Ginecologia e Obstetrícia

Descoberto novo mecanismo fisiopatológico da pré-eclâmpsia

Tempo de leitura: 3 min.

A pré-eclâmpsia é clinicamente caracterizada na segunda metade da gravidez por novo início de hipertensão associado à proteinúria ou disfunção orgânica materna, ou disfunção útero-placentária. A prevalência da doença é 4-5% nas gestações e é uma das principais causas de morbidade e mortalidade materna e fetal no mundo inteiro, frequentemente complicando com a restrição do crescimento fetal e prematuridade.

Além disso pré-eclâmpsia é considerada também um sinal de alerta a longo prazo para doença cardiovascular (DCV) mais tarde na vida da mulher. Os mecanismos fisiopatológicos são incansavelmente estudados há anos, mas ainda não são totalmente esclarecidos.

Leia também: Síndrome pré-eclâmpsia-like induzida por Covid-19

Novas evidências

Um estudo norueguês, publicado na revista americana Frontiers no fim de 2020, pesquisou um novo elo de associação entre as fisiopatologias da DCV e da pré eclampsia: a ativação do inflamassoma de NLRP3 mediada por cristais de colesterol.

O estudo teve como objetivo primário investigar o acúmulo de cristais de colesterol e a expressão do inflamassoma NLRP3 por células maternas e fetais na decídua da parede uterina de gestações normais e de gestações pré-eclâmpticas com e sem restrição de crescimento fetal.

Primeiro trabalho a revelar a presença de cristais de colesterol na interface materno-fetal na decídua da parede uterina

Observou-se uma resposta do inflamassoma de NLRP3 mediada por cristais de colesterol como um importante mecanismo inflamatório associado à interação materno-fetal na decídua da parede uterina na gravidez.

Os cristais de colesterol foram detectados em grande quantidade na decídua, e a expressão da via inflamatória NLRP3 mostrou ser um dos pontos centrais para interação próxima entre trofoblastos do bebê e leucócitos maternos. Tanto os trofoblastos quanto os leucócitos são equipados com receptores que permitem a captação de colesterol.

Saiba mais: Avaliação cardíaca materna nas semanas 35 a 37 melhora a previsão de pré-eclâmpsia?

Além disso, foi observada a formação de placas de ateroma nas artérias uterinas, uma malformação vascular que lembra a aterosclerose em estágio inicial.

Cristais de colesterol em regiões específicas da decídua

O trabalho observou que as células contendo cristais de colesterol pareciam agregadas no tecido decídua, em vez de dispersas aleatoriamente, sugerindo que a inflamação mediada por cristais de colesterol pode estar localizada em regiões específicas da decídua.

A pré-eclâmpsia com crescimento fetal normal foi associada à expressão aumentada de NLRP3, particularmente em áreas deciduais de interação materno-fetal próxima, sugerindo que esse perfil pró-inflamatório aumentado desempenha um papel em estágios mais finais da patologia da pré-eclâmpsia.

A identificação de cristais de colesterol decidual e expressão aumentada de inflamassoma de NLRP3 decidual em pré-eclâmpsia com crescimento fetal normal confirma ainda mais a ligação fisiopatológica entre pré-eclâmpsia e DCV.

Conclusão

Este estudo elucidou um novo mecanismo fisiopatológico envolvido na pré-eclampsia e que a investigação combinada de mecanismos patológicos específicos de células nos dois locais da interface materno-fetal pode fornecer um conhecimento mais abrangente da regulação e importância da comunicação materno-fetal.

Estatinas e anti-inflamatórios na pré eclampsia

A pravastatina, usada para tratamento de dislipidemia e prevenção de DCV, é um possível candidato para tratar e prevenir a pré-eclâmpsia. As estatinas podem melhorar as principais respostas patológicas envolvidas na pré-eclâmpsia, incluindo a inibição da liberação de sFlt-1 e redução da inflamação e estresse oxidativo. Além do mais, podem inibir a formação e melhorar a solubilidade dos cristais de colesterol em placas ateroscleróticas.

É necessária investigação adicional para demonstrar se um efeito positivo da pravastatina na pré-eclâmpsia pode envolver a remoção de cristais de colesterol nessa interface materno-fetal.

Por último, cada vez mais surgem evidências que apoiam os benefícios dos anti-inflamatórios que agem especificamente no inflamassoma NLRP3, porém, se eles são seguros para gravidez e eficazes na pré-eclâmpsia, isso ainda precisa ser determinado.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Brettas SG, Marijn GL, Johnsen RJ, Sannerud SG, Boon MS, Josefin TA, Bjørnar S, Mattijs E, Karin C, Line B, Hjelmseth AM, Vestrheim TLC, Ann-Charlotte I. Cholesterol Crystals and NLRP3 Mediated Inflammation in the Uterine Wall Decidua in Normal and Preeclamptic Pregnancies. Frontiers in Immunology. 2020 Oct 8;11:564712. doi: 3389/fimmu.2020.564712
Compartilhar
Publicado por
Juliana Olivieri

Posts recentes

A classe de anti-hipertensivo interfere nos níveis de PA pré-cirurgia?

Pacientes com hipertensão arterial sistêmica têm maior risco de eventos cardiovasculares com maior chance de…

2 horas atrás

Efeito da época da infecção materna por SARS-CoV-2 nos desfechos nascituros

Um estudo avaliou gestantes não vacinadas para Covid de forma multicêntrica para pesquisar os desfechos…

6 horas atrás

20 de janeiro – Dia Nacional da Parteira Tradicional

O dia 20 de janeiro é considerado o Dia Nacional da Parteira Tradicional, em homenagem…

8 horas atrás

Casos de diabetes no Brasil aumentam 26,61% em dez anos, revela levantamento

Nos últimos dez anos houve um aumento de 26,61% no número de casos de diabetes…

8 horas atrás

Mão-pé-boca: doença do verão

No verão, o número de casos de crianças com a doença mão-pé-boca aumenta. O blog…

22 horas atrás

Sobrecarga médica no cenário atual da Covid-19

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, confira sobre o cenário atual da Covid-19…

23 horas atrás