Diabetes: canagliflozina é aprovada para reduzir risco cardiovascular - PEBMED

Diabetes: canagliflozina é aprovada para reduzir risco cardiovascular

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minuto.

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou a canagliflozina, um antidiabético oral inibidor da SGLT-2, para reduzir o risco de eventos cardiovasculares adversos, incluindo infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral ou morte por causa cardiovascular em adultos com diabetes tipo 2 (DM2), que tenham doença cardiovascular estabelecida. A fabricante anunciou a notícia, destacando que este seria o único medicamento oral para diabetes com esta indicação.

O programa CANVAS avaliou o efeito da canaglifozina no risco cardiovascular em uma população ampla de mais de 10 mil adultos com diabetes tipo 2 que apresentavam doença cardiovascular ou apresentavam algum risco para tal. No geral, o tratamento, em comparação com placebo, reduziu em 14% o risco combinado de infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e morte cardiovasclar. Em pacientes com doença CV estabelecida, o tratamento com canaglifozina reduziu o risco dos desfechos em 18% em comparação ao placebo.

Leia mais: Diabetes: acarbose previne desenvolvimento de eventos cardiovasculares

Outro medicamento para diabetes tipo 2, o liraglutide, tem uma indicação aprovada pela FDA para reduzir o risco de infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e morte cardiovascular, mas não é um inibidor do SGLT2 e é tomado por injeção, não por via oral.

Como outros inibidores do SGLT2, a canagliflozina pode aumentar o risco de amputações dos membros inferiores. A FDA adicionou um aviso na bula da canagliflozina no ano passado.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar