Home / Cardiologia / Desfechos cardiovasculares da junção de um inibidor SGLT2 e um agonista GLP-1

Desfechos cardiovasculares da junção de um inibidor SGLT2 e um agonista GLP-1

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Os agonistas GLP-1 e os inibidores SGLT2 foram os primeiros antidiabéticos capazes de reduzir desfechos cardiovasculares. Entretanto, pouco se sabe sobre o uso concomitante dessas drogas. Um estudo norte americano avaliou dados de pacientes que introduziram inibidores SGLT2 ou sulfoniureias aos agonistas GLP-1 para então compará-los e analisar os resultados. O estudo abrangeu o período de 2013 a 2018.

Leia também: Inibidores de SGLT2 e cetoacidose diabética: uma relação delicada

Desfechos cardiovasculares da junção de um inibidor SGLT2 e um agonista GLP-1

Características do estudo

Foram 12.584 participantes com idade média de 58 anos, sendo que 48% eram homens. O desfecho primário era comporto por um conjunto de evento cardiovascular, AVC, IAM e morte por todas as causas, além de hospitalização por IC avaliada separadamente. Foram 107 eventos cardiovasculares em pacientes com GLP-1 e inibidores SGLT2 em comparação a 129 do outro grupo (RR 0,76 (95% IC, 0,59-0,98)). Em relação a infarto e mortalidade por todas as causas, também houve vantagem no grupo que recebeu SGLT2 (RR, 0,71; 95% IC, 0,51-1,003) e (RR, 0,68; 95% IC, 0,40-1,14) respectivamente), mas não para AVC (RR, 1,05; 95% IC, 0,62-1,79). Em relação a hospitalização por IC foram 141 casos no grupo do GLP-1 e inibidores SGLT2 em comparação a 206 casos no grupo das sulfoniureias (RR, 0,65 (95% IC, 0,50-0,82).

Resultados

No estudo houve grande benefício em juntar as duas classes de medicamentos (GLP-1 e inibidores SGLT2) em relação as sulfoniureias. Fatores confundidores não puderam ser totalmente excluídos, principalmente pela falta de randomização, e cada classe de medicamentos pode ter uma magnitude de efeito diferente quando avaliada individualmente. Entretanto, o estudo, por ser um coorte de mundo real, traz um resultado positivo que já era esperado, uma vez que em estudos controlados as duas drogas, tanto agonistas GLP-1 quanto inibidores SGLT 2, mostraram redução importante de desfechos cardiovasculares.

Saiba mais: Uso de insulina para tratamento do diabetes tipo 2 mal controlado em 2020

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Dave CV, Kim SC, et al.  Risk of Cardiovascular Outcomes in Type 2 Diabetes Patients Following Addition of SGLT2 Inhibitors Versus Sulfonylureas to Baseline GLP-IRA Therapy. Circulation. 2020 Dec. doi: 1161/CIRCULATIONAHA.120.047965

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.