Leia mais:
Leia mais:
ATS 2022: recomendações de screening de DPOC em pacientes tabagistas
Cigarros eletrônicos e abstinência a nicotina: metanálise de estudos randomizados
Quiz: Paciente tabagista de longa data referindo queda da pálpebra esquerda. O que será?
Cigarros eletrônicos: Usuários que têm Covid-19 são mais propensos a serem sintomáticos
Check-up Semanal: bomba de prótons, interpretação de exame do trato urinário e mais! [podcast]

Vape: efeitos dos cigarros eletrônicos na saúde respiratória

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Desde o século 19 o tabagismo obteve forte expansão na cultura mundial e somente três décadas após, em 1964, foi comprovada sua relação com doenças respiratórias. O surgimento dos cigarros eletrônicos vem conquistando o público mais jovem, e suas ações no organismos ainda carecem de tempo para avaliação e novas evidências de causalidade.  

Os cigarros eletrônicos usam uma bobina de resistência de metal para aquecer e aerossolizar misturas de glicerina vegetal, propilenoglicol, nicotina e agentes aromatizantes. Desde sua introdução há 15 anos, os cigarros eletrônicos passaram por grandes mudanças no design que permitem ao usuário maior controle sobre a composição do líquido eletrônico, a concentração de nicotina e como o líquido é aerossolizado ou vaporizado. Os efeitos sobre a saúde da exposição aos vapes, especialmente da exposição crônica, são incertos. Nos EUA, 34,3 milhões (14%) dos adultos (≥18 anos de idade) eram fumantes em 2017 e cerca 6,9 milhões (2,8%) eram usuários de vapes. As taxas de uso de vapes são mais altas em jovens e seguem em crescimento. Entre os alunos do 8º, 10º e 12º anos, as taxas de prevalência de vaping em 2018 foram de 9,7%, 20% e 25%, respectivamente. O dispositivo Juul, que domina o mercado, se assemelha a um cartão de memória USB com cartuchos (pods) que podem ser trocados pelo usuário e preenchidos com os e-líquidos favoritos. Estes contêm nicotina em sua forma de sal. Os usuários percebem os aerossóis produzidos a partir de líquidos contendo sal de nicotina como menos irritantes, permitindo a entrega de maiores quantidades de nicotina do que em aerossóis de e-líquidos tradicionais que contêm nicotina de base livre. 

Poucos estudos relataram a presença de sintomas crônicos em usuários de vapes. A maioria dos usuários apresenta sintomas compatíveis com bronquite, como tosse crônica e expectoração. Há também descrição da associação entre piora do controle da asma e do DPOC nos fumantes atuais. Além disso, em 2019 houve uma série de relatos da doença pulmonar aguda pelo vape, o EVALI, em que os pacientes apresentaram sintomas gastrointestinais, febre, hipoxemia e achados tomográficos compatíveis com dano alveolar difuso e pneumonia em organização em sua maioria, alguns evoluindo com insuficiência respiratória e óbito.

vapes

Estudos

Estudos envolvendo espirometria mostram que pacientes com doença pré-existente estão mais sujeitos a obstrução aguda das vias aéreas. Poucos estudos de longo prazo sobre o uso de vapes e espirometria após um período de abstinência foram realizados. Concentrações aumentadas da enzima protease parecem estar relacionadas ao dano pulmonar em pacientes fumantes de tabaco e vaping. Um número cada vez maior de relatos de casos relaciona o uso de cigarros eletrônicos a doenças inflamatórias graves que afetam as pequenas vias aéreas e os alvéolos: pneumonia lipoídica, pneumonia eosinofílica, hemorragia alveolar, pneumonia em organização, bronquiolite respiratória associada à doença pulmonar intersticial e pneumonite de hipersensibilidade.  

O relato de sintomas respiratórios por usuários de cigarros eletrônicos sugere maior suscetibilidade e/ou retardo na recuperação de infecções respiratórias. Um estudo com 30 não-fumantes saudáveis ​​expostos ao aerossol do cigarro eletrônico encontrou diminuição da sensibilidade à tosse, que pode predispor os usuários ao aumento das taxas de pneumonia. Estudos animais demonstraram que ​as exposições crônicas ao cigarro eletrônico induzem a inflamação das vias aéreas, neutrofilia, remodelação das vias aéreas e enfisema. O microbioma pulmonar também parece ser alterado, com maior predisposição a infecções pelo S. aureus. O efeito da nicotina no endotélio vascular leva ao endurecimento de artérias e veias, o que pode aumentar o risco cardiovascular. Os e-líquidos contêm muitos aromas, incluindo aldeídos, álcool benzílico, terpenos, pirazinas, mentol, mentona e outros compostos mentolados e sabores doces, que podem ser irritantes nas vias aéreas superiores e inferiores.  

Outro fator preocupante é que indivíduos que começam a usar o cigarro eletrônico possuem maior chance de fumar cigarros convencionais. As evidências de estudos randomizados de que os cigarros eletrônicos são eficazes para a cessação do tabagismo são limitadas e mistas. A incerteza sobre os riscos à saúde dos cigarros eletrônicos e sua eficácia como agentes de cessação do tabagismo representa um desafio para os médicos, pois os fumantes estão usando cigarros eletrônicos na tentativa de parar de fumar e procuram seus médicos para orientação. O uso de farmacoterapia baseada em evidências e adesivos de nicotina que são seguros e eficazes na redução da dependência de nicotina, combinados com aconselhamento, são a única abordagem para a qual existe pouca incerteza terapêutica indicada para o tratamento do tabagismo

Mensagens práticas

  • Os cigarros eletrônicos possuem maior chance de causar dependência à nicotina quando comparados com o cigarro convencional e, atualmente, faltam evidências para indicar seu uso no tratamento do tabagismo. 
  • Diversos efeitos pulmonares dos e-cigs estão sendo relatados como o EVALI, piora de doenças pré-existentes como asma e DPOC, tosse crônica, sintomas bronquíticos, redução do clearance mucociliar, pneumonite de hipersensibilidade, entre outros.  
  • No Brasil, a venda dos e-cigs é proibida pela ANVISA. 

 Referências bibliográficas:

  • Gotts J E, Jordt S, McConnell R, Tarran R. What are the respiratory effects of e-cigarettes? BMJ 2019; 366 :l5275 doi:10.1136/bmj.l5275 
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.