Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Brasil tem mais de 30 mil casos de dengue nas primeiras semanas de 2020
mosquito aedes aegypti, transmissor da dengue, picando pessoa

Brasil tem mais de 30 mil casos de dengue nas primeiras semanas de 2020

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Os números assustam: o Ministério da Saúde contabiliza 30.763 casos prováveis de dengue entre os brasileiros no período de 29 de dezembro de 2019 a 18 de janeiro de 2020, segundo dados do novo Boletim Epidemiológico divulgado.

O Centro-Oeste é a região mais afetada pela doença, com 32,5 casos para cada 100 mil habitantes. Já São Paulo concentra 30,4% das notificações do país.

Para efeito de comparação, 40 mil pessoas foram infectadas pelo coronavírus na China desde dezembro de 2019.

Dengue

Números da dengue em 2020:

  • O estado de São Paulo registra 10.271 casos prováveis;
  • Já Paraná é o segundo com mais registros: 8.463;
  • O Acre concentra o maior número de casos por habitantes, com 92,41 a cada 100 mil;
  • O estado do Mato Grosso do Sul está em segundo lugar, com uma taxa de 76,61 a cada 100 mil.

De acordo com o Ministério da Saúde, a “incidência dos casos de dengue retorna ao canal endêmico”.

Leia também: Dengue: caso de transmissão sexual é confirmado na Espanha

A segunda ressalva é que as últimas semanas de 2019 apresentaram um número baixo quantitativo de casos devido ao atraso das notificações. Os dados são referentes ao período de 29 de dezembro de 2019 a 18 de janeiro de 2020.

A enfermidade apresentou 24 casos graves confirmados e 158 com sinais de alarme. Outros 49 permanecem em investigação. Cinco pessoas morreram devido à infecção por dengue, localizadas no Acre (1), em São Paulo (1) e no Mato Grosso (3). Outros 27 óbitos estão sob análise dos órgãos de saúde.

Orientações aos médicos

Em caso de confirmação da enfermidade, o médico infectologista deverá trabalhar em conjunto com o cardiologista para que juntos busquem a melhor opção de tratamento para cada paciente.

A indicação da utilização do ácido acetilsalicílico para o controle de algumas doenças cardiovasculares tem o objetivo de afinar o sangue a fim de evitar a formação de coágulos.

A recomendação do Ministério da Saúde em casos de dengue é de suspender o uso de medicamentos com essas substâncias, que agravam o potencial de hemorragias da moléstia.

Veja ainda: Como prevenir a dengue e combater a doença?

Chikungunya

Outra enfermidade relacionada diretamente com o vetor o Aedes aegypti, a chikungunya apresentou 959 casos prováveis no início deste ano. A taxa de incidência é de 0,46 casos por 100 mil habitantes.

As regiões Nordeste e Sudeste são as mais afetadas, com índices de 0,58 por 100 mil e 0,52 por 100 mil, respectivamente. O estado do Rio de Janeiro registra 28,5% das notificações, onde também foi confirmado um óbito causado pela infecção.

Zika

Emergência de saúde pública em 2016, o vírus da zika tem mais casos na região Norte neste ano, mas sem números expressivos, com apenas 85 casos prováveis da doença.

Desde 2015, o país teve 18.578 suspeitas de alterações no crescimento e desenvolvimento de fetos e bebês em decorrência à infecção pelo vírus.

Vale lembrar que a microcefalia na criança pode ser uma das consequências da enfermidade durante a gravidez.

Complicações graves decorrentes ao vírus da zika:

  • Neurológicas: síndrome de Guillain-Barré, mielite aguda, polineurite transitória aguda e meningoencefalite;
  • Oculares: iridociclite hipertensiva, maculopatia aguda unilateral, uveíte posterior bilateral, além de escaras coriorretinais;
  • Outras: púrpura trombocitopênica, miocardite transitória e óbito em imunocomprometidos (< 0,01%);
  • Cerca de 20 a 30% das gestantes com infecção pelo vírus apresentam fetos e neonatos com subsequente infecção congênita, com quadro de aborto, síndrome congênita (microcefalia) ou assintomáticos (sequelas a médio e longo termo).

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.