EAP 2021: qual o papel dos probióticos na dermatite atópica? - PEBMED

EAP 2021: qual o papel dos probióticos na dermatite atópica?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Em palestra realizada no European Academy of Pediatrics Congress (EAP 2021), a Dra Zorica Zivkovic, pediatra e professora de pediatria do Children’s Hospital for Lung Diseases and Tuberculosis, Medical Center Dr. Dragisa Misovic, em Belgrado, Sérvia, falou sobre qual poderia ser o papel dos probióticos na dermatite atópica (DA) em crianças.

médico consultando bebê com propensão a dermatite atópica

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Dermatite atópica

A palestrante destacou que a DA é a desordem inflamatória cutânea mais comum na infância e afeta cerca de 20% dos bebês no início da vida, podendo preceder quadros de rinite e/ou asma. A maioria das crianças com DA apresenta história familiar de atopia. É de grande importância identificar aqueles bebês com alto risco de desenvolver alergias em um estágio inicial para definir estratégias de prevenção e modificação de doenças.

Evidentemente, a forma de intervenção precoce mais confortável e aplicável estaria no microbioma humano. O sistema imune inato de neonatos e lactentes representa o melhor alvo, especialmente através do sistema gastrointestinal. Portanto, segundo a Dra Zivkovic, nós devemos apoiá-lo e aprimorá-lo, desenvolvendo e/ou atualizando o conteúdo microbiano. Dessa forma, ela e sua equipe realizaram um estudo cujo objetivo foi avaliar o efeito da suplementação oral de LGG® (Lactobacillus rhamnosus GG) no desenvolvimento e na gravidade dos sintomas de DA durante um período de dois anos.

Probióticos e dermatite atópica

Foi realizado um estudo de observação controlada da vida real de 96 pacientes, sendo que 52 foram tratados com Lactobacillus rhamnosus combinado com vitamina D3 e zinco, enquanto os demais foram aconselhados a usar apenas tratamento sintomático. Todas as crianças foram encaminhadas para a clínica devido à condição atópica no início da vida e história familiar positiva de alto risco. No início do estudo, o índice Scoring Atopic Dermatitis (SCORAD) foi definido, bem como após 3 e 6 meses de tratamento, respectivamente.

O grupo ativo recebeu a cepa probiótica Lactobacillus rhamnosus 1×1010 cfu/g com 0,01 mg de vitamina D3 e 0,6 mg de zinco juntamente com o tratamento padrão para o período de 90 dias. O grupo controle recebeu apenas tratamento farmacológico padrão, que consistiu no uso de anti-histamínicos e hidratantes tópicos.

Os pacientes foram considerados elegíveis para a inclusão no grupo intervenção de acordo com os seguintes fatores: 1) manifestações clínicas de DA; 2) idade entre 6 meses e 3 anos; 3) história familiar positiva para doenças atópicas, sem uso de anti-histamínicos e de corticoides (sistêmicos e/ou locais) nos 14 dias prévios à inclusão no estudo.

Veja também: Como prevenir dermatite atópica em bebês com até 1 ano?

Os resultados desse estudo mostraram que a formulação de Lactobacillus rhamnosus GG (LGG®) associada a suplementação de zinco e vitamina D3 em lactentes e na primeira infância reduziram a gravidade da DA segundo o sistema de pontuação SCORAD. Dessa forma, com base nesses achados, os pesquisadores recomendam fortemente, para a prática diária, a introdução de suplementação de probióticos, bem como vitamina D3 e zinco em bebês e crianças com DA e história familiar positiva desde o início da vida.

Para a Dra. Zivkovic, a introdução do probiótico LGG provou ser clinicamente eficaz na prevenção e tratamento da DA, podendo ser iniciado no primeiro dia de vida do bebê ou até mesmo no período pré-natal (conforme as manifestações clínicas) por um período de, pelo menos, três meses.

Estamos fazendo a cobertura do EAP 2021; acompanhe com a gente!

Veja mais:

Autora:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um comentário

  1. Olá! Muito interessante! Se tiver como postar o artigo referência, agradeço!
    Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar