Home / Colunistas / EAP 2021: associação de doença da vesícula biliar e doença celíaca

EAP 2021: associação de doença da vesícula biliar e doença celíaca

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O mau funcionamento da vesícula biliar pode estar associado à doença celíaca em crianças, ocasionando sintomatologia, como dor no quadrante superior direito do abdome. No entanto, uma alteração na vesícula pode também ser um achado incidental na ultrassonografia de rotina.

No European Academy of Pediatrics Congress (EAP 2021), Sandeep Aggarwal e Shallu Aggarwal, pesquisadores de Amritsar, Índia, apresentaram um estudo realizado com o objetivo de se criar consciência sobre a associação da doença da vesícula biliar com doença celíaca em pacientes pediátricos.

médico conversando com mãe sobre vesícula biliar e doença celíaca na criança

Vesícula biliar e doença celíaca

Foram avaliados 23 casos de doença celíaca, cujos diagnósticos foram determinados com o auxílio de anticorpos antitransglutaminase tecidual solicitados para realização de teste de triagem em crianças com uma tríade de anemia, deficiência de crescimento e distúrbio intestinal. Esses diagnósticos foram confirmados por anticorpos antiendomísio e biópsia intestinal. Os exames de rotina também incluíram ultrassonografia abdominal.

Desses 23 pacientes, quatro apresentam cálculos na vesícula biliar, sendo que, em dois casos, os cálculos eram solitários. As outras duas crianças apresentavam cálculos múltiplos. Apenas um paciente sentia dor no quadrante superior direito do abdome e, nos outros três, os achados foram incidentais.

A colecistoquinina (CCK) é o hormônio responsável pela contração da vesícula biliar. A maior quantidade de CCK é produzida no duodeno. A doença celíaca ativa pode causar uma redução da produção duodenal desse hormônio, o que pode diminuir, anormalmente, a contração da vesícula biliar em pacientes celíacos, resultando na produção de cálculos. Dessa forma, o estudo destaca que a ocorrência de cálculos ocorre como resultado da diminuição da produção endógena de CCK e não da falta de responsividade do órgão-alvo.

Conclusões

Esse trabalho é bem pertinente, pois serve de alerta para que o pediatra sempre pense na possibilidade de doença celíaca em crianças com presença de cálculos em vesícula biliar, encontrados em exames para investigação de manifestações clínicas, como dores abdominais, náuseas e vômitos, por exemplo, ou em achados incidentais de exames de rotina.

Veja mais do congresso:

Autora:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar