Brasil estabelece meta audaciosa para a redução de índice de morte materna

Atualmente, com 107 mortes a cada 100 mil nascimentos, Brasil estabelece meta audaciosa para a redução do índice de morte materna.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Atualmente, com 107 mortes de mães a cada 100 mil nascimentos, Brasil estabelece meta audaciosa para a redução do índice de morte materna.

Em 2021, o Brasil registrou uma média de 107 mortes maternas a cada 100 mil nascimentos. Os óbitos ocorreram durante a gestação ou nos 42 dias seguintes ao parto devido a causas relacionadas à gravidez ou por ela agravadas, de acordo com os dados do Painel de Monitoramento da Mortalidade Materna.

Infelizmente, o país apresenta números bem distantes dos fixados como ideal pela Organização das Nações Unidas (ONU). A meta estabelecida para 2015 era ter menos de 35 óbitos por 100 mil nascimentos, com o Brasil apresentando a triste faixa de 70 a 75 óbitos maternos por 100 mil nascidos vivos.

Com os novos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), a ONU estabeleceu que os países devem reduzir a taxa de mortalidade materna global para menos de 70 óbitos por 100 mil nascidos vivos até 2030.

Segundo a adaptação das metas para a realidade brasileira, realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), o Brasil tem como meta (audaciosa) reduzir a razão de mortalidade materna para, no máximo, 30 óbitos por 100 mil nascidos vivos, até 2030.

Leia também: Luto antes da morte de um ente querido

Brasil estabelece meta audaciosa para a redução de índice de morte materna

Mortalidade materna

A mortalidade materna é um indicador muito importante para analisar a saúde das mulheres, o desenvolvimento econômico e as desigualdades sociais de uma população.

“E a prevenção tem um papel fundamental nessa conjuntura. Os cuidados tomados durante a gestação, o pré-natal e, especialmente, nos momentos próximos ao nascimento são muito importantes para reduzir a incidência da mortalidade materna”, destacou a diretora-presidente do Instituto Opy de Saúde, Heloisa Oliveira, em entrevista ao portal da entidade.

Fatores como má alimentação e sedentarismo antes e durante a gravidez podem contribuir para o aumento da mortalidade materna, uma vez que podem desencadear enfermidades como hipertensão arterial, obesidade e doenças cardiovasculares.

Projeto do SUS consegue reduzir mortalidade materna em 37%

Um projeto desenvolvido em 20 hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) conseguiu reduzir em 37% a mortalidade materna com a adoção de simples, mas importantes ações de melhoria nos procedimentos médicos com foco na hipertensão arterial, que leva à pré-eclâmpsia e à eclampsia; nas hemorragias graves, principalmente no pós-parto; e nas infecções.

O projeto, coordenado pelo Hospital Albert Einstein com apoio do programa MSD para Mães e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), ainda resultou na queda de 58% nos casos de mortalidade materna, quando observados apenas os três fatores que causam mais óbitos. Nos casos de sepse, foi registrada queda de 73%. E considerando apenas os casos de hemorragia, houve redução de 86%.

Saiba mais: Dia Nacional da Redução da Mortalidade Materna

A iniciativa utiliza uma metodologia chamada ciência da melhoria, como explicou melhor o coordenador médico da obstetrícia do Einstein, Romulo Negrini.

“Analisamos como funcionava o atendimento de uma gestante que estava sob um risco, com base nesta análise de fluxo, e conseguimos atuar sobre os pontos em que há riscos maiores. Testamos as mudanças junto com toda a equipe e realizamos testes em pequenas escalas e, a partir da análise dos resultados, estabelecemos novos processos. Atualmente, chamamos o projeto de ‘Todas as mães importam’, porque não queremos perder nenhuma delas. Conseguimos reconhecer que 92% dos óbitos maternos são evitáveis”, revelou Negrini, em entrevista ao portal da Agência Brasil.

A fase piloto do Projeto de Redução de Mortalidade Materna foi realizada no Hospital Agamenon Magalhães, em Recife. Em seguida, a iniciativa foi ampliada para 19 hospitais públicos, distribuídos pelos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco, Ceará, Bahia, Pará e Rondônia.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
# Instituto Opy. No Brasil, 107 mães morreram a cada 100 mil nascimentos registrados em 2021. Disponível em: https://institutoopy.org.br/2022/06/no-brasil-107-maes-morreram-a-cada-100-mil-nascimentos-registrados-em-2021/ # Agência Brasil. Projeto em 19 maternidades do SUS reduz mortalidade materna em 37%. Disponível em:  https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-05/projeto-em-19-maternidades-do-sus-reduz-mortalidade-materna-em-37