As infecções por variantes após a vacinação completa contra Covid-19 - PEBMED

As infecções por variantes após a vacinação completa contra Covid-19

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

As tentativas de controle da disseminação, morbidade e mortalidade causadas pelo coronavírus SARS-CoV-2 e suas variantes continuam. Uma das estratégias profiláticas mais esperadas está sendo implementada de forma acelerada e inédita em todo o mundo, mesmo sem estudos do tipo ensaios clínicos conclusivos: a vacinação anti-Covid-19.

Atualmente, são diversas plataformas e estratégias vacinais anti-Covid-19, desde vacinas de fragmentos de RNA mensageiro, vetores virais, vacinas proteicas, até vírus completo inativado e outras propostas. Porém, os desafios frente às novidades impostas pelas propriedades do SARS-CoV-2 continuam emergindo, dessa vez às mutações que geram variantes diversas com propriedades biológicas ainda desconhecidas.

Com a descrição de quadros de reinfecção (pela mesma estirpe) ou infecção por novas variantes desde o início da pandemia, as dúvidas quanto à eficácia e efetividade das vacinas em desenvolvimento como tratamento profilático efetivo foram emergindo. E infelizmente, como provável mas não desejado, nos meses mais recentes diversas publicações vêm sendo publicadas demonstrando precisamente a emergência de variantes novas e a ocorrência de novas infecções em indivíduos com esquema vacinal anti-Covid-19 completo. Trazemos aqui alguns dos estudos com descrição e discussões mais detalhadas sobre esses novos episódios de Covid-19 em indivíduos vacinados.

As infecções por variantes após a vacinação completa contra Covid-19

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Estudos sobre variantes pós vacinação 

Hacisuleyman et al. (2021) apresentaram na The New England Journal of Medicine o relato de dois casos de indivíduos vacinados que exibiram infecção por variantes de SARS-CoV-2, mesmo com a constatação de resposta humoral significativa para a espícula proteica do coronavírus. Um dos pacientes (Paciente 1) consistia em uma mulher de 51 anos, sem comorbidades, vacinada com mRNA-1273 (Moderna) em 21 de janeiro e a segunda dose em 19 de fevereiro de 2021, e apresentou o teste de RT-PCR positivo 19 dias após a segunda dose vacinal.

Leia também: As polêmicas sobre o passaporte vacinal para Covid-19

A paciente 1 apresentava um quadro de odinofagia, congestão, e cefaléia na ocasião do teste positivo, evoluiu com anosmia e disgeusia, e teve a resolução dos sintomas em uma semana. O outro paciente (Paciente 2) era um homem de 65 anos, sem fatores de risco para Covid-19, que recebeu a primeira dose da BNT162b2 (Pfizer-BioNTech) em 19 janeiro e a segunda dose em 9 de fevereiro de 2021, e já tinha encerrado o esquema vacinal há 36 dias antes no momento do teste positivo, associado a fadiga, congestão nasal, e cefaléia, com resolução posterior do quadro clínico.

Esses pacientes com resultados positivos eram parte de um grupo de 1400 pessoas, incluindo funcionários e estudantes da Rockefeller University, testados semanalmente (ou mais frequentemente) com um teste de RT-PCR a partir de saliva, desenvolvido pelo Darnell Clinical Laboratory Improvement Amendments–Clinical Laboratory Evaluation Program laboratorory, autorizado pelos protocolos locais e validado. Dentre esses pacientes, 417 funcionários receberam o esquema completo de vacinação com BNT162b2 (Pfizer-BioNTech) ou mRNA-1273 (Moderna) há, pelo menos, duas semanas antes da realização do teste, e foram detectados os dois casos positivos citados (incidência de 0,5%).

Os coronavírus isolados dos casos positivos foram submetidos ao sequenciamento do genoma, e as variantes eram relacionadas às variantes B.1.1.7 e B.1.526, mas com mutações adicionais (mutações E484K na paciente 1, e T95I, del142-144 e D614G no paciente 2). Adicionalmente os anticorpos neutralizantes foram mensurados em ambos os pacientes contra o SARS-CoV-2 original, e às variantes citadas, e apresentavam efeitos inibitórios adequados, porém não suficientes para prevenir novas infecções clínicas. Não foi avaliada a resposta celular por linfócitos T nesses pacientes.

Rana, Mohindra & Pinnaka (2021) descreveram incidências de teste positivo para SARS-CoV-2 em torno de 2,0% (72 entre 3650) dentre os profissionais de saúde vacinados com esquema completo com a vacina recombinante ChAdOx1 nCoV-19, e cerca de 1,6% de infecção sindrômica Covid-19. Achados semelhantes foram observados entre profissionais de saúde atuantes no Cleveland Veterans’ Affairs Medical Center, em Ohio, EUA, e submetidos ao esquema completo de vacinação com BNT162b2 (Pfizer-BioNTech) e com mais de duas semanas após a segunda dose.

