Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Contraceptivos hormonais e atraso na fertilidade
Contraceptivos hormonais podem gerar atraso na fertilidade?

Contraceptivos hormonais e atraso na fertilidade

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Os métodos anticoncepcionais reversíveis de longa duração (LARC) estão se tornando cada vez mais populares, em virtude disto diversas pesquisas avaliam o uso dos contraceptivos hormonais e fecundabilidade (probabilidade média de gravidez por ciclo menstrual para um casal com relações sexuais frequentes e sem contracepção).

Um recente estudo publicado na The BMJ em novembro de 2020, avaliou a fecundabilidade quanto ao tempo de uso de métodos contraceptivos hormonais e não hormonais. A coorte prospectiva avaliou dados de 3 estudos com uma população total de 17.954 mulheres com idade entre 18 e 49 anos que estavam tentando gestar em centros da Dinamarca e da América do Norte no período de 2007 a 2019, a avaliação era bimestral para avaliar como desfecho a gravidez no período máximo de 12 meses.

Leia também: Uso de preservativos e anticoncepcionais entre estudantes de ensino médio nos Estados Unidos

Método do estudo

Das 17.954 mulheres avaliadas, aproximadamente 6.735 (38%) haviam feito uso de contraceptivos orais recentemente, 2.398 (13%) usaram LARC e 5.497 (31%) métodos de barreira. De toda a população, 10.729 mulheres gestaram sendo 56% nos primeiros seis meses de acompanhamento e 77% em 12 meses.

Saiba mais: Anticoncepcionais orais e risco de câncer: o que as evidências dizem

Todavia, quando comparada a fecundabilidade das usuárias de LARC com as usuárias de métodos de barreira, essas últimas apresentaram maior taxa; Quando avaliado usuárias de métodos contraceptivos injetáveis, estas apresentaram um maior atraso no retorno da fertilidade normal (cinco a oito ciclos menstruais) e menor taxa de fecundabilidade ( 0,65; IC de 95% 0,47 a 0,89) quando comparado com métodos de barreira. Já as usuárias de anticoncepcionais transdérmicos (adesivo) apresentaram um retorno da fertilidade normal após quatro ciclos, contraceptivos orais e anel vaginal dois ciclos, e por fim usuárias de dispositivos intrauterinos (DIU) e implantes hormonais apresentaram o menor tempo para retorno da fertilidade fisiológica, dois ciclos.

Conclusão

Diante das evidencias do estudo, pode-se concluir que o uso de contraceptivos injetáveis promovem prováveis efeitos no organismo feminino postergando o retorno da fertilidade após a suspensão do método, todavia vale salientar que o estudo não correlacionou o tempo de uso dos métodos com os resultados, podendo ser um viés do estudo. Desse modo, é fundamental conversar com a paciente e avaliar o planejamento familiar para escolha do melhor método contraceptivo.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Yland JJ, et al. Pregravid contraceptive use and fecundability: prospective cohort study. BMJ 2020;371. doi:10.1136/bmj.m3966

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.