ENDO 2022: hiperaldosteronismo primário – subdiagnóstico e seu impacto cardiovascular

Trazemos destaque para a palestra da dra. Jun Yang, no ENDO 2022, sobre o hiperaldosteronismo primário, seu subdiagnóstico e impacto.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O ENDO 2022, congresso anual da Endocrine Society, começou hoje, 11/06, abordando diversos temas em áreas como metabolismo e saúde óssea, doenças tireoidianas e da hipófise, diabetes, obesidade, dislipidemia e adrenal, com ênfase em hipertensão endócrina.

Nesta última subespecialidade, trazemos destaque para a palestra da dra. Jun Yang sobre o hiperaldosteronismo primário (HAP). O tema da apresentação foi “silent killers – adrenal”, em alusão a esta doença que é extremamente subdiagnosticada e pode ter um grande impacto em saúde pública pelo aumento do risco de doenças cardiovasculares.

médico conversando com paciente sobre hiperaldosteronismo primário

Hiperaldosteronismo primário

Para contextualizar, a dra. Yang relembra que hipertensão (HAS) é o fator de risco que mais contribui de forma isolada para mortalidade em todo o mundo, sendo diretamente responsável por cerca de 10,9 milhões de óbitos em todo o mundo, em levantamento realizado em 2019. Um em cada três adultos é hipertenso e, destes, estima-se que a prevalência de hiperaldosteronismo primário gire em torno de 10%, apesar do subdiagnóstico.

Leia também: Renina e o diagnóstico de hiperaldosteronismo primário

O hiperaldosteronismo primário é uma condição onde há produção autônoma de aldosterona, sem estímulo da renina, pelas adrenais. Essa situação pode acontecer por hiperplasia adrenal unilateral, bilateral ou por adenomas produtores. O grande problema é que existem receptores de mineralocorticoides não apenas nos rins, onde promovem a retenção de sódio e eliminação de potássio, mas também extrarrenais, promovendo fibrose e inflamação em vasos e no coração, levando a aumento do risco cardiovascular de forma independente da hipertensão.

Maior risco de doenças cardiovasculares independentemente dos níveis pressóricos

A grande questão destacada pela dra. Yang na importância do hiperaldosteronismo primário é que quando comparamos indivíduos com mesmo nível pressórico, porém um com hipertensão essencial e outro com HAP, o risco cardiovascular é diferente, com aumento considerável de eventos no grupo HAP (dados advindos de estudo publicado no Lancet em 2018):

  • Maior risco de síndrome metabólica – OR 1,53;
  • Maior risco de doença arterial coronariana (DAC) – OR 1,77;
  • Maior risco de insuficiência cardíaca (IC) – OR 2,05;
  • Maior risco de AVC – OR 2,58;
  • Maior risco de fibrilação atrial – OR 3,52.

A aldosterona é um hormônio “do mal” quando em excesso, já que mesmo em pacientes com hipertensão essencial, quando a renina está em níveis menores que 15 uUI/mL, associada a aldosterona > 10 ng/dL, o risco cardiovascular parece aumentar.

O fato de que existem tratamentos que comprovadamente reduzem o risco atrelado à doença aumenta ainda mais a necessidade de se atentar a essa condição. Em pacientes com adenomas, existe uma alta chance de cura, sobretudo quando o diagnóstico é feito de forma precoce, e também há chance de redução do risco cardiovascular em pacientes com hiperplasia que são tratados com antagonistas de mineralocorticoides de forma adequada.

Subdiagnóstico “torna” a condição em doença rara

Um paradigma a ser quebrado é o de que o HAP é uma condição rara. Um estudo recente na Itália que rastreou HAP em hipertensos na atenção primária mostrou prevalência de 5,9%, enquanto na China, 4 a 7%. Nos EUA, um estudo que avaliou pacientes com HAS em estágio 1 mostrou prevalência de HAP de 15,7%, enquanto na Austrália, 14%, o que significa que o hiperaldosteronismo pode ser ainda mais comum do que imaginamos.

Em um exercício simples, a dra. Yang considera que na população mundial há cerca de 1,8 bi de hipertensos. Estimando (com base em média de dados de estudos) que cerca de 20% apresentaria rastreio positivo para HAP (256 milhões) e 5% um teste confirmatório positivo, chegaríamos ao diagnóstico de aproximadamente 64 milhões de pacientes que podem ter impacto direto na redução de risco cardiovascular.

Problemas

A doença parece ser subdiagnosticada por uma série de fatores. Um deles é o complexo algoritmo diagnóstico sobretudo para o cenário da atenção primária, onde existe uma série de indicações específicas* para o rastreio. Além disso, a interferência dos anti-hipertensivos em uso e a necessidade de troca ou suspensão de alguns pode dificultar ainda mais a interpretação dos resultados.

Outro fator limitante é a chance de resultados falso negativos do rastreio e também dos testes confirmatórios, além da disponibilidade de cateterismo de veias adrenais para o diagnóstico adequado da causa do HAP (diferenciando adenomas, potencialmente curáveis cirurgicamente, de hiperplasias bilaterais).

*O rastreio de HAP, de acordo com os guidelines atuais da Endocrine Society, deve ser realizado quando paciente for hipertenso e apresentar mais uma condição:

  • HAS resistente ou controlada com quatro anti-hipertensivos;
  • HAS + hipocalemia;
  • HAS + incidentaloma adrenal;
  • HAS + SAHOS;
  • HAS em < 20 anos;
  • HAS + AF de HAP;
  • HAS + AF de HAS ou doença cardiovascular < 40 anos.

Os passos no diagnóstico do HAP devem seguir:

  1. Rastreio: dosagem de aldosterona e renina. Relação aldo/renina ≥ 2 com aldosterona ≥ 10-15 ng/dL é um rastreio positivo.
  2. Teste confirmatório: busca testar a autonomia na secreção de aldosterona. Os mais comuns são a sobrecarga salina, teste da furosemida, captopril e fludrocortisona.
  3. Após confirmação bioquímica, TC adrenais e na maioria dos casos, cateterismo de veias adrenais para avaliar gradiente de secreção de aldosterona.

Estratégias para diagnóstico e tratamento

Dada a importância do tema, é necessário que todos os médicos que atuem na atenção primária estejam atentos para o risco de que os pacientes hipertensos tenham essa condição de base. Dentre as propostas sugeridas pela dra. Yang estão a própria educação da população hipertensa da possibilidade desse diagnóstico, mas sobretudo suporte à atenção primária e a possibilidade de simplificação de guidelines, executando por exemplo, um rastreio universal antes do início do tratamento de qualquer paciente hipertenso. Tal medida aumentaria significativamente os diagnósticos, porém não temos estudos a médio e longo prazo sobre impacto de uma prática de saúde pública como essa em termos de redução de eventos e custos atrelados.

Portanto, no momento, é fundamental entender que diversos pacientes hipertensos que vemos diariamente podem ter hiperaldosteronismo primário e não esperar apenas aqueles com uma crise de hipocalemia para lembrar desse diagnóstico não tão raro assim e rastrear quando houver indicação, referenciando para um seguimento especializado e tratamento adequado após, seja cirúrgico ou com antagonistas de mineralocorticoides.

Estamos acompanhando o ENDO 2022. Fique ligado no Portal PEBMED e no Twitter para mais destaques do evento. 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão