Página Principal > Infectologia > 1ª vacina contra Zika se sai bem em primatas e avança para testes em seres humanos

1ª vacina contra Zika se sai bem em primatas e avança para testes em seres humanos

A rápida propagação do vírus da Zika e sua associação com graves complicações neurológicas levaram a grandes esforços para o desenvolvimento da primeira vacina de DNA, que teve ótimos resultados em primatas e avançou para a fase de testes em seres humanos.

As vacinas de DNA têm muitas vantagens em relação às tradicionais: podem ser produzidas de forma relativamente rápida e barata, não necessitam de refrigeração e podem induzir respostas imunes humorais e celulares vigorosas.

A equipe internacional que desenvolveu a vacina de DNA, composta pelos genes do ZIKV, testaram doses diferentes da vacina, primeiro em ratos e depois em primatas (macacos). Os resultados dos últimos testes mostraram que duas doses, administradas intramuscularmente, protegeram completamente 17 de 18 animais (94%) contra a Zika.

Os animais “imunizados” com DNA de controle (não-Zika) desenvolveram viremia. Uma única dose baixa de vacina não foi protetora, mas reduziu as cargas virais. Os pesquisadores acreditam que a proteção está correlacionada com atividade de neutralização de anticorpos no soro.

Estes dados não apenas indicam que a vacina de DNA pode ser uma abordagem bem sucedida para proteger contra a infecção por ZIKV, mas também sugerem um limiar protetor da atividade de neutralização induzida pela vacina que previne a viremia após uma infecção aguda.

Os ensaios de fase I em seres humanos já estão em andamento, mas ainda não há previsão de comercialização.

As melhores condutas médica você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique Aqui!

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.