Adaptação cardiovascular na gestação: por que devemos conhecer?

A gestação envolve muitas adaptações. Dentre elas, a adaptação cardiovascular. Por isso, é importante se preparar para os eventos adversos.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Já é do conhecimento de todos que a gestação envolve muitas adaptações nos órgãos e sistemas da mulher. Com o sistema cardiovascular não é diferente, e saber a adaptação cardiovascular que pode ocorrer nesse período permite ao médico se preparar para os acontecimentos e eventos adversos esperados sobre o binômio materno-fetal. 

Adaptação cardiovascular na gestação

Adaptação cardiovascular na gestação

A primeira alteração percebida no sistema materno é a vasodilatação periférica consequente à redução da resistência vascular periférica cujo principal objetivo é permitir o aumento do débito cardíaco (DC). O aumento do volume plasmático, já evidente nas primeiras semanas de gestação, também exerce importante papel na manutenção do DC, tendo atingindo o seu pico após 28 semanas. A massa ventricular também se modifica durante esse período, sem sofrer modificação no remodelamento ventricular, esta alteração é característica do primeiro e segundo trimestre. Dessa forma, a elevação do DC, que pode chegar a um aumento de 40% do seu valor basal, é mantida pela queda da resistência vascular periférica, aumento do volume plasmático e aumento da massa ventricular. A complacência aumentada da aorta também auxilia no processo. 

De uma forma simplificada, podemos dizer que a pressão arterial durante a gestação sofre uma pequena queda no primeiro trimestre, fica mais acentuada na segunda e retorna aos níveis pré-gestacionais no terceiro. Se pudéssemos representar o comportamento da pressão arterial na gestação usaríamos a letra “V” que representa muito bem esse comportamento. A frequência cardíaca tende a subir seus valores basais (10-20 bpm), o volume sistólico reduz e a pressão venosa pulmonar se mantém. 

Mas e no trabalho de parto? Tudo permanece mantido? 

Não, esse é um ponto importante quando falamos de gestante cardiopata. No parto, como consequência do lançamento do sangue dos sinusoides uterinos na circulação materna, ocorre o aumento da pré-carga, da pressão arterial e do DC, este último pode chegar a 50% do valor pré-parto. 

No período expulsivo, onde encontramos o pico de contração isométrica e de maior duração e frequência, o DC pode chegar a um aumento de 80% e a RVP que até então era reduzida, aumenta. 

As oscilações de PA não acompanham essas modificações no período expulsivo.  Deve-se acrescentar ainda a contribuição que a perda sanguínea exerce sobre essas modificações, lembrando que a perda estimada numa cesariana é o dobro da perda estimada em um parto vaginal. 

No pós parto, como consequência da autotransfusão uterina e da descompressão do fluxo da veia cava ocorre o aumento súbito do retorno venoso. Esse súbito aumento associado ao aumento da resistência vascular periférica são os responsáveis pelo aumento do risco de congestão pulmonar e edema agudo de pulmão no pós parto nas gestantes cardiopatas. O que nos permite tomar a conduta adequada frente a cada patologia de base apresentada. 

Quer saber mais sobre gestação de alto risco? Conheça a GARexp, equipe formada por quatro obstetras que, através de um olhar diferenciado com vida acadêmica dedicada ao ensino e pesquisa, tem o desejo de aprofundar o conhecimento sobre a verdadeira “gestação de risco”.

Referências Bibliográficas: 

  • Arq Bras Cardiol. 2020; 114(5):849-942
  • Posicionamento da Sociedade Brasileira de Cardiologia para Gravidez e Planejamento Familiar na Mulher Portadora de Cardiopatia – 2020
  • Departamento de Cardiologia da Mulher da Sociedade Brasileira de Cardiologia
  • Physiological changes in pregnancy Cardiovasc J Afr.  Mar-Apr 2016;27(2):89-94.
  • Maternal cardiovascular hemodynamic adaptation in pregnancy. Duvekot JJ, et al. Obstet Gynecol Surv. 1994. 
  • Cardiovascular System in Preeclampsia and Beyond. Thilaganathan B, Kalafat E. Hypertension. 2019 Mar;73(3):522-531. 
  • Cardiovascular origins of preeclampsia. Kalafat E, Thilaganathan B. Curr Opin Obstet Gynecol. 2017 Dec;29(6):383-389
  • Maternal Cardiovascular Function in Normal Pregnancy Evidence of Maladaptation to Chronic Volume Overload. Melchiorre K, Sharma R, Khalil A, Thilaganathan B.  
  • Hypertension, 2016 Apr;67(4):754-62.
  • Physiologic and Hemodynamic. Changes During Pregnancy. Troiano NH. AACN Adv Crit Care. 2018.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão