Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Devemos solicitar teste genético para mutações germinativas para portadores de tumores sólidos?
Teste genético pode ser importante para rastreio de câncer

Devemos solicitar teste genético para mutações germinativas para portadores de tumores sólidos?

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Fatores hereditários são parte importante do desenvolvimento de vários cânceres. A identificação de predisposição germinativa, através de teste genético, pode ter implicações relevantes na tomada de decisão de tratamentos, intervenções redutoras de risco, no rastreamento dos diferentes tipos de câncer e na testagem de familiares.

Um novo estudo publicado no JAMA Oncology descobriu que 1 em cada 8 pacientes com câncer tem uma mutação genética associada ao câncer hereditário. O objetivo era examinar a prevalência de variantes germinativas patogênicas (VGPs) em pacientes com diagnóstico de câncer, usando uma testagem generalizada e comparar com diretrizes clínicas habituais para testagem e também a aderência do teste genético por parte de familiares.

Leia também: A origem de metástases em pacientes com câncer pode ser genética?

Método do estudo

O estudo INTERCEPT (Interrogating Cancer Etiology Using Proactive Genetic Testing) foi prospectivo, multicêntrico (vários centros da Mayo Clinic) e incluiu pacientes entre 01/2018 e 03/2020. Pacientes não foram selecionados por tipo de câncer, estadiamento, história familiar, idade ou etnia. Os pacientes receberam o teste da InvitaeÔ, um painel de > 80 genes para cerca de 3.000 pacientes com um amplo espectro de tipos de tumores sólidos. Este teste (comercialmente disponível) custa cerca de 250 dólares americanos e já é indicado por muitos oncologistas brasileiros, que enviam kits após coleta de saliva com uma logística acessível a um custo adicional.

A mediana de idade era de 61 anos, sendo 53% homens. VGPs foram encontradas em 397 (13%) pacientes, incluindo 282 casos com genes de moderada ou alta penetrância. Variantes de Significado Incerto (VSIs) foram encontradas em 1.415 pacientes, cerca de 47% do total. Para aqueles com genes de alta penetrância, 42 (28%) tiveram modificações no seu tratamento baseado nestes achados. Apenas 70 pacientes (17,6%) daqueles portadores de VGPs tiveram familiares que aderiram à testagem “em cascata” apesar de não haver custo para os mesmos.

Saiba mais: Genética e estilo de vida: como construir uma longevidade saudável

Diretrizes para testagem são importantes, mas o fato é que nesta coorte, metade dos pacientes com mutações hereditárias não seriam considerados para testagem pelo NCCN (48% para ser mais preciso).

O estudo INTERCEPT também descobriu que há que se aumentar a recomendação para testagem dos familiares, pois mais de 80% das famílias com uma mutação patogênica não tiveram acesso ao teste genético.

Limitações e conclusão

O alto índice de VSIs pode ser uma limitação do estudo, pois frequentemente essas variantes não verdadeiramente patogênicas podem induzir a incorreta interpretação dos resultados, gerando procedimentos invasivos desnecessários e cirurgias profiláticas inapropriadas e com alta morbidade. A falta de um seguimento de longo prazo para avaliarmos o impacto na morbimortalidade após as terapias indicadas é outra limitação do INTERCEPT. Uma vez portador de uma VGP, é fundamental não “terceirizar” ao paciente a tarefa de fazer o convencimento e o aconselhamento de seus familiares, isso é tarefa do onco-geneticista! Apesar da Mayo Clinic ter centros em diferentes estados americanos, essa população pode não refletir a de outras partes dos EUA e do mundo.

Apesar das limitações, o estudo apoia a testagem germinativa para todos os pacientes (ou pelo menos uma ampliação da testagem), com o objetivo de melhor orientar o tratamento e porque não dizer, o cuidado da saúde de seus familiares.

Pode ser uma oportunidade única para “mudar a história” de muitas pessoas. Os testes genéticos são subutilizados no cuidado desses pacientes e de seus familiares. Pensemos nisso.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Jewel Samadder NJ, Riegert-Johnson D, Boardman L, et al. Comparison of Universal Genetic Testing vs Guideline-Directed Targeted Testing for Patients With Hereditary Cancer Syndrome; JAMA Oncol. doi:10.1001/jamaoncol.2020.6252 Published online October 30, 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.