ACC 2021: finerenone e redução de fibrilação atrial

Uma análise secundária do FIDELIO-DKD, que avaliou o finerenone em desfechos cardiovasculares e renais, foi apresentada no ACC 2021.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Recentemente, foi publicado um estudo de fase III (FIDELIO-DKD) com resultados benéficos de uma nova droga, finerenone, que atua como antagonista do receptor mineralocorticoide. Neste estudo, houve redução de desfechos cardiovascular e renal em pacientes com doença renal crônica (DRC) e diabetes melitus (DM) tipo 2.

Sabe-se que esta população tem risco aumentado de fibrilação atrial (FA), além de alta morbidade e mortalidade relacionadas a esta patologia. Mecanismos de ação propostos para esta nova droga que teriam efeito na prevenção da FA são a redução do remodelamento miocárdico, mediado por receptores mineralocorticoides, e consequente prevenção da dilatação e fibrose atriais.

Baseado nisso, foi feita uma análise secundária dos dados do FIDELIO-DKD, avaliando a incidência de FA em pacientes com diabetes tipo 2 e DRC, apresentada, hoje, no congresso do American College of Cardiology (ACC 2021).

médico segurando eletrocardiograma de paciente em uso de finerenone

Finerenone e FA

Este estudo foi multicêntrico, randomizado, controlado, duplo cego e placebo controlado. Os pacientes foram randomizados para os grupos finerenone (10mg quando a taxa de filtração glomerular (TGF) entre 25 e 60 mL/min/1,73m2 e 20mg quando maior que 60 mL/min/1,73m2) ou placebo. Após um mês, se o potássio estivesse menor ou igual a 4,8 e a TFG estável, a dose de 10mg era aumentada para 20 mg.

Os critérios de inclusão eram: idade maior que 18 anos, diabetes tipo 2 e TFG entre 25 e 60 mL/min/1,73m², albuminúria moderada e retinopatia diabética ou TFG entre 25 e 75 mL/min/1,73m² e albuminúria importante, além de máxima dose tolerada de inibidores do sistema renina angiotensina (ISRA) e potássio ≤ 4,8.

Os critérios de exclusão eram DRC de causa não diabética, insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida em classe funcional II a IV, história recente de diálise ou transplante renal e hipertensão não controlada.

O número total de pacientes foi 5.674 divididos nos grupos finerenone e placebo. A idade média foi de 66 anos e 30% eram do sexo feminino. A hemoglobina glicada média foi de 7,7%, o clearence médio de 44 ml/min/1,72m2 e o potássio 4,3. O seguimento médio foi de 2,6 anos.

Resultados

No início do estudo, 8,1% tinham FA documentada e estes pacientes eram mais velhos, maioria homens, tinham mais doença cardiovascular conhecida, maior IMC e PCR mais alto que pacientes sem FA.

A ocorrência do desfecho primário (insuficiência renal, queda de pelo menos 40% do clearence em relação ao basal ou morte por doença renal) foi de 17,8% x 21,1% para os grupos finerenone e placebo respectivamente (HR 0,82 IC95% 0,73-0,93, p = 0,0014).

Em relação aos desfechos secundários houve diferença estatística para morte cardiovascular, infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e internação por insuficiência cardíaca (13% x 14,8%, p = 0,03). Os achados foram semelhantes para quem tinha doença cardiovascular prévia ou não. Hipercalemia ocorreu em 15,8% no grupo finerenone e 7,8% no grupo placebo.

Em relação à FA, houve incidência de 3,2% no grupo finerenone e 4,5% no grupo placebo, que corresponde a 1,2 por 100 pacientes-ano para o grupo finerenone e 1,72 por 100 pacientes-ano para o grupo placebo (HR 0,71. IC95% 0,53 – 0,94, p = 0,016).

Mensagens práticas

Apesar de o estudo mostrar um número pequeno de eventos, levanta a hipótese interessante de redução da incidência de FA, além de redução de desfechos cardiovasculares e renais com o uso desta nova medicação, mais potente e com menos risco de hipercalemia que espironolactona e eplerenone.

Mais estudos são necessários para confirmar esses achados, porém parece ser uma droga promissora para esta os pacientes diabéticos com doença renal crônica.

Estamos acompanhando o congresso do ACC 2021. Fique ligado no Portal PEBMED!

Veja mais do evento:

Referência bibliográfica:

  • Filippatos G, et al. Finerenone Reduces Onset of Atrial Fibrillation in Patients with Chronic Kidney Disease and Type 2 Diabetes. J Am Coll Cardiol. May 17, 2021. Epublished DOI: 10.1016/j.jacc.2021.04.079
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão