Página Principal > Proctologia > Anti-histamínicos podem ajudar pacientes com diarreia crônica
medica sorrindo para paciente

Anti-histamínicos podem ajudar pacientes com diarreia crônica

Tempo de leitura: 3 minutos.

De acordo com uma recente série de casos publicada no Annals of Allergy, Asthma & Immunology, alguns pacientes com diarreia pós-prandial idiopática (DPP) podem responder ao tratamento com anti-histamínicos.

“O PPD anti-histamínico é visto em pacientes com urticária idiopática crônica e/ou dermatografia, e pode ser distinguido da síndrome de ativação de mastócitos (MCAS). Essa síndrome também deve ser considerada no diagnóstico diferencial de pacientes que apresentam intolerância alimentar após a exclusão de alergia alimentar e outros distúrbios gastrointestinais”, explica a médica Yasmin Hassoun, da Universidade de Cincinnati, em Ohio, nos Estados Unidos.

A diarreia crônica é um problema comum que afeta até 5% dos adultos, e o PPD compreende um subconjunto dessa condição.

Os autores do estudo relatam a ocorrência de DPP idiopática em cinco pacientes com idade entre 26 e 63 anos, com duração da diarreia de oito semanas a 13 anos. Todos os cinco pacientes tiveram dermatografias concomitantes. Três pacientes (duas mulheres e um homem) também tinham uma história atual ou anterior de urticária crônica, e três mulheres possuíam uma história atual ou anterior de angioedema. 

Nenhum dos pacientes havia experimentado um evento desencadeante inicial, como doença viral. Em todos os cinco casos, a diarreia ocorreu apenas após as refeições ou lanches, e dentro de três horas após a ingestão da comida.

No entanto, nenhum dos pacientes mostrou qualquer evidência de alergia alimentar ou intolerância alimentar. O soro de quatro dos cinco pacientes foi rastreado para IgE específica para alimentos e testado como negativo. Três dos pacientes também realizaram uma dieta isenta de lactose e outras dietas de eliminação sem qualquer melhoria nos sintomas.

Testes adicionais foram realizados em alguns casos, incluindo anti-transglutaminase IgA tecidual (em quatro pacientes) para descartar doença celíaca , triptase sérica (em quatro pacientes), prostaglandina F urinária de 24 horas (em três pacientes) e 24 horas N-metil-histamina urinária (em dois pacientes) para investigar a possibilidade de MCAS. Todos esses testes foram normais.

Quatro dos pacientes também foram submetidos à endoscopia digestiva alta e colonoscopia. Lesões foram encontradas em apenas dois desses pacientes. Uma mulher de 55 anos apresentou colite linfocítica e outra mulher de 63 anos apresentou inflamação gástrica e úlcera. No entanto, esses achados não poderiam explicar um distúrbio gastrointestinal subjacente para explicar a diarreia.

Após eliminar a alergia ou intolerância alimentar subjacente, a doença gastrointestinal ou o MCAS como causa da DPP, todos os cinco pacientes receberam pré-tratamento diário com anti-histamínicos H 1 e H 2.

Este tratamento resolveu o PPD para dois pacientes e aliviou-o para os três restantes. “As respostas benéficas nesses pacientes aos bloqueadores de receptores He H2 sugerem que a histamina liberada pelos mastócitos GI é um mediador chave da diarreia pós-prandial”, escreveu Yasmin Hassoun.

Embora o mecanismo exato pelo qual o alimento estimula os mastócitos GI seja desconhecido, os pesquisadores supõem que o peristaltismo possa ter um papel na ativação dos mastócitos.

Saiba mais: Diarreia crônica: é tudo igual?

O médico David I. Bernstein, também da Universidade de Cincinnati, disse ao Medscape Medical News que esperaria que a maioria dos pacientes com DPP idiopática e urticária idiopática crônica concomitante e/ou dermatografia respondesse a esse tipo de terapia anti-histamínica. “Mas há graus variáveis ​​de resposta, de 60% a 100% de controle dos sintomas gastrointestinais”, enfatizou. 

Embora não se saiba com que frequência este subgrupo de pacientes visita clínicas de alergia ou gastroenterologia, a equipe de David Bernstein está planejando mais estudos para determinar isso.

Estas são “observações de caso único interessantes com benefício do tratamento combinado com bloqueadores H1 e H2 “, disse Michael Camilleri, professor de medicina, farmacologia e fisiologia na Mayo Clinic em Rochester, Minnesota, em uma entrevista Medscape Medical News.

A afirmação dos autores de que “o papel fisiológico dos mastócitos no trato gastrointestinal não foi claramente definido” é apropriada, pois segundo Michael Camilleri. esta associação pode ser mais relevante, como sugerido, em pacientes com urticária crônica ou angioedema.

De acordo com Camilleri, os receptores de histamina H1 também mostraram estar envolvidos na modulação da sensação de dor em pacientes com síndrome do intestino irritável (SII). Em um estudo recente, a ebastina, um antagonista anti-H1 seletivo, reduziu hipersensibilidade visceral, sintomas, e dor abdominal em pacientes com IBS. 

Estudos adicionais podem incluir a avaliação da prevalência e história natural deste PPD e dos esquemas terapêuticos ideais.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora: 

Referências:

  • https://www.medscape.com/viewarticle/916002
  • https://www.annallergy.org/article/S1081-1206(19)30494-6/fulltext

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.