Página Principal > Neurologia > Uso de gabapentinoides pode aumentar risco de suicídio em jovens?
suicidios

Uso de gabapentinoides pode aumentar risco de suicídio em jovens?

Tempo de leitura: 3 minutos.

Um artigo publicado no periódico British Medical Journal (BMJ) sugere que os gabapentinoides estão associados a um risco aumentado de comportamentos suicidas entre os jovens. O estudo, realizado por um grupo de pesquisadores da Suécia, do Reino Unido e dos Estados Unidos, também indica que o uso da pregabalina é associado a riscos mais elevados destes resultados do que a gabapentina.

Como se sabe, os gabapentinoides possuem propriedades anticonvulsivantes, analgésicas e ansiolíticas. Os dois principais, gabapentina e pregabalina, estão atualmente aprovados para o tratamento de epilepsia e distúrbios de dor neuropática na Europa, incluindo a Suécia. A pregabalina também é aprovada para o tratamento do transtorno de ansiedade generalizada na Europa e recebeu aprovação para o tratamento da fibromialgia nos Estados Unidos.

As prescrições aumentaram acentuadamente nos últimos anos e os gabapentinoides estão entre os 15 principais medicamentos do mundo em termos de receita. Preocupações, no entanto, têm sido expressas sobre a prescrição excessiva, particularmente para alívio da dor, bem como efeitos adversos, incluindo tontura, sonolência, problemas de equilíbrio, visão turva, problemas de coordenação e deficiências no desempenho cognitivo.

Gabapentinoides e suicídio

Embora um estudo de 2008 da Food and Drug Administration (FDA) sobre drogas antiepilépticas tenha relatado aumento do risco de suicídio, análises separadas para pregabalina e gabapentina não mostraram efeitos claros. No entanto, pensamentos suicidas foram responsáveis pela maioria dos eventos relatados; comportamentos suicidas propriamente ditos eram raros.

Desde a investigação do FDA, os estudos farmacoepidemiológicos utilizaram dados administrativos com amostras maiores para examinar os resultados suicidas da gabapentina. Estes foram inconsistentes, com aumento diminuído e sem alterações no risco de suicídio. Além disso, as conclusões foram limitadas devido à confusão por indicação (isto é, a razão para prescrever o medicamento também está associada ao desfecho adverso estudado).

Os gabapentinoides têm sido associados a overdoses e mortes relacionadas. Em um estudo caso-controle de usuários de opioides, o uso concomitante de gabapentina foi associado a um aumento de 60% na morte relacionada a opioides, em comparação com o uso não concomitante. No Reino Unido, os gabapentinoides estão sendo reclassificados como substâncias controladas pela classe C.

A evidência é, no entanto, limitada e baseia-se num pequeno número de mortes notificadas. Existem poucos dados sobre a associação entre gabapentinoides e outros desfechos psicossociais adversos. Casos isolados de agressão foram relatados para a gabapentina em crianças com morbidade psiquiátrica.

A maior parte desta pesquisa é baseada em relatos de casos, limitando conclusões sobre causalidade. Assim, a evidência sobre desfechos adversos associados aos gabapentinoides é limitada, apesar de ampliar as indicações clínicas e aumentar o uso.

Além disso, os gabapentinoides são amplamente utilizados off-label, o que poderia representar até 90% das prescrições de pregabalina. Informações confiáveis ​​sobre desfechos adversos são necessárias para testar se essas preocupações são válidas, pois descobertas imprecisas podem influenciar as práticas de prescrição.

Para abordar essas deficiências foram aplicadas um delineamento individual e uma grande amostra populacional para examinar associações entre gabapentinoides e desfechos adversos relacionados a distúrbios de coordenação (lesões na cabeça ou no corpo, ou ambos, incidentes e ofensas no trânsito), saúde mental (suicídio comportamento, overdoses não intencionais) e criminalidade (crimes violentos).

Conclusão

Os pesquisadores descobriram que os gabapentinoides estavam associados a riscos aumentados e diminuídos de desfechos adversos importantes. Essas associações variaram com a idade e o tipo de gabapentinoide.

No geral, gabapentinoides parecem ser seguros para uma série de resultados em pessoas idosas. No entanto, os riscos aumentados encontrados em adolescentes e adultos jovens (com idades entre 15 e 24 anos) prescritos gabapentinoides, particularmente para o comportamento suicida e overdoses não intencionais, justificam pesquisas adicionais. Se os achados forem triangulados com outras formas de evidência, as diretrizes clínicas podem precisar de revisão a respeito de prescrições para jovens e pessoas com transtornos por uso de substâncias. Restrições adicionais à prescrição off-label podem precisar de consideração.

Entre os resultados, pode-se destacar que:

  • O estudo sugere que os gabapentinoides estavam associados a riscos aumentados de comportamento suicida, overdoses não intencionais, lesões na cabeça / corpo, e incidentes e ofensas no trânsito;
  • A pregabalina foi associada a riscos mais elevados destes resultados do que a gabapentina, e estas associações foram mais fortes nas pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos, onde os riscos aumentaram em todos os resultados;
  • Diretrizes para o tratamento com gabapentinoide em jovens podem precisar de revisão.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

LEIA TAMBÉM: Lítio versus valproato na prevenção de suicídio

Autora:

Referências:

  • Molero Yasmina, Larsson Henrik, D’Onofrio Brian M, Sharp David J, Fazel Seena. Associations between gabapentinoids and suicidal behaviour, unintentional overdoses, injuries, road traffic incidents, and violent crime: population based cohort study in Sweden BMJ 2019; 365 :l2147

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.