Nesse estudo, a incidência acumulativa foi de 0,3% (12 casos positivos entre 4222 funcionários vacinados) (Blachere, Hacisuleyman, & Darnell, 2021; Redmond et al. 2021) e a variante B.1.1.7. foi a predominante (7/12 casos positivos). Por outro lado, o estudo reforça que a vacinação diminuiu em 19x a chance de infecção por SARS-CoV-2. Jacobson et al. (2021) avaliaram os casos de testes positivos para o coronavírus associado a Covid-19, em um centro médico acadêmico no norte da California, em indivíduos que receberam, pelo menos, uma dose vacinal.

Saiba mais: Vacinação contra Covid-19 com imunizantes diferentes é possível?

Dentre esses, 189 casos positivos foram detectados dentre 22.729 profissionais de saúde incluídos, e às novas mutações descritas em variantes B.1.427/B.1.429. Infecções por SARS-CoV-2 pós-vacinação foram descritas em outros estudos, para essas vacinas citadas ou outras como vírus inativados como a BBV152/COVAXIN, Covishield, Coronavac e outras (Tyagi et al., 2021; Ulhaq, Soraya & Indriana, 2021). Os períodos de ocorrência descritos para as infecções por SARS-CoV-2 após a vacinação variam para acima de 14 dias após a segunda dose em diante, e os títulos de anticorpos neutralizantes foram altos.

Conclusão

Tais achados e observações reforçam a necessidade vacinação como potente agente profilático de forma a minimizar as taxas de incidência, mas também de vigilância contínua para monitoramento de variantes, incluindo testes rápidos de antígeno ou por RT-PCR de indivíduos sintomáticos e assintomáticos, sequenciamento do genoma viral e monitoramento de anticorpos neutralizantes e resposta imune celular por investigação de células T (tipo Th1, Th2, Th17 e células regulatórias – Treg), particularmente em indivíduos vacinados subsequentemente infectados (Blachere, Hacisuleyman, & Darnell, 2021; Nixon & Ndhlovu, 2021; Rana, Mohindra & Pinnaka, 2021).

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Blachere NE, Hacisuleyman E, Darnell RB. Vaccine Breakthrough Infections with SARS-CoV-2 Variants. Reply. N Engl J Med. 2021 Jun 2. doi: 10.1056/NEJMc2107808
  • Hacisuleyman E, et al. Vaccine Breakthrough Infections with SARS-CoV-2 Variants. N Engl J Med. 2021 Jun 10;384(23):2212-2218. doi10.1056/NEJMoa2105000
  • Jacobson KB, et al. Post-vaccination SARS-CoV-2 infections and incidence of the B.1.427/B.1.429 variant among healthcare personnel at a northern California academic medical center. medRxiv [Preprint]. 2021 Apr doi: 24:2021.04.14.21255431. 
  • Kustin T, et al. Evidence for increased breakthrough rates of SARS-CoV-2 variants of concern in BNT162b2-mRNA-vaccinated individuals. Nat Med. 2021 Jun 14. doi: https://doi.org/10.1101/2021.04.06.21254882
  • Nixon DF, et al. Vaccine Breakthrough Infections with SARS-CoV-2 Variants. N Engl J Med. 2021 Jun 2: doi: 10.1056/NEJMc2107808#sa1. 
  • Rana K, et al. Vaccine Breakthrough Infections with SARS-CoV-2 Variants. N Engl J Med. 2021 Jun 2. doi: 10.1056/NEJMc2107808#sa1. 
  • Redmond SN, et al. Severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) infection in vaccinated and unvaccinated healthcare personnel in a Veterans’ Affairs healthcare system. Infect Control Hosp Epidemiol. 2021 May 27:1-2. doi: 10.1017/ice.2021.256
  • Philomina J B, et al. Genomic survey of SARS-CoV-2 vaccine breakthrough infections in healthcare workers from Kerala, India. J Infect. 2021 May 25. doi: https://doi.org/10.1016/j.jinf.2021.05.018
  • Tyagi K, et al. Breakthrough COVID19 infections after vaccinations in healthcare and other workers in a chronic care medical facility in New Delhi, India. Diabetes Metab Syndr. 2021 May 3. doi: 10.1016/j.dsx.2021.05.001
  • Ulhaq ZS, et al. Breakthrough COVID-19 case after full-dose administration of CoronaVac vaccine. Indian J Med Microbiol. 2021 Jun 4. doi: 10.1016/j.ijmmb.2021.05.017

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar