Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Uso materno de álcool e problemas psicológicos em crianças: existe associação?
Médico instrui a mãe sobre os perigos do uso materno de álcool

Uso materno de álcool e problemas psicológicos em crianças: existe associação?

Acesse para ver o conteúdo

Inscreva-se gratuitamente para acessar esse conteúdo e muito mais no Portal PEBMED!

Tenha acesso ilimitado a quizzes, casos clínicos, novos estudos e diretrizes atualizadas.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

O abuso e dependência de álcool por cuidadores de crianças está relacionado a inúmeros problemas, desde a síndrome alcoólica fetal, um transtorno relacionado ao consumo materno de álcool durante a gestação, até alterações de comportamento e transtornos emocionais nas crianças. Sabe-se menos, porém, a respeito do consumo moderado de álcool por mães e a ocorrência desses transtornos.

Outro problema que os pesquisadores habitualmente se deparam na avaliação dessa questão é o grau de confundimento que pode existir nessas associações. O uso de álcool está relacionado a distúrbios psiquiátricos que podem ser transmitidos para as gerações descendentes, mediado tanto através de fatores genéticos como ambientais.

Na tentativa de esclarecer se o uso materno de álcool se relaciona a distúrbios emocionais e de comportamento nas crianças além dos fatores de confundimento ambientais, pesquisadores noruegueses publicaram um estudo na Pediatrics que aborda essa questão.

Uso materno de álcool

O estudo de caráter prospectivo foi realizado com 34.039 crianças agrupadas em 21.911 famílias, com 18.158 crianças sendo primas compartilhando a mesma avó materna. As crianças foram recrutadas entre 1999 e 2009 durante realização de exame obstétrico entre 17-18 semanas de idade gestacional e foram avaliadas nas idades de um ano e meio, três e cinco anos.

Leia também: Consumo de álcool entre crianças e adolescentes: o que recomenda a SBP?

Método

A exposição ao consumo de álcool materno foi avaliada através do autorrelato realizado nas idades das crianças descritas no parágrafo anterior. O consumo de álcool no grupo de risco foi considerado como mais de 5 doses de bebida nos fins de semana e mais de 3 doses nos dias de semana. O desfecho foi avaliado pela ferramenta Child Behaviour Checklist (CBL) for preschool children.

Os pesquisadores puderam, através de seus dados, realizar três modelos estatísticos para avaliação de problemas emocionais e três modelos para avaliação de problemas de comportamento, com cada modelo acrescentando ajustes de fatores potenciais de confundimento. Além disso, os pesquisadores puderem avaliar o confundimento familiar através das análises com os dados dos primos maternos.

Achados

Os autores encontraram uma associação entre o consumo materno de álcool e problemas comportamentais em crianças de 1,5-5 anos de idade, mesmo quando ajustado por fatores familiares. Também houve associação entre o consumo materno de álcool e problemas emocionais, mas que se tornou insignificante após ajuste por fatores familiares. Porém, como o estudo avaliou apenas crianças pequenas, é possível que problemas emocionais aparentes em idades mais avançadas não puderam ser detectados nesse trabalho. Desse modo, mais estudos são necessários para avaliar essa questão.

Ouça também o podcast: Tudo o que você precisa saber sobre a síndrome alcoólica fetal

Conclusão

De toda forma, os resultados do artigo sugerem que é possível que mais crianças estejam em risco de desenvolvimento de problemas emocionais e comportamentais do que se imagina, considerando que a maioria dos estudos não avalia mães com uso moderado de álcool. Os autores também sugerem que famílias com crianças apresentando problemas comportamentais podem se beneficiar da redução ou suspensão do uso de álcool pela mãe. Políticas governamentais também devem ser instituídas nesse sentido. Pediatras e profissionais de saúde que lidem com crianças também devem se manter atentos a essas questões.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Lund IO, Moen Eilertsen E, Gjerde LC, et al. Maternal Drinking and Child Emotional and Behavior Problems. Pediatrics. 2020;145(3):e20192007

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.