AHA 2018: novo extrato de ômega 3 reduz eventos cardiovasculares?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A hipertrigliceridemia está associada com maior risco cardiovascular, mas a magnitude desta relação é menor que a do LDL. Além disso, os tratamentos disponíveis até então – fibratos e óleos de peixe em geral – não mostraram redução no risco de IAM, AVC ou morte, mas apenas uma menor chance de pancreatite. Por isso, a maior parte das diretrizes é clara que a prioridade é calcular o risco cardiovascular e, se moderado a alto, iniciar administração de estatinas. Os triglicerídeos só deveriam ser tratados se > 500 mg/dl ou, para alguns autores mais rigorosos, apenas se >886 mg/dl.

No congresso da AHA 2018, um novo estudo, REDUCE-IT, trouxe informações que podem mudar esse paradigma. Foram selecionados pacientes cardiopatas, ou com fatores de risco para aterosclerose, e comparados um extrato purificado de óleo de peixe ômega 3 com placebo. Todos os pacientes estavam em uso de estatina e tinham TG 135-499 mg/dl e LDL 41-100 mg/dl.

Leia mais: Suplementação de ômega 3 causa proteção cardiovascular?

Foram recrutados 8179 pacientes, dos quais 70% já tiveram eventos cardiovasculares prévios, e acompanhados por uma média de 4,9 anos. Os resultados mostraram uma redução de 25% no desfecho combinado de morte, IAM ou AVC. Na análise individual, houve redução na mortalidade cardiovascular. Os efeitos colaterais não esperados foram um pequeno aumento na incidência de FA e de “sangramentos” no grupo tratado. Ainda assim, os autores entendem que os benefícios superam os riscos.

ômega 3

O que explica esse resultado tão diferente dos anteriores?

A formulação utilizada é uma forma purificada do ômega 3. O “antigo” era composto de DHA (docosahexaenoico) e EPA (eicoisapentaenoico), ao passo que o “novo” é apenas EPA (icosapentaetil). Além disso, a dose utilizada foi maior, 4g, e foi mantida a associação com estatina. A formulação antiga estava associada com pequeno aumento do LDL, ao passo que a nova não está. Há, ainda, pesquisas com outros benefícios, como melhora da função endotelial (“efeitos pleiotrópicos”, como ocorre com estatinas).

E como isso vem para a prática?

O começo é o mesmo. Avalie seu paciente e calcule o risco cardiovascular. Se moderado a alto, inicie a estatina. Naqueles pacientes que permanecerem com TG 135-499 mg/dl, hoje esse novo ômega 3 purificado oferece uma alternativa aos fibratos. Qual o próximo passo? Realizar dois estudos, um comparando ômega 3 purificado versus fibratos e outro avaliando o ômega 3 nos pacientes com TG > 500 mg/dl.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Um comentário

  1. Interessante essa nova perspectiva. Qual seria a dose indicada no estudo da suplementação? A maioria das apresentações comercializadas atualmente são de cápsulas de 1000 mg.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar