Leia mais:
Leia mais:
A falta de acessibilidade comunicacional é a maior dificuldade na assistência aos usuários surdos na área de saúde
Nursebook e acessibilidade da pessoa com Surdez
Perda auditiva relacionada a fones de ouvido: devemos nos preocupar? [podcast]
Implante coclear: o que é e quais as indicações?
Consulta em Libras, e agora doutor?

A falta de acessibilidade comunicacional é a maior dificuldade na assistência aos usuários surdos na área de saúde

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Segundo o último censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2020, mais de 10 milhões de pessoas têm algum problema relacionado à surdez, ou seja, 5% da população. Entre elas, 2,7 milhões não ouvem nada. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a estimativa é de que 900 milhões de indivíduos no mundo todo podem desenvolver surdez até 2050, um número significativo de usuários dos serviços de saúde. 

Neste contexto, a Atenção Primária é considerada a porta de entrada para o Sistema Único de Saúde (SUS) e deve levar em consideração os princípios da universalidade, transversalidade, autonomia, acessibilidade, continuidade do cuidado, vínculo, participação social, equidade, integralidade e humanização. 

Porém, ainda existem lacunas que interferem na garantia da integralidade de ações propostas pelo SUS. Segundo uma pesquisa realizada por Santos e Portes, 78% dos surdos entrevistados relataram ter dificuldade na comunicação com os profissionais de saúde, levando à descontinuidade dos atendimentos. 

Em virtude dessas dificuldades enfrentadas pelos grupos minoritários, o governo federal criou a Política Nacional de Humanização (PNH) em 2013, que apontou a comunicação entre profissionais, usuários e gestores como o “motor” principal para as mudanças necessárias na saúde.

Saiba mais: Qual é a importância do conhecimento de Libras por enfermeiros?

surdos

Dificuldades na comunicação

O entrave na comunicação entre surdos e profissionais de saúde pode gerar muitos transtornos, como o não entendimento do problema do paciente, não estabelecimento de relação e confiança por parte do surdo e até mesmo o entendimento de um tratamento de saúde ineficaz. 

Mas, como contornar um problema que atinge 5% da população do país, mas que ainda não é tratado como uma prioridade? 

Há alguns anos foram criadas leis para garantir esse acesso da população surda à saúde no Brasil. Dentre elas, o decreto nº 5.626 de 22/12/2005, Capítulo VII, Art.25, que dispõe sobre a garantia e direito da pessoa surda em ter acesso a Língua Brasileira de Sinais (Libras) nos serviços de saúde. Para isso, 5% dos profissionais das unidades do serviço público, devem ser capacitados para uso e interpretação da linguagem de sinais.   

Infelizmente, essa lei não possui efeito dentro dos hospitais e clínicas particulares  do país, como podemos observar pelo relato de Paulo Sugai, um bancário que tem surdez neurossensorial de grau profundo em ambos os ouvidos. Sua mãe contraiu rubéola durante a gravidez. 

“Não sou usuário frequente do SUS, mas nas vezes que usei o serviço público de saúde fui bem atendido. No entanto, boa parte das clínicas particulares não oferece uma comunicação acessível. Para agendar consultas, só por telefone, sem e-mail e WhatsApp. Muitas vezes, o próprio profissional de saúde não está preparado para atender um paciente surdo.  Quando rompi o ligamento cruzado anterior do joelho, por exemplo, fui na emergência do hospital acompanhado de um amigo. O atendimento foi péssimo, pois as enfermeiras e a médica somente falavam com esse meu amigo, como se eu não estivesse presente ali ou não pudesse compreender a conversa”, disse Paulo Sugai, que também é formado em Direito, em entrevista ao Portal PEBMED. 

Na opinião dele, o principal aspecto que precisa ser melhorado nos sistemas de saúde brasileiros é justamente o de oferecer alternativas acessíveis por escrito e/ou pelo menos que os profissionais de saúde possam aprender o básico de Libras.

Pandemia ampliou vulnerabilidades de surdos 

Durante a pandemia de Covid-19, essa falta de acessibilidade está sendo percebida em diversos cenários sociais pelas pessoas com deficiência auditiva, oralizadas ou sinalizadoras, que tiveram que lidar com mais um obstáculo: o uso das máscaras de proteção facial, que as impede de fazer a leitura labial para facilitar a compreensão. 

Em entrevista à Agência Brasil, no ano passado, a secretária nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Priscilla Gaspar, disse que a pandemia de Covid-19 elevou e expôs as vulnerabilidades que os surdos enfrentam. 

Para a secretária, a principal questão era o acesso às informações de primeira necessidade, nas áreas de saúde e educação. “Como as pessoas acometidas pelo vírus serão recebidas nos hospitais? Como o surdo vai se comunicar com o médico? A maior preocupação para essas pessoas é a falta de informação. A pior barreira para os surdos é a acessibilidade comunicacional. Com isso, a secretaria fez cartilhas acessíveis para pessoas cegas em html e também para pessoas surdas com tradução e interpretação em Língua Brasileira de Sinais”, ressaltou Priscilla Gaspar, a primeira surda a chegar a um cargo de alto escalão no executivo.

Leia também: Nursebook e acessibilidade da pessoa com Surdez

A secretária nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência terminou a entrevista contando que seu maior sonho é que o Brasil seja um país bilíngue, de Língua Portuguesa e de Libras. “Um lugar em que as pessoas sempre possam encontrar alguém que saiba se comunicar comigo. Que o surdo tenha acesso efetivo à educação e que as crianças surdas consigam se desenvolver de maneira bilíngue”.

*Esse artigo foi revisado pela equipe de enfermagem da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.