Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Contato pele a pele fornece muitos benefícios para bebês prematuros
Estudo mostra a importância do contato pele a pele entre bebês e seus pais.

Contato pele a pele fornece muitos benefícios para bebês prematuros

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Recente estudo realizado na Austrália demonstrou benefícios significativos para a função cardíaca e cerebral de um bebê prematuro quando mantido em contato pele a pele com seus pais. Esses resultados estão no artigo Impact of Skin-to-Skin Parent-Infant Care on Preterm Circulatory Physiology, de Sehgal e colaboradores, publicado no Journal of Pediatrics.

Contato com bebês prematuros

Nesse estudo, o objetivo dos pesquisadores foi verificar o impacto do cuidado pele a pele entre pais e bebês na função cardíaca e no fluxo sanguíneo cerebral de prematuros. Foi realizado um estudo prospectivo com 40 bebês prematuros sem suporte ventilatório internados no Monash Medical Centre em Melbourne.

Leia também: Qual a eficácia da oximetria de pulso em neonatos prematuros e a termo?

O desempenho cardíaco e o fluxo sanguíneo cerebral foram avaliados. As avaliações foram realizadas duas horas antes do contato pele a pele e 60 minutos após o contato. Com a criança ainda no colo dos pais e virada em decúbito dorsal.

  • Os bebês tinham 30,5 ± 0,6 semanas de idade gestacional e 1.378 ± 133 g de peso ao nascer;
  • A temperatura axilar não apresentou um aumento significativo durante o contato pele a pele: de 36,7 ± 0,07 °C para 36,9 ± 0,07 °C (P = 0,07);
  • A contratilidade cardíaca [alteração de área fracionária do ventrículo direito (26,5% ± 0,3% versus 27,8% ± 0,4%; P < 0,001) e excursão sistólica do plano do anel tricúspide (0,73 ± 0,03 cm versus 0,77 ± 0,03 cm; P = 0,02)] aumentou significativamente, coincidente com medidas diminuídas da resistência vascular pulmonar;
  • Um aumento no débito cardíaco sistêmico foi associado ao aumento do fluxo sanguíneo cerebral e à redução do índice de resistência da artéria cerebral média (0,81 ± 0,02 versus 0,74 ± 0,02; P = 0,0001).

Mais da autora: Qual é a tendência de sedação em procedimentos ambulatoriais pediátricos?

Conclusões

Os pesquisadores reconheceram certas limitações do estudo. Foi avaliado um número relativamente pequeno de prematuros. Por razões logísticas, não foram realizadas avaliações após o contato pele a pele além de 1 hora, porque alguns pais continuam realizando o contato por um longo período de tempo. Não foram registradas nem a pressão arterial nem a saturação de oxigênio. Por fim, o profissional que realizou o ecocardiograma não estava cego quanto à intervenção nem quanto ao estudo. No entanto, Sehgal e colaboradores concluíram que houve uma melhora significativa. Tanto da função cardíaca quanto do fluxo sanguíneo regional em prematuros após o contato pele a pele.

Para os pesquisadores, os dados desse estudo fornecem uma justificativa científica para uma prática neonatal antiga e disseminada, alinhada a informações sobre estabilidade cardiorrespiratória e ritmo cardíaco alcançados com o contato pele a pele regular.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Sehgal A, et al. Impact of Skin-to-Skin Parent-Infant Care on Preterm Circulatory Physiology, The Journal of Pediatrics. 2020. DOI: 10.1016/j.jpeds.2020.03.041

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.