Home / Cardiologia / AHA 2018: novo extrato de ômega 3 reduz eventos cardiovasculares?
ômega 3

AHA 2018: novo extrato de ômega 3 reduz eventos cardiovasculares?

Cardiologia, Colunistas
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

A hipertrigliceridemia está associada com maior risco cardiovascular, mas a magnitude desta relação é menor que a do LDL. Além disso, os tratamentos disponíveis até então – fibratos e óleos de peixe em geral – não mostraram redução no risco de IAM, AVC ou morte, mas apenas uma menor chance de pancreatite. Por isso, a maior parte das diretrizes é clara que a prioridade é calcular o risco cardiovascular e, se moderado a alto, iniciar administração de estatinas. Os triglicerídeos só deveriam ser tratados se > 500 mg/dl ou, para alguns autores mais rigorosos, apenas se >886 mg/dl.

No congresso da AHA 2018, um novo estudo, REDUCE-IT, trouxe informações que podem mudar esse paradigma. Foram selecionados pacientes cardiopatas, ou com fatores de risco para aterosclerose, e comparados um extrato purificado de óleo de peixe ômega 3 com placebo. Todos os pacientes estavam em uso de estatina e tinham TG 135-499 mg/dl e LDL 41-100 mg/dl.

Leia mais: Suplementação de ômega 3 causa proteção cardiovascular?

Foram recrutados 8179 pacientes, dos quais 70% já tiveram eventos cardiovasculares prévios, e acompanhados por uma média de 4,9 anos. Os resultados mostraram uma redução de 25% no desfecho combinado de morte, IAM ou AVC. Na análise individual, houve redução na mortalidade cardiovascular. Os efeitos colaterais não esperados foram um pequeno aumento na incidência de FA e de “sangramentos” no grupo tratado. Ainda assim, os autores entendem que os benefícios superam os riscos.

O que explica esse resultado tão diferente dos anteriores?

A formulação utilizada é uma forma purificada do ômega 3. O “antigo” era composto de DHA (docosahexaenoico) e EPA (eicoisapentaenoico), ao passo que o “novo” é apenas EPA (icosapentaetil). Além disso, a dose utilizada foi maior, 4g, e foi mantida a associação com estatina. A formulação antiga estava associada com pequeno aumento do LDL, ao passo que a nova não está. Há, ainda, pesquisas com outros benefícios, como melhora da função endotelial (“efeitos pleiotrópicos”, como ocorre com estatinas).

E como isso vem para a prática?

O começo é o mesmo. Avalie seu paciente e calcule o risco cardiovascular. Se moderado a alto, inicie a estatina. Naqueles pacientes que permanecerem com TG 135-499 mg/dl, hoje esse novo ômega 3 purificado oferece uma alternativa aos fibratos. Qual o próximo passo? Realizar dois estudos, um comparando ômega 3 purificado versus fibratos e outro avaliando o ômega 3 nos pacientes com TG > 500 mg/dl.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

One comment

  1. Avatar

    Interessante essa nova perspectiva. Qual seria a dose indicada no estudo da suplementação? A maioria das apresentações comercializadas atualmente são de cápsulas de 1000 mg.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.