A tomossíntese das mamas é melhor que a mamografia digital?

Um novo estudo prospectivo avaliou a acurácia diagnóstica da tomossíntese das mamas (T) quando comparada à mamografia digital (MD),

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Um novo estudo prospectivo procurou avaliar a acurácia diagnóstica para o rastreamento de câncer de mama em estádios iniciais com a tomossíntese das mamas (T), também chamada de “mamografia em 3D” pelas inúmeras imagens em diferentes ângulos que esta técnica proporciona, quando comparada à mamografia digital (MD), já que pouco sabemos sobre o valor do rastreamento subsequente de uma população com a T.

Leia também: Iniciar o rastreamento aos 40 anos com mamografia reduz mortalidade por câncer de mama?

Estudo comparou a tomossíntese das mamas (T) à mamografia digital (MD).

Método do estudo

Foram incluídas de forma prospectiva 34 mil mulheres na região de Verona (IT) entre 04/2015 e 03/2017 e quase 33 mil destas foram avaliadas novamente entre 04/2017 e 03/2019, metade com MD metade com T. A mediana de idade foi de 58 anos. Foi avaliada a performance do rastreamento através da taxa de detecção de câncer (TDC) e da taxa de reconvocação (TR) –recall. O grupo controle desta pesquisa foi um grupo de 28 mil mulheres que fizeram o rastreamento com mamografia digital realizada entre 2013 e 2014. Foram comparados os estadiamentos dos casos de câncer nestas diferentes formas de rastreamento.

A TDC foi maior para o grupo da T do que MD (9,3 vs 5,3% por 1000 mulheres rastreadas e no segundo teste 8,1 vs 4,5%). A TR foi semelhante entre os 2 grupos. A repetição do rastreamento mostra que a proporção de pacientes diagnosticadas no estádio II foi de 14,5% – 19 de 131 casos no grupo T contra 27% (30 de 110 casos) no grupo controle que rastreou com MD. Outro dado importante: o valor preditivo positivo do recall foi bem maior no grupo T (23,8 vs 12%).

A conclusão dos autores é que a repetição do rastreamento com T detectou mais cânceres de mama do que a MD e achou menos casos de câncer no estádio II e estádios ainda maiores.

Nos EUA, a tomossíntese das mamas está aprovada desde 2011 e dados de Outubro deste ano mostram que 42% dos exames lá já são de T.

Uma das novidades deste estudo é o desempenho em um segundo “round” subsequente, já que a maioria dos estudos anteriores avaliava apenas o primeiro “round” comparando T com MD. É preciso avaliar se essa melhoria de rendimento se mantém não só nos primeiros “rounds”, mas num tempo maior de seguimento.

De qualquer maneira, lá nos EUA a pressão das indústrias de equipamentos e outros fatores estão fazendo a migração de uma tecnologia para a outra, ainda que nem todas as evidências estejam maduras para esta transição.

Uma das preocupações com a possível maior dose de radiação com a T não procede, pois a diferença atual entre uma MD completa convencional e uma T é pequena em especial se o exame for repetido em intervalos habituais (1-2 anos).

Limitações

O estudo, no entanto, tem limitações, já que não foi randomizado, foi uni-institucional e usou apenas equipamento de T de um único fabricante. Não temos informações sobre possíveis diagnósticos de câncer de intervalo. Alguns podem criticar que detectar mais cânceres por T não seria muita vantagem, já que em tese poderíamos ter mais casos de ótimo prognóstico como luminais A, in situ, levantando a questão do overdiagnosis, mas ao detectar menos casos também de cânceres de estádio II ou mais avançados, a T cumpre sua “missão” de fazer detecção ainda mais precoce que a MD e evitar diagnósticos muito avançados que no “round” seguinte seriam diagnosticados ainda mais tardiamente.

Saiba mais: Brasileiras estão realizando mais mamografias e utilizando métodos contraceptivos, segundo estudo

No Brasil, a cobertura da tomossíntese das mamas não é obrigatória e o reembolso ainda é exceção de uma minoria das operadoras da saúde suplementar. O custo do exame em si não é muito mais caro do que de uma MD em uma clínica particular, mas o aparelho tem um custo muitas vezes superior ao de um bom mamógrafo digital, estando disponível ainda em número limitado de clínicas e hospitais. A tecnologia avança, o custo pode cair, o reembolso pode ser ampliado, mas ainda temos muitas dúvidas científicas no uso “indiscriminado” como ferramenta diagnóstica para rastreamento e detecção precoce do câncer de mama.

Tomossíntese é melhor que mamografia digital? Parece que sim. Em mulheres um pouco mais jovens, mamas densas, etc? Parece que sim. Qual a maior limitação? O custo do aparelho, reembolso, disponibilidade. Na saúde suplementar está caminhando lentamente em nosso país, mas está.

E na saúde pública? A questão é muito mais complexa, precisamos lutar para aumentar a nossa cobertura mamográfica pífia de cerca de 20% (ante 70% recomendados pela OMS) na população alvo do ministério, 50-69 anos. Ainda falta muito para brigar por T no SUS. Temos que reduzir os casos inoperáveis, reduzir fila intermináveis, diagnosticar e tratar mais rapidamente. O SUS tem coisas muito mais urgentes na agenda.

Referências bibliográficas:

  • Caumo F, Montemezzi, Romanucci G et al. Repeat Screening Outcomes with Digital Breast Tomosynthesis Plus Synthetic Mammography for Breast Cancer Detection: Results from the Prospective Verona Pilot Study; Radiology 2020; 00:1–9. doi: 10.1148/radiol.2020201246.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades