de como usar associado a mudanças de hábitos de vida para prevenção da adicção. O olhar, inclusive médico, está associado a mostrar que, em doses adequadas, sob bom controle, o uso medicinal da cannabis pode ser benéfico em algumas situações.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

NAMS – The North American Menopause Society. Cannabis Use for Menopause Symptom Management. Disponível em: https://www.menopause.org/docs/default-source/press-release/cannabis-use-for-menopause-9-17-20.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.