Conheça nova diretriz para manejo de transfusão sanguínea

Com o objetivo de orientar a prática clínica de transfusão sanguínea, o Congresso Internacional de Frankfurt definiu uma diretriz. Confira os keypoints:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A transfusão de hemocomponentes é das práticas mais comuns dentro do meio hospitalar, muitas vezes salvadora. Todavia, como qualquer procedimento médico, não é isento de complicações ou mesmo custos, além de haver uma real limitação de recurso relacionada à limitação quanto aos doadores. Portanto, sua realização não deve ser empregada como panaceia e de forma irresponsável.

Curiosamente, apesar de todo o emprego diário, as evidências científicas no tema ainda são escassas na literatura, carecendo de estudos de elevada qualidade gerando resultados porventura conflitantes.

Neste sentido, com o objetivo de orientar cientificamente a prática clínica de hemotransfusão hospitalar peroperatória principalmente, em abril de 2018 em Frankfurt/Main (Alemanha), realizou-se durante dois dias uma conferência internacional contando com a participação de 188 pessoas (33 países, cinco continentes) ligadas às organizações científicas no campo de hemotransfusão, com o objetivo de se definir um consenso quanto a prática em questão.

Leia maisQuando fazer transfusão sanguínea em cuidados paliativos?

O foco da discussão relacionou-se a pacientes adultos (≥ 18 anos), transfusão de concentrado de hemácias, tendo o comitê científico desenvolvido 17 questões no formato PICO (population/intervention/comparison/outcome) divididas entre diagnóstico e tratamento da anemia pré-operatória, efetividade e segurança de limiares restritivos de transfusão de concentrados de hemácias (CH) em diferentes grupos de pacientes e implementação de estratégias de programas de Manejo de Sangue de Pacientes (Patient Blood Management – PBM).

Manejo de transfusão sanguínea

Para tanto, conduziram-se revisões sistemáticas a partir de diversas bases científica entre o período de seu início até janeiro de 2018, com a qualidade dos desfechos dos estudos sendo avaliada pela metodologia GRADE. Revisaram-se 145 estudos (incluindo 41 observacionais e 104 estudos randomizados controlados) em sua maioria (83%) conduzidos nas Américas e Europa, publicados majoritariamente no período entre 1998 a 2018. Desta forma, se estabeleceram as seguintes recomendações:

  • Recomendação 1: Detecção e manejo de anemia pré-operatória – Desde que a anemia pré-operatória está relacionada com efeitos adversos em cirurgia cardíaca e não cardíaca, incluindo sua associação, apesar de no geral baixa, com a mortalidade intra-hospitalar em 30 dias, infarto agudo do miocárdio, acidente vascular sistêmico, complicações do sistema nervoso central, injúria renal aguda, complicações renais; o painel recomenda que sua detecção e manejo devem ser precoces antes da realização de procedimento eletivo maior (recomendação forte, baixo nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 2: Suplementação de ferro – Recomenda-se a suplementação de ferro em anemia ferropriva e pacientes adultos que serão submetidos à cirurgia eletiva, visando a redução da transfusão de CH, devendo a via de administração e formulação do ferro serem individualizadas com base no grau de anemia, tempo restante até a cirurgia e habilidade do paciente de absorver e tolerar o ferro oral (recomendação condicional, moderado nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 3: Agentes estimulantes de eritropoiese – Recomenda-se que tais agentes não devem ser utilizados de rotina em pacientes adultos com anemia a serem submetidos a cirurgia eletiva, em vista da baixa taxa de efeitos desejáveis e potenciais, porém relevantes, efeitos adversos incluindo eventos tromboembólicos (recomendação condicional, baixo nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 4: Eritropoietinas de curta-ação com suplementação de ferro- Considerar tal estratégia em adultos com Hb < 13g/dL a serem submetidos a cirurgia ortopédica maior, visando reduzir a taxa de hemotransfusão, todavia considerando-se a possibilidade de transfusão de CH, etiologia da anemia e risco de evento tromboembólico individual, na avaliação do possível benefício da estratégia (recomendação condicional, baixo nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 5: Limiar de transfusão de CH na Unidade de Terapia Intensiva – Adotar o limiar restritivo de Hb < 7 g/dL no paciente crítico porém clinicamente estável, reduzindo substancialmente a utilização de CH e não havendo evidência em aumento da sobrevida ou outro efeito desejável no grupo de limiar liberal (recomendação forte, moderado nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 6: Limiar de transfusão de CH em Cirurgia Cardíaca – Adotar o limiar restritivo de Hb < 7.5 g/dL liberal (recomendação forte, moderado nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 7: Limiar de transfusão de CH em Cirurgia para fratura do quadril – Adotar o limiar restritivo de Hb < 8 g/dL liberal em pacientes a serem submetidos a cirurgia do quadril e possuam doença cardiovascular ou outro fator de risco, sendo justificada pelo não comprometimento na mortalidade ou desfechos funcionais (recomendação condicional, moderado nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 8: Limiar de transfusão de CH na Hemorragia digestiva aguda – Adotar o limiar de Hb 7 a 8 g/dL em pacientes hemodinamicamente estáveis, desde que sangramento alto. Não foi possível realizar uma recomendação entre estratégia restritiva x liberal, no entanto a opinião do grupo é de que a Hb somente não deve ser usada isoladamente para definir a necessidade de transfusão de CH no sangramento agudo, devendo-se usar os protocolos e guidelines de transfusão maciça/ hemorragia grave para guiar tais decisões terapêuticas (recomendação condicional, baixo nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 9: Programas de implementação de PBM – Tais programas, focados no paciente, baseados em evidências e de abordagem sistemática de otimização do paciente e transfusão, tem sua implementação recomendada para melhorar a utilização de CH e redução do tempo de internação hospitalar, todavia sem impacto ainda aferido sobre a mortalidade e morbidade (recomendação condicional, baixo nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Recomendação 10: Sistemas de suporte de decisão – O painel endossa o uso de sistemas de eletrônicos/ digitais de suporte de decisão terapêutica para melhorar a adequada utilização de transfusão de CH (recomendação condicional, baixo nível de certeza na evidência dos efeitos)

  • Futuras pesquisas – desenvolveram 12 recomendações de pesquisa para clarificar questões não respondidas nos tópicos referentes ao PBM

As limitações de tal consenso incluem os desafios na interpretação da imprecisão dos desfechos, a necessidade de discussão de se os extremos do intervalo de confiança de um efeito conseguem estimar um significado clínico mais do que olhar apenas para a significância estatística; presença de diversas lacunas na evidência de PBM na literatura, sendo os maiores dados provenientes de países de primeiro mundo; necessidade de dados relacionados a pacientes oncológicos/ hematológicos, pediátricos além de avaliação de transfusão de outros hemoderivados.

Concluindo, os resultados de tal pesquisa indicam que há diversas lacunas no conhecimento relacionado ao manejo de sangue de pacientes, sendo a prática de transfusão atual ainda baseada em baixo nível de evidência, apesar de seu importante emprego diário.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • Mueller MM et col. Patient Blood Management: Recommendations from the 2018 Frankfurt Consensus Conference. JAMA. 2019; 321 (10): 983-997
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades