Como o treat-to-target na artrite reumatoide funciona em cenários de vida real?

Saiu recentemente estudo com resultados de uma coorte multinacional avaliando o treat-to-target na artrite reumatoide em uma população não selecionada.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Dando sequência à postagem anterior, na qual abordei um artigo comparando duas estratégias treat-to-target (T2T) na artrite reumatoide (AR) inicial, agora vamos discutir qual a performance dessa estratégia em um cenário de vida real.

Ramiro et al. publicaram recentemente no Annals of the Rheumatic Diseases (fator de impacto: 14.299) os resultados de uma coorte multinacional de vida real avaliando o T2T em uma população não selecionada, diferente das contempladas nos estudos prévios.

Leia também: Artrite reumatoide: Imunossupressão e risco após procedimentos cirúrgicos

Idosos passam por treat-to-target na artrite reumatoide

Métodos

Esse estudo foi derivado da coorte RA BIODAM (BIOmarkers of joint DAMage), estudo observacional prospectivo, multinacional (10 países), com duração de 2 anos de seguimento, que incluiu pacientes com diagnóstico clínico de AR que preenchessem os critérios classificatórios da EULAR de 2010. Para participar do estudo, o paciente deveria estar em atividade da doença (definida como DAS44 > 2,4) e estar em programação de início de medicamento modificador do curso da doença (DMARD) sintético ou um primeiro anti-TNF. Paciente com uso prévio de biológicos foram excluídos.

O desfecho primário avaliado foi a obtenção de remissão, definida como DAS44-VHS < 1,6. Outras definições de remissão também foram utilizadas nas análises secundárias, a saber: DAS-VHS < 2,6, CDAI <2,8, SDAI < 3,3 ou remissão booleana ACR/EULAR. Os pacientes foram avaliados a cada 3 meses.

Por se tratar de um estudo observacional de vida real, nenhum protocolo foi estabelecido; ou seja, o tratamento ficava à critério do médico assistente. O T2T foi considerado adequado se o paciente estivesse com DAS44-VHS < 1,6 e o tratamento não foi intensificado; ou se o tratamento foi intensificado (aumento de dose ou adição de novo DMARD sintético, biológico ou corticoide) em paciente com DAS44-VHS ≥ 1,6. Na análise de sensibilidade, 3 cenários foram contemplados: (1) T2T sem levar em consideração as doses de corticoide; (2) T2T menos estrito, considerando apenas o valor do DAS44-VHS < 1,6, independente de intensificação do tratamento; e (3) T2T com baixa atividade de doenças (DAS44-VHS < 2,4).

Saiba mais: Artrite reumatoide: quais as diretrizes para avaliação básica antes do início de biológicos?

Resultados

Foram incluídos 571 pacientes (78% do sexo feminino, 78% fator reumatoide e/ou anti-CPP positivos), com média de idade de 56±13 anos e de duração de doença de 6,5±8 anos, sendo que 37% dos pacientes tinham até 2 anos de doença e 48% eram DMARD-naïve.

Do total, cerca de 60% estavam usando apenas DMARD sintéticos, cerca de 35% estavam com DMARD sintético + anti-TNF e apenas cerca de 6% estavam com anti-TNF isolado.

Durante o seguimento, foram registradas 4356 visitas. Em 59% destas, o T2T foi corretamente aplicado (31% com DAS44-VHS < 1,6 sem intensificação do tratamento e 28% com DAS44-VHS ≥ 1,6 com intensificação do tratamento).

Com o passar do tempo, mais pacientes atingiram remissão (24% com remissão no DAS44 e DAS28 e 8% com remissão booleana ACR/EULAR em 3 meses vs. 52% com remissão no DAS44 e DAS28 e 27% com remissão booleana ACR/EULAR em 24 meses).

Com relação ao impacto da estratégia T2T, segui-la de maneira adequada se associou com maior proporção de remissão na remissão booleana ACR/EULAR (OR 1,16 [1,01-1,34]), CDAI (OR 1,29 [1,12-1,49]) e SDAI (OR 1,24 [1,08-1,41]), mas não no DAS44 nem no DAS28. Na análise de sensibilidade, os resultados foram semelhantes. Quando avaliada a baixa atividade de doença, mais pacientes atingiram esse desfecho com o T2T.

Pacientes em estratégia T2T apresentaram maior probabilidade de se manter em remissão sustentada (DAS44-VHS OR 1,19 [1,03-1,39] e remissão booleana ACR/EULAR OR 1,49 [1,24-1,81]).

Comentários e conclusão

A grande importância deste estudo é que ele traz para um cenário de vida real as estratégias T2T utilizadas em ensaios clínicos mais restritivos. Neste caso, foram incluídos muitos pacientes com longo tempo de doença e que não eram DMARD-naïve em sua maioria. Ainda assim, nesse contexto, a estratégia T2T se mostrou superior ao tratamento convencional.

Algumas limitações merecem destaque. O estudo foi observacional e boa parte dos centros envolvidos eram terciários, com reumatologistas bem treinados no tratamento da AR. Ainda assim, em menos de 2/3 dos casos a estratégia foi seguida, mesmo com diversos estudos demonstrando seu benefício. As razões pelas quais o T2T não foi seguido não foram avaliadas. Além disso, foram incluídos apenas pacientes com doença em atividade moderada a alta. Por fim, o estudo não foi desenhado para avaliar o impacto do T2T em cada visita, mas sim no período total de seguimento.

Como conclusão, os autores destacaram que o treat-to-target foi superior ao tratamento convencional na artrite reumatoide para atingir a remissão em um cenário de vida real e que, portanto, os reumatologistas devem ser estimulados a seguir essa estratégia visando melhores desfechos para os pacientes.

Referências bibliográficas:

  • Ramiro SLandewé RBvan der Heijde D, et al. Is treat-to-target really working in rheumatoid arthritis? a longitudinal analysis of a cohort of patients treated in daily practice (RA BIODAM).
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags