Home / Colunistas / Como fazer a abordagem da lesão de menisco?
homem correndo na praia sente dor no joelho por lesão de menisco

Como fazer a abordagem da lesão de menisco?

Colunistas, Ortopedia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

O menisco é uma cartilagem responsável pelo amortecimento do joelho. Cada joelho tem dois meniscos: um medial (na parte interna) e um lateral (na parte externa). A lesão de menisco pode ocorrer em jovens ou em pessoas mais velhas.

A maior parte das lesões ocorre a partir dos 40 anos. Isso porque, nessa idade, os meniscos já apresentam algum grau de desgaste, tornando-os mais frágeis. Em pessoas mais jovens, as lesões podem ocorrer após traumas de maior energia e geralmente associadas a outras lesões, como a do ligamento cruzado anterior.

Sendo assim, podem ser diferenciadas em dois grupos:

  • Lesões traumáticas: os pacientes apresentam dor que se inicia logo após um trauma. A dor é pontual, bem localizada no local da lesão. Eventualmente o joelho pode ficar bloqueado, e o paciente não conseguirá realizar o movimento normal na articulação;
  • Lesões degenerativas: estão associadas ao desgaste articular. Não há história de trauma ou, eventualmente, há um trauma mínimo. A dor pode se iniciar, por exemplo, ao sair do carro ou descer do ônibus.
    A maior parte das lesões, porém, ficam em um espectro intermediário, com características de uma lesão traumática, mas também de uma lesão degenerativa. A ressonância magnética pode ajudar nesta diferenciação.

Tratamento da lesão de menisco

As lesões traumáticas costumam ser tratadas cirurgicamente. Já as lesões degenerativas normalmente devem ser manejadas sem cirurgia. Na dúvida, o médico inicia o tratamento sem cirurgia e avalia a resposta do paciente. Se a dor melhorar, o tratamento sem cirurgia é mantido, caso contrário o tratamento cirúrgico pode ser indicado neste segundo tempo.

Leia também: Dor patelofemoral: saiba o que fazer e o que evitar no tratamento

Tratamento não cirúrgico

O tratamento visa a melhora da dor no joelho, e não a cicatrização dos meniscos. Muitas pessoas convivem com uma lesão de menisco sem dor, e normalmente as lesões degenerativas permitem isso. Vale lembrar que os pacientes costumam ter outros problemas que contribuem para a dor, como lesões de cartilagem ou desequilíbrios musculares.

As causas reais da dor devem sempre ser o foco do tratamento, não apenas o menisco. O tratamento inclui o uso de medicamentos, infiltrações, fisioterapia, entre outros métodos, a serem discutidos caso a caso.

Tratamento cirúrgico

Usualmente, as cirurgias para lesões de meniscos são feitas por artroscopia. O procedimento consiste na visualização das estruturas internas do joelho, através de uma microcâmera introduzida por uma pequena incisão, de aproximadamente 1 cm, além de uma incisão de igual tamanho para a introdução do instrumental cirúrgico. Nos casos das suturas de meniscos, outros cortes podem ser feitos, dependendo da técnica utilizada.

As lesões do menisco podem ser tratadas cirurgicamente de duas formas:

  1. Ressecção da lesão (meniscectomia): neste procedimento, mais simples tecnicamente, o fragmento rompido é cortado e retirado, reduzindo o tamanho do menisco. A técnica permite um retorno mais precoce às atividades. Porém, a redução do menisco aumenta a sobrecarga de peso sobre a cartilagem articular, elevando o risco futuro de desenvolvimento da artrose. Essa desvantagem aumenta proporcionalmente ao tamanho do fragmento a ser retirado;
  2. Sutura do menisco: nesta técnica, o local lesionado recebe pontos, com o objetivo de estabilizar e permitir a cicatrização da lesão. A sutura deve ser o procedimento a ser escolhido sempre que possível.

Veja também: Ruptura do ligamento cruzado anterior, o que fazer?

A escolha da técnica cirúrgica depende de características tanto da lesão como do paciente. As principais características da lesão a serem consideradas são:

  • Localização da lesão no menisco;
  • Tempo de lesão: as mais antigas tendem a piorar as condições para sutura;
  • Aspecto da lesão nos exames de ressonância magnética e na artroscopia: horizontal, vertical, radial, com flap, complexa.

Entre as características do paciente, deve-se levar em conta:

  • Idade: quanto mais velho, maiores a chance de falha na cicatrização e menor o risco para desenvolvimento futuro de osteoartrose;
  • Atividade do paciente;
  • Presença de lesões associadas.

Como é a reabilitação após a cirurgia da lesão do menisco?

Geralmente, após a meniscectomia, a recuperação envolve uma semana de apoio com muletas. No caso da sutura do menisco, a recuperação é bem mais prolongada com uso de muletas por 4 a 6 semanas, e retorno aos esportes após aproximadamente quatro meses.

É médico e quer colaborar com o Portal PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Beaufils, Philippe et al. “The knee meniscus: management of traumatic tears and degenerative lesions.” EFORT open reviews vol. 2,5 195-203. 11 May. 2017, doi:10.1302/2058-
    5241.2.160056.
  • https://ortopedistadojoelho.com.br/menisco/
  • Mezhov V, Teichtahl AJ, Strasser R, Wluka AE, Cicuttini FM. Meniscal pathology – the evidence for treatment. Arthrit Res Ther. 2014;16:206. https://doi.org/10.1186/ar4515.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.