Devo suspender os IECA e os BRA em pacientes com Covid-19?

Essa pergunta tem dado nós nas cabeças de muitos médicos ao longo da atual pandemia, já que a Covid-19 causa infecções graves em idosos e cardiopatas.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Essa pergunta tem dado nós nas cabeças de muitos médicos ao longo da atual pandemia. Já é sabido que o novo coronavírus (SARS-CoV-2) causa infecções particularmente graves em duas condições especiais: idosos e pacientes portadores de comorbidades. Sem contar, é claro, que frequentemente essas duas condições acontecem simultaneamente.

Dentre as comorbidades relatadas como fatores de risco, a hipertensão arterial sistêmica (HAS) é provavelmente uma das mais comuns. Muitos desses pacientes usam inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA) e bloqueadores dos receptores de angiotensina (BRA) como tratamento anti-hipertensivo.

E é aí que a pergunta do título surgiu. Sabe-se que o SARS-CoV-2, assim como seu antecessor (o vírus da síndrome respiratória aguda grave, SARS-CoV), usa a enzima conversora de angiotensina 2 (ECA-2) como meio para infectar células-alvo. Essa enzima, ao contrário da ECA-1, tem função de inibir o sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) e sua produção é estimulada pelo uso de IECA e BRA.

Logo, surge a dúvida: usar esses medicamentos poderia ser uma forma de facilitar a infecção viral?

No começo da pandemia, atentando-se para esse possível elo fisiopatológico, vários estudiosos sugeriram que, talvez, o uso dos bloqueadores do SRAA seria justamente o responsável pela má evolução de pacientes hipertensos infectados com o novo coronavírus. Tanto que, em alguns locais, a suspensão do uso dessas classes de medicamentos chegou a ser sugerida como profilaxia para formas graves da Covid-19.

Para tentar esclarecer melhor essa dúvida, o New England Journal of Medicine publicou um artigo de revisão no último dia 31. É importante lembrar que estudos envolvendo do SARS-CoV-2 ainda são muito escassos, no momento, e as evidências vêm mudando diariamente. Porém, o artigo em questão ajuda a tomar decisões quando o dilema “suspendo ou não os IECA e BRA?” surgir no dia a dia.

médico prescrevendo medicamento durante pandemia de covid-19

Bloqueadores do SRAA e a ECA-2 e Covid-19

A enzima ECA-2 é amplamente distribuída pelos diferentes sistemas e existe tanto na forma solúvel quanto na forma fixa, ligada à membrana plasmática de células alvo (essa última é a forma clinicamente mais relevante). Sua função é degradar a angiotensina II, contrarregulando a ativação do SRAA e, com isso, diminuindo seus efeitos de vasoconstrição, retenção de sódio e fibrose tecidual. O próprio pulmão possui seus exemplares de ECA-2 tecidual.

Por mais que, em geral, espera-se que IECA e BRA sejam capazes de aumentar a expressão de ECA-2, as evidências nesse sentido ainda são poucas e incertas. Estudos tanto com animais quanto humanos têm mostrado, inclusive, resultados conflitantes nesse aspecto.

Alguns estudos com captopril, por exemplo, não mostraram nenhuma alteração nos níveis séricos dos produtos da ECA-2 após o uso inicial do medicamento. Entretanto, após o uso continuado por 6 meses, esses mesmos produtos encontravam-se em maior quantidade do soro, sugerindo maior atividade da ECA-2.

Ouça também: Coronavírus e hipertensão: é necessário suspender BRA e IECA nesses pacientes? [podcast]

Um estudo japonês com pacientes hipertensos mostrou que os níveis urinários de ECA-2 (e, por extensão, os níveis séricos e teciduais também) aumentavam após o uso a longo prazo de olmesartana (o que não era observado em pacientes-controle). Porém, o mesmo efeito não ocorreu no uso de enalapril ou outros BRA.

Em outras pesquisas, os níveis de RNA correspondente à ECA-2 estavam aumentados no intestino de indivíduos com uso prévio de IECA, porém o mesmo não foi observado em quem usava BRA. Além disso, não existem estudos sobre bloqueadores do SRAA e a atividade pulmonar da ECA-2.

O que esses estudos mostram é que os estudos in vitro e com animais, relativos a esse possível efeito biológico dos IECA/BRA, não podem mesmo ser extrapolados para os efeitos em humanos e que a cascata do SRAA é mais complexa do inicialmente se imaginava. Da mesma forma, os efeitos sobre a ECA-2 claramente variam entre IECA e BRA e mesmo entre medicamentos de uma mesma classe farmacológica, não sendo possível tirar conclusões mais gerais.

