Pediatria

EAP 2021: associação de doença da vesícula biliar e doença celíaca

Tempo de leitura: 2 min.

O mau funcionamento da vesícula biliar pode estar associado à doença celíaca em crianças, ocasionando sintomatologia, como dor no quadrante superior direito do abdome. No entanto, uma alteração na vesícula pode também ser um achado incidental na ultrassonografia de rotina.

No European Academy of Pediatrics Congress (EAP 2021), Sandeep Aggarwal e Shallu Aggarwal, pesquisadores de Amritsar, Índia, apresentaram um estudo realizado com o objetivo de se criar consciência sobre a associação da doença da vesícula biliar com doença celíaca em pacientes pediátricos.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Vesícula biliar e doença celíaca

Foram avaliados 23 casos de doença celíaca, cujos diagnósticos foram determinados com o auxílio de anticorpos antitransglutaminase tecidual solicitados para realização de teste de triagem em crianças com uma tríade de anemia, deficiência de crescimento e distúrbio intestinal. Esses diagnósticos foram confirmados por anticorpos antiendomísio e biópsia intestinal. Os exames de rotina também incluíram ultrassonografia abdominal.

Desses 23 pacientes, quatro apresentam cálculos na vesícula biliar, sendo que, em dois casos, os cálculos eram solitários. As outras duas crianças apresentavam cálculos múltiplos. Apenas um paciente sentia dor no quadrante superior direito do abdome e, nos outros três, os achados foram incidentais.

A colecistoquinina (CCK) é o hormônio responsável pela contração da vesícula biliar. A maior quantidade de CCK é produzida no duodeno. A doença celíaca ativa pode causar uma redução da produção duodenal desse hormônio, o que pode diminuir, anormalmente, a contração da vesícula biliar em pacientes celíacos, resultando na produção de cálculos. Dessa forma, o estudo destaca que a ocorrência de cálculos ocorre como resultado da diminuição da produção endógena de CCK e não da falta de responsividade do órgão-alvo.

Conclusões

Esse trabalho é bem pertinente, pois serve de alerta para que o pediatra sempre pense na possibilidade de doença celíaca em crianças com presença de cálculos em vesícula biliar, encontrados em exames para investigação de manifestações clínicas, como dores abdominais, náuseas e vômitos, por exemplo, ou em achados incidentais de exames de rotina.

Veja mais do congresso:

Autora:

Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Transplante de pulmão volta a ser realizado no Rio de Janeiro após 15 anos

Após um período de 15 anos, o estado do Rio de Janeiro voltou a realizar…

8 minutos atrás

Clampeamento tardio do cordão umbilical versus ordenha do cordão umbilical

Já é sabido que o clampeamento tardio do cordão umbilical facilita a transição fisiológica da…

2 horas atrás

Reflexões sobre saúde e sua relação com o avanço da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC)

A PNPIC considera diversos aspectos do indivíduo e o insere no centro da atenção, considerando…

2 horas atrás

Sedação prolongada em pacientes graves com Covid-19: como manejar?

A Covid-19 trouxe maior número de pacientes graves, com necessidade de ventilação mecânica, além de…

3 horas atrás

Migrânea: como identificar e tratar?

Resumo de um artigo recém-publicado na revista científica Nature sobre o diagnóstico e o manejo…

5 horas atrás

Paracoccidioidomicose (PCM) aguda-subaguda em pediatria

Estudo realizado analisou as características clínicas e laboratoriais da paracoccidioidomicose (PCM) aguda-subaguda em pediatria.

6 horas atrás