ABRAMEDE 2021: sepse em tempos de Covid-19

Tempo de leitura: 2 min.

O painel ABRAMEDE-AMIB-ILAS, apresentado no congresso da Associação Brasileira de Medicina de Urgência e Emergência (ABRAMEDE 2021) trouxe uma reflexão importante nos dias atuais, que é a abordagem da sepse durante a era Covid-19.

A sepse por si só consiste em uma entidade que ainda enfrenta muitas dificuldades no manejo clínico. Apesar da crescente participação das entidades médicas na mídia com o objetivo de massificar a disseminação de informação para o público, tendo como grande exemplo a existência da semana da sepse, que engloba diversos países no mundo inteiro, a sepse ainda é uma entidade clínica de difícil reconhecimento à beira-leito e com limitação de recursos terapêuticos importantes, sobretudo nos países em desenvolvimento.

Ou seja, a sepse consiste em uma doença extremamente grave, agressiva e com elevado índice de morbimortalidade. Com o surgimento da pandemia, isso pode ter se agravado.

Sepse e Covid-19

A sepse ainda mata milhões em todo o mundo, todos os anos. A resposta do corpo ao novo coronavírus e sua resposta à sepse podem ter características semelhantes, às vezes sobrepostas e que dificultam a diferenciação clara entre as síndromes, portanto, as equipes assistentes devem monitorar continuamente seus pacientes internados por Covid-19 quanto aos sinais de infecções bacterianas superpostas e que podem definir negativamente o prognóstico.

Se houver suspeita de sepse, devemos seguir as recomendações da última atualização do Surviving Sepsis Campaign, focando no precoce início de antibióticos adequados para o foco, com coleta de amostras microbiológicas e expansão volêmica adequada de forma criteriosa, objetivando manter níveis pressóricos adequados e o clareamento dos níveis de lactato arterial.

Lembrando ainda que, durante a nova pandemia de coronavírus, quando os recursos médicos em todo o mundo são limitados e a cada dia que passa parecem estar mais escassos, cuidar de pacientes com sepse pode ter atingido um limite ainda maior de dificuldade. A grande mensagem do painel é de que apesar de estarmos todos sobrecarregados e com o foco atento para a identificação e manejo dos pacientes com formas moderadas e graves de Covid-19, nunca podemos deixar de lembrar da sepse. Ela segue incidente, agressiva e com elevada mortalidade. Parafraseando uma das campanhas do ILAS na semana da sepse: “na dúvida, pense. Pode ser sepse”.

Veja mais do ABRAMEDE 2021:

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Hiago Bastos

Posts recentes

Suporte ventilatório não invasivo na Covid-19: quando intubar?

Estudo verificou que o uso de suporte ventilatório não invasivo como primeiro suporte foi fator…

2 horas atrás

Covid-19: FDA autoriza uso emergencial da vacina Pfizer em adolescentes de 12 a 15 anos

O Food and Drug Administration (FDA) autorizou o uso emergencial da vacina Pfizer-BioNTech COVID-19 em…

3 horas atrás

Screening de hipertensão arterial em adultos: recomendações da USPSTF

Em abril, houve a publicação de um documento da USPSTF recomendando o screening de hipertensão…

4 horas atrás

Orientações ao Paciente ganha nova estrutura; saiba mais!

Acesse o post e fique por dentro das mudanças na categoria Orientações ao Paciente, que…

19 horas atrás

Covid-19: experiências exitosas e o protagonismo do enfermeiro

Em meio à pandemia de Covid-19, o trabalho da enfermagem vem se destacando e sendo…

20 horas atrás

Top 10 abril: ECMO na Covid-19, ivermectina, hidroxicloroquina e muito mais

O mês de abril foi muito intenso no meio médico. Confira os principais destaques de…

22 horas atrás