Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Como utilizar a musicoterapia no tratamento da depressão?
homem com depressão sentado na escada com um violão

Como utilizar a musicoterapia no tratamento da depressão?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Usar a terapia com música é usar um artifício para manusear o cérebro sem tocá-lo. Seja música clássica, funk, rock, axé ou até mesmo música de ninar, não importa o gênero, quando a melodia entra pelos ouvidos é um turbilhão de estímulos que se propaga pelos neurônios cerebrais desencadeando reações e emoções, não sendo necessário estudos profundos para perceber os efeitos.

Musicoterapia na depressão

Em alta, manejar o tratamento de depressão requer todo tipo de ajuda, e a musicoterapia se encaixa perfeitamente no arsenal de estratégias na assistência ao paciente triste.

Mas não é simplesmente prescrever que escute a música preferida no rádio de casa que já não existe mais depressão. Se assim fosse, cantores não sofreriam. A terapia vai mais além dos padrões de compreensão consciente da pessoa em tratamento. Não é simplesmente ouvir uma playlist de sucesso, é necessário que as ondas sonoras sejam codificadas, decifradas e armazenadas pelo cérebro.

Portanto, devem ter padrões de frequências sonoras estudadas, harmonizadas e escolhidas para produzirem o efeito necessário em cada caso. Claro, sons e músicas aleatórias também conseguem fazer o efeito, principalmente os da natureza, mas é bem melhor direcionar o tratamento com a técnica terapêutica para um efeito final mais contundente.

Mais do autor: Precisamos dar atenção também aos cuidadores

Justamente, sem buscas prévias poucos saberão que os hertz, a energia do som, ao entrarem pelos ouvidos e atingirem os nervos auditivos desencadeiam sinapses na região do sistema límbico, área a qual é responsável pelas emoções, induzindo a liberação de endorfinas, hormônios que produzem sensações de prazer, satisfação e felicidade, o que efetivamente se encontra ausente ou diminuído dentro de um quadro depressivo.

Na terapia, esses Hertz acabam sendo reproduzidos após definição de intensidade com a interação profissional-paciente onde há percepção por ambos dos estados emocionais, servindo como pontes de comunicação pelas melodias, decifrando muitas vezes sentimentos que estão internalizados e com dificuldades de serem verbalizados, possibilitando assim resultados positivos surpreendentes.

Enfim, dentre várias alternativas de tratamento da depressão, vale a pena também usar a que está entre a escala de Sol e as escaladas por sorrisos. Ao lidar com depressões e tristezas, não tenha medo ou , não RElute, MIre adiante, FAça o SOL brilhar nos olhos amargurados, e SInta a vibração da vida!

Autor:

Referências bibliográficas:

5 comentários

  1. Avatar
    Daniela Taraschi Ramos

    Ele só esqueceu de mencionar que musicoterapia SÓ pode ser feita por um musicoterapeuta qualificado e que NÃO existe auto aplicação da musicoterapia, pois é um processo terapêutico.

  2. Avatar

    Falar sobre a música é muito bom! Se apropriar da música, é melhor ainda! Ser um profissional especializado, dominador dos efeitos que a música trás, tanto positivos quanto negativos, como utilizar a música, usar a música como início, meio e fim em um atendimento musicoterapêutico é de uso exclusivo do profissional Musicoterapeuta!!! A música é universal?! Sim!
    Gostaria de salientar que o como a musicoterapia pode ajudar no tratamento da depressão vai apresentar variáveis que envolvem um processo de tratamento, assim como em qualquer outra terapia!! Medir, qualificar e quantificar hertz, qualidade da música entre outras especificidades, cabe a um pesquisador ou profissional que estuda música na área acadêmica. Um Musicoterapeuta de atendimentos clínicos e instituições utilizará sim de resultados de pesquisas, mas há algo que este profissional preza: a história, a identidade do paciente. Música “boa” pra mim pode não ser pra você, o que classifico como relaxante, pode não ser pra você! O significado que dou para uma música é diferente que do que você dá! Um Musicoterapeuta identifica, investiga, observa e intervêm de acordo com a realidade apresentada pelo indivíduo em questão!! Mediante tudo isto, peço, por gentileza, que quando quiserem escrever uma matéria sobre qualquer especialidade que seja, musicoterapia, fisioterapia, terapia ocupacional, psicologia, o que for, procure um profissional habilitado. Obrigada!

  3. Avatar

    Musicoterapia com musicoterapeuta. 👍🏼

  4. Avatar

    Caramba, uma riqueza de reflexão/informação como essa, não se acha em qualquer lugar. interessante se pensar mais na partilha de dicas como essas, não buscar críticas às dicas, deixando enrustido nelas o marketing pessoal. Qualquer cidadão em sã consciência sabe que, para tudo, é preciso buscar o profissional habilitado, mas pelas críticas, é preciso avaliar bem antes de procurar (esses habilitados), pensem na disseminação de informações de conteúdo, procurem ler/refletir e entender os textos, antes de emitirem comentários, isso pode ser perigoso.

  5. Avatar
    Michelle de Melo

    Excelente! Cabe ressaltar que para ser musicoterapeuta é necessário ser graduado ou especialista em musicoterapia e estar registrado no órgão de classe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.