Home / Clínica Médica / Doença de Haff: novos casos são diagnosticados no Brasil

Doença de Haff: novos casos são diagnosticados no Brasil

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Em novembro de 2020, comentamos aqui no Portal sobre casos de doença de Haff, que ocorreram na Bahia. Na última semana, mais dois casos foram diagnosticados em Recife, além disso, outros cinco casos estão em investigação em Pernambuco.

Doença de Haff: novos casos são diagnosticados no Brasil

Doença de Haff

A doença de Haff é um tipo de rabdomiólise humana caracterizada pelo início repentino de rigidez muscular inexplicada e um nível elevado de creatina quinase sérica (CPK) dentro de 24 horas após o consumo de certos tipos de peixes.

Nos casos diagnosticados em Recife, duas irmãs foram internadas em hospital particular, no dia 18 de fevereiro de 2021, horas após almoço, que tinha no cardápio o peixe arabaiana, também conhecido como “olho de boi”, sendo que uma delas veio a óbito no último dia dois de março. Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou no dia 22 de fevereiro de 2021 que “foi notificada, pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) do Recife, de cinco casos de mialgia aguda, suspeitos para doença de Haff”.

Leia também: Saiba como realizar avaliação e manejo da rabdomiólise

Surtos semelhantes de doença de Haff ocorreram em muitos países desde a sua identificação inicial. Os pacientes identificados consumiram vários tipos de peixes cozidos ou outros produtos aquáticos, incluindo estes citados na literatura: burbot (L. lota), peixe búfalo (Ictiobus cyprinellus), lagostim (Procambarus clarkii), Salmão do Atlântico (Salmo salar) e o nosso querido tambaqui (Colossoma macropomum). A causa específica da doença de Haff permanece obscura.

Diagnóstico e tratamento

Geralmente o paciente apresenta com mialgia súbita, astenia, parestesia de membros inferiores, podendo evoluir com rabdomiólise. Neste caso, podem apresentar insuficiência renal, em que a coloração da urina (marrom escura) é um marcador importante.

Os critérios definidores são:

1)         História de ingestão de peixes 24 horas antes do início dos sintomas

2)         Elevação dos níveis CPK para 5 vezes o valor de referência

3)         Fração CK-MB inferior a 5% da CK total.

O tratamento é basicamente de suporte. Laboratorialmente, recomenda-se acompanhar creatinofosfoquinase (CPK), TGO e monitorização da função renal. Nos casos que evoluem com rabdomiólise, o paciente deve seguir a abordagem já conhecida, sendo rapidamente hidratado durante 48 a 72 horas.

Saiba mais: Dietas: qual tem mais mortalidade por doenças cardiovasculares?

Mensagem prática

  • Novos casos de doença de Haff foram registrados em Pernambuco.
  • É importante conhecer a doença para que o diagnóstico e tratamento não sejam retardados. A história de ingestão de peixe ou outros produtos marinhos é um marco na anamnese.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.