Leia mais:
Leia mais:
Qual seria o momento ideal para clampear o cordão umbilical após o nascimento?
Estudo compara ingestão de nutrientes em bebês de 6 a 12 meses utilizando o desmame tradicional ou o método BLW
Mães com hepatite C não realizam rastreio no bebê pós-parto
Quiz: recém-nascido apresenta “covinha” na pele na região sacral. O que pode ser?
ACOG atualiza recomendação sobre clampeamento do cordão umbilical

ACOG atualiza recomendação sobre clampeamento do cordão umbilical

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Durante a década de 50, o termo clampeamento precoce de cordão se referia àquele que ocorria dentro do primeiro minuto, e tardio aos 5 minutos. Com o surgimento de novos estudos ao longo destes anos, foi observado que 80 a 100ml de sangue são transferidos da placenta ao bebê nos primeiros 3 minutos do nascimento, e que 90% desse montante oxigena o bebê em suas primeiras incursões respiratórias. Em um cenário sem recomendações específicas, tornou-se uma prática comum o clampeamento do cordão umbilical ocorrer entre 15 e 20 segundos do nascimento.  

No entanto, novos ensaios clínicos randomizados avaliaram os efeitos do clampeamento do cordão umbilical imediato versus tardio, utilizando como um novo corte de 30-60 segundos após nascimento, tendo como resultados: aumento nos níveis de hemoglobina no nascimento, melhora dos estoques de ferro nos primeiros meses de vida, diminuição das taxas de hemorragia intraventricular e enterocolite necrotizante em bebês prematuros.

Nesse ínterim, diversas organizações se posicionaram recomendando o clampeamento tardio do cordão, por exemplo, a OMS recomenda após 1 minuto do nascimento em bebês nascidos a termo ou prematuros que não requerem ventilação com pressão positiva. Diretrizes recentes do Programa de Reanimação Neonatal da Academia Americana de Pediatria recomendam o clampeamento do cordão umbilical retardado por pelo menos 30–60 segundos para a maioria dos bebês nascidos a termo e prematuros. O Royal College of Obstetricians and Gynecologists também recomenda retardar o clampeamento do cordão umbilical para bebês saudáveis ​​a termo e prematuros por pelo menos 2 minutos após o nascimento. 

clampeamento do cordão umbilical

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Atualização nas recomendações

Esse movimento universal visando implementar o clampeamento tardio do cordão umbilical tem gerado preocupação. Será que esta prática pode atrasar os esforços de ressuscitação oportunos? Poderia ocorrer um uma transfusão excessiva, aumentando icterícia e policitemia neonatal? Haveria maior risco materno de hemorragia pós parto? 

Então, neste mês de dezembro, o American College of Obstetricians and Gynecologists’ Committee on Obstetric Practice emitiu uma atualização sobre as recomendações implementadas antes, em 2017 :

  • É recomendado um atraso no clampeamento do cordão umbilical em bebês nascidos a termo e prematuros por, pelo menos, 30-60 segundos após o nascimento:
  • Foi relatado que, de fato, há um pequeno aumento na incidência de icterícia que requer fototerapia em bebês nascidos a termo e que, a equipe obstétrica deve estar atenta quanto ao monitoramento e possível tratamento da icterícia neonatal.
  • Não há associação com aumento de risco de hemorragia pós-parto. No entanto, quando há risco aumentado de hemorragia, por exemplo, placenta prévia ou descolamento prematuro da placenta, os benefícios do clampeamento tardio do cordão umbilical precisam ser equilibrados com a necessidade de estabilização hemodinâmica oportuna da mulher.
  • Até o momento não há evidências suficientes para apoiar a prática em gestações múltiplas. 

Autor(a):

Referência bibliográfica:

  • Delayed Umbilical Cord Clamping After Birth, Obstetrics & Gynecology: December 2020 – Volume 136 – Issue 6 – p 1238-1239 doi: 10.1097/AOG.0000000000004168
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar