Diabetes tipo 2: semaglutida oral e resultados cardiovasculares

Diversos estudos estão sendo feitos e divulgados para avaliar a segurança do uso de semaglutida oral em pacientes com diabetes tipo 2.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Diversos estudos estão sendo feitos e divulgados para avaliar a segurança do uso de semaglutida oral (agonista do receptor do peptídeo 1) em pacientes com diabetes tipo 2. Sabemos que é importante estabelecer a segurança cardiovascular de novas terapias para o diabetes, pois a doença cardiovascular é a causa mais comum de incapacidade e morte nesses pacientes.

O estudo PIONEER 4, publicado em agosto no The New England Journal of Medicine e apresentado na reunião da American Diabetes Association (ADA), mostra que o primeiro agonista oral dos receptores GLP-1 tem efeitos similares aos do agonista dos receptores GLP-1 injetável mais utilizado, o perfil de risco cardiovascular da semaglutida oral não foi inferior ao do placebo, nenhum risco cardiovascular (CV) foi verificado.

A semaglutida oral tem um perfil de segurança cardiovascular semelhante ao observado anteriormente com a forma injetável (Ozempic) em pacientes com diabetes tipo 2. O estudo foi feito em mais de 3.000 pacientes idosos com alto risco de doença cardiovascular, 3,8% dos indivíduos em semaglutida oral e 4,8% em um grupo placebo sofreram morte por causas cardiovasculares, infarto do miocárdio não fatal ou acidente vascular cerebral não fatal (taxa de risco 0,79, IC95% 0,57- 1,11, P <0,0001 para a não inferioridade).

Ao eliminar a barreira da injeção, a semaglutida oral tem potencial para uso no tratamento do diabetes tipo 2, inclusive em pacientes de alto risco com doença cardiovascular e doença renal crônica.

Outro estudo de segurança foi publicado no The Lancet comprovando que a segurança, incluindo a segurança renal, foi consistente com a classe agonista do receptor GLP-1 em pacientes com diabetes tipo 2 e insuficiência renal moderada, potencialmente fornecendo uma nova opção de tratamento para essa população.

eletrocardiograma com resultados cardiológicos de semaglutida para diabetes

Métodos do estudo PIONEER 4

Foram avaliados os desfechos cardiovasculares da semaglutida oral uma vez ao dia em um estudo randomizado, duplo-cego e controlado por eventos, envolvendo pacientes com alto risco cardiovascular (idade de ≥50 anos com doença renal crônica ou cardiovascular ou estabelecida ou idade ≥ 60 anos apenas com fatores de risco cardiovascular).

Leia mais: Semaglutida oral é aprovado para diabetes tipo 2 em adultos

O desfecho primário em uma análise de tempo até o evento foi a primeira ocorrência de um evento cardiovascular adverso maior (morte por causas cardiovasculares, infarto do miocárdio não fatal ou derrame não fatal). O estudo foi projetado para descartar um excesso de risco cardiovascular de 80% em comparação com o placebo (margem de não inferioridade de 1,8 para o limite superior do intervalo de confiança de 95% para a taxa de risco para o desfecho primário).

Resultados

Um total de 3183 pacientes foram aleatoriamente designados para receber semaglutida oral ou placebo. A idade média dos pacientes foi de 66 anos; 2695 pacientes (84,7%) tinham 50 anos ou mais e apresentavam doença renal cardiovascular ou crônica. O tempo médio no julgamento foi de 15,9 meses. Os principais eventos cardiovasculares adversos ocorreram em 61 de 1591 pacientes (3,8%) no grupo semaglutida oral e 76 de 1592 (4,8%) no grupo placebo (taxa de risco de 0,79; intervalo de confiança de 95% [IC], 0,57 a 1,11; P <0,001 para não inferioridade).

Os resultados para os componentes do desfecho primário foram: morte por causas cardiovasculares, 15 de 1591 pacientes (0,9%) no grupo semaglutida oral e 30 de 1592 (1,9%) no grupo placebo (taxa de risco de 0,49; IC 95% 0,27 a 0,92); infarto do miocárdio não fatal, 37 de 1591 pacientes (2,3%) e 31 de 1592 (1,9%), respectivamente (taxa de risco de 1,18; IC 95%, 0,73 a 1,90); e AVC não fatal, 12 de 1591 pacientes (0,8%) e 16 de 1592 (1,0%), respectivamente (taxa de risco, 0,74; IC 95%, 0,35 a 1,57).

A morte por qualquer causa ocorreu em 23 de 1591 pacientes (1,4%) no grupo semaglutida oral e 45 de 1592 (2,8%) no grupo placebo (taxa de risco de 0,51; IC 95%, 0,31 a 0,84). Eventos adversos gastrointestinais que levaram à descontinuação da semaglutida oral ou placebo foram mais comuns com o semaglutida oral.

Leia também: ESC 2019: dapaglifozina reduz mortalidade na IC mesmo sem diabetes

Notas:

  • O medicamento semaglutida age no organismo estimulando a secreção de insulina pelo pâncreas e é comumente usada em injeções subcutâneas aplicadas com uma espécie de caneta forma injetável;
  • Durante um uso relativamente curto, a semaglutida oral foi segura, de uma perspectiva cardiovascular, caso receba a aprovação da FDA (a forma injetável já é aprovada), provavelmente custará caro; o preço à vista da fórmula injetável se aproxima de US$ 10.000 anualmente;
  • A semaglutida oral melhorou os níveis de hemoglobina glicada em relação ao placebo, embora os autores observaram que o estudo PIONEER 6 não foi projetado para avaliar sua eficácia;
  • Os efeitos colaterais mais comuns no PIONEER 6 foram gastrointestinais as taxas de eventos adversos graves, no entanto, foram semelhantes entre semaglutida e placebo (2,6% vs 3,0%, respectivamente). O evento adverso mais comum foi náusea, essa pode ser uma vantagem da formulação injetável, uma vez que pode ser titulada muito lentamente para eliminar essencialmente náuseas como efeito colateral, enquanto a formulação oral não pode;
  • A previsão da chegada ao Brasil é 2021;
  • Esses estudos são apoiados pela empresa farmacêutica Novo Nordisk.

Tenha a melhor abordagem para diabetes na palma da sua mão! Baixe grátis o Whitebook, maior aplicativo médico do Brasil!

Referências bibliográficas:

  • Husain M, et al. Oral Semaglutide and Cardiovascular Outcomes in Patients with Type 2 Diabetes. N Engl J Med. 2019 Aug 29;381(9):841-851. doi: 10.1056/NEJMoa1901118;
  • Mosenzon O, et al. Efficacy and safety of oral semaglutide in patients with type 2 diabetes and moderate renal impairment (PIONEER 5): a placebo-controlled, randomised, phase 3a trial. Lancet Diabetes Endocrinol. 2019 Jul;7(7):515-527. doi: 10.1016/S2213-8587(19)30192-5.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão