Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Whitebook: como acompanhar o uso da cloroquina por ECG?
eletrocardiograma de paciente com covid-19

Whitebook: como acompanhar o uso da cloroquina por ECG?

Acesse para ver o conteúdo

Inscreva-se gratuitamente para acessar esse conteúdo e muito mais no Portal PEBMED!

Tenha acesso ilimitado a quizzes, casos clínicos, novos estudos e diretrizes atualizadas.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Esta semana, falamos no Portal PEBMED sobre várias questões da pandemia de coronavírus. Um dos maiores focos de atenção esteve na liberação da cloroquina e hidroxicloroquina para casos leves de Covid-19, fazendo parte do novo protocolo do Ministério da Saúde. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, vamos falar sobre o acompanhamento por ECG do uso desses medicamentos.

O Whitebook liberou esse e outros conteúdos sobre coronavírus gratuitamente! Baixe e confira as melhores condutas médicas!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Definição: O uso da hidroxicloroquina ou cloroquina para diversos fins pode implicar em efeitos colaterais indesejáveis. Dentre os efeitos cardiovasculares, devemos destacar principalmente as alterações no intervalo QT. Com o surgimento da pandemia do coronavírus, o tratamento com hidroxicloroquina-azitromicina se tornou uma promissora ferramenta de recuperação dos pacientes infectados.

Fisiopatologia: O prolongamento do intervalo QT no uso dessas medicações se dá pela inibição receptor iK. Ele pode favorecer um episódio de R sobre T, ou seja, uma extrassístole pode surgir no momento da onda T, gerando um estímulo elétrico capaz de despolarizar células já repolarizadas em um momento em que outras células ainda estão refratárias a esse estímulo. O resultado é a degeneração para um taquicardia ventricular polimórfica, conhecida como Torsades de Pointes.

Avaliando os Riscos e Benefícios

O uso de medicamentos em determinadas situações deve sempre ser pautado pelo risco e benefício. Como o benefício desses medicamentos permanece incerto devido ao pequeno número de estudos, devemos nos pautar nos riscos:

  • O tempo de uso dos medicamentos na Covid-19 é curto (5 a 10 dias);
  • A chance do prolongamento de QT é pequena e o benefício do medicamento pode ser importante, principalmente em subgrupos (idosos e pacientes graves);
  • Existem grandes benefícios potenciais para a saúde da população ao acelerar a depuração viral da Covid-19.

Histórico da Cloroquina e Hidroxicloroquina

Tanto a cloroquina quanto a hidroxicloroquina são usadas há mais de meio século para o tratamento de malária, artrite reumatoide e lúpus. Apesar de relacionada a um baixo risco de eventos cardíacos mundialmente, em alguns locais do globo essa segurança pode não se tão bem mensurada.

A azitromicina age no mesmo receptor que a cloroquina para induzir arritmias cardíacas. São estimadas 47 mortes cardíacas por 1 milhão de tratamentos completos. Não há dados suficientes sobre a segurança da combinação das duas drogas.

Fatores de Risco

  • Idade ≥ 68 anos;
  • Sexo feminino;
  • Uso de diuréticos de alça;
  • Potássio sérico ≤ 3,5 mEq/L;
  • QTc de admissão ≥ 450 ms;
  • Infarto agudo do miocárdio;
  • Drogas que prolongam o QT;
  • Sepse;
  • Insuficiência cardíaca.

Como Manejar o Paciente com Segurança

Antes de iniciar o tratamento:

  • Parar ou evitar qualquer droga que prolongue o QT;
  • Acessar a função renal, ECG basal, função hepática e eletrólitos;
  • Avaliar fatores de risco;
  • Ter o acompanhamento de um arritmologista, sempre que possível.

Contraindicações relativas:

  • QTc > 500 ms de base (ou > 530-550 ms em pacientes com QRS >120 ms);
  • História de síndrome do QT longo.

Durante o tratamento:

  • Monitorização cardíaca contínua;
  • Monitorar e otimizar os níveis de potássio diariamente;
  • Realizar ECG após 2 a 3 horas da segunda dose de hidroxicloroquina e, após, diariamente;
  • Se o QTc aumentar 60 ms ou estiver > 500 ms de base (ou > 530-550 ms em pacientes com QRS >120 ms), descontinuar a azitromicina e/ou reduzir a dose da hidroxicloroquina, e continuar monitorando diariamente;
  • Se ainda assim o QTc permanecer elevado, reavaliar o risco x benefício, de preferência com a opinião de um especialista.

Informações adicionais:

  • Para correção do intervalo QT, acesse a calculadora QT Corrigido;
  • Para informações sobre Doença Cardiovascular na Covid-19, acesse conteúdo específico sobre o tema.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.