Além disso, não há pesquisas que sustentem a hipótese de que o aumento na expressão e atividade da ECA-2, através do uso desses medicamentos, facilitaria a infecção pelo SARS-CoV-2.

Os IECA e BRA podem ter benefícios na Covid-19?

Apesar de o raciocínio mais intuitivo nos levar a concluir, então, que o uso de inibidores do SRAA pode deixar a pessoa mais vulnerável ao coronavírus, outros mecanismos fisiopatológicos dizem o contrário.

Algo que foi observado sobre o SARS-CoV, e também sobre o SARS-CoV-2, é que a infecção viral leva, em um segundo momento, à queda na atividade da ECA-2. Muitos estudiosos sugerem, inclusive, que esse seja um dos principais mecanismos de agressão tecidual dos vírus: uma vez inibida a ECA-2, o SRAA sairia do controle e os níveis excessivos de angiotensina II desencadeariam lesões teciduais tanto a nível local quanto sistêmico.

No pulmão, especificamente, a hiperatividade da angiotensina II facilita a infiltração tecidual e a penetração de toxinas bacterianas no tecido. Em estudos com lesão pulmonar aguda induzida pelas proteínas do SARS-CoV-1, por exemplo, o grau de inflamação tecidual foi atenuado pelo uso de bloqueadores do SRAA.

Já estudos com portadores da própria Covid-19 mostraram que esses pacientes têm níveis séricos de angiotensina II aumentados e, em estudos pré-clínicos, a administração de ECA-2 recombinante aparentemente reduziu os efeitos pulmonares devastadores dessa e de outras infecções virais.

Leia também: Covid-19: modulação de ACE2 pode explicar a origem dos efeitos extrapulmonares?

Além disso, é claro o efeito da Covid-19 sobre a hemodinâmica pulmonar. Muitos pacientes apresentam níveis de enzimas cardíacas aumentados e sabe-se que muitos vírus são, de fato, cardiotrópicos. Independentemente da ação direta do vírus sobre o miocárdio, quantidades excessivas de angiotensina II circulante são cardiotóxicas e o uso de IECA/BRA nos casos de miocardite viral aguda é um importante elemento para controlar as sequelas cardíacas que se tornam, futuramente, insuficiência cardíaca crônica.

Todas essas evidências têm estimulado pesquisadores a estudar o possível uso de ECA-2 recombinante como forma de tratar e prevenir formas graves da Covid-19.

Devo ou não suspender IECA/BRA em pacientes com Covid-19?

Pesando todas essas evidências, chegamos à seguinte conclusão: o uso dos IECA/BRA não parece agravar o quadro clínico de pacientes com Covid-19 (pelo menos, não há evidências comprovando que essas drogas aumentariam a capacidade de infecção do vírus). Ao mesmo tempo, a falência hemodinâmica e lesões teciduais, inclusive cardíacas, secundárias à hiperativação do SRAA parecem ser elementos centrais na fisiopatologia da infecção grave pelo SARS-CoV-2.

Em outras palavras, o efeito protetor dos inibidores de SRAA parecem sobrepor, pelo menos por enquanto, os riscos associados a seu uso no contexto da Covid-19.

Isso não é evidência suficiente para sugerir a prescrição desses medicamentos para esses pacientes. Porém, é evidência o suficiente para manter o uso em pacientes que tomavam essas medicações antes, em especial naqueles portadores de insuficiência cardíaca.

Pacientes que usam IECA/BRA para hipertensão toleram melhor a suspensão desses fármacos, apesar de ser clinicamente difícil substituí-los por outras classes de anti-hipertensivos (especialmente no cenário ambulatorial). Os portadores de insuficiência cardíaca, ao contrário, demonstram descompensação clínica evidente na suspensão desses medicamentes, inclusive em pacientes infectados pelo SARS-CoV-2 (o que pode ser potencialmente fatal).

Logo, é importante lembrar que, em períodos de incertezas como esse, vale a pena continuar seguindo o que é consolidado por evidências, a despeito do que ainda é apenas hipótese.

Quer receber diariamente as principais atualizações sobre a pandemia? Inscreva-se aqui!

Referências bibliográficas:

  • VADUGANATHAN, Muthiah; VARDENY, Orly; MICHEL, Thomas; MCMURRAY, John J.v.; PFEFFER, Marc A.; SOLOMON, Scott D.. Renin–Angiotensin–Aldosterone System Inhibitors in Patients with Covid-19. New England Journal Of Medicine, [s.l.], p.1-7, 30 mar. 2020. Massachusetts Medical Society. http://dx.doi.org/10.1056/nejmsr2005760.